Espetáculo “Noivas” no Sesi


Noivas em foto divulgação de Carol Bandeira

O espetáculo “Noivas”, a estreia acontece no Teatro Sesi do Rio Vermelho, no dia de 8 março de 2017, em homenagem ao dia da mulher e fica em cartaz nos dias 8,9,10,11,12 e 17,18 e 19 de março, sempre às 20h. O Grupo Obyecto de Circulación apresenta a peça com texto de Cleise Mendes e a direção é assinada por Maurício Pedrosa. Ao final da apresentação o elenco e a direção promoverão uma roda de conversa com o público sobre o espetáculo.

A peça conta a história de uma noiva levada por seu futuro esposo até uma costureira que, além de fazer vestidos de casamento, desperta nas noivas a capacidade de refletir sobre o real sentido do matrimônio.
Escrito em abril 2003, mantém-se contemporâneo ao discutir o posicionamento feminino diante das imposições coletivas, sociais e familiares que acabam por induzir comportamentos e ações contrárias, muitas vezes, aos desejos e aspirações individuais da mulher. Cleise Mendes é dramaturga, professora da Escola de Teatro da Universidade Federal da Bahia e integrante da Academia de Letras da Bahia.

Essa montagem marca o retorno do Grupo Obyecto de Circulación que esteve nos palcos baianos nos anos 2004, 2005 e 2007 com elenco formado pelos atores Everton Matos, Megg Chaves e Mirella Gonzalez, atriz convidada e nova integrante do grupo. O diretor Maurício Pedrosa (Oração – 2014, A Comédia Humana – 2015), também professor da UFBA, através do espetáculo “Noivas”, dá ênfase a voz feminina, suas vontades, desejos e a questão do Empoderamento da Mulher, muito evidenciado atualmente. O texto estimula o processo do autoconhecimento, da tomada de decisão, da realização pessoal e sentimental inerente à mulher e revela toda a pressão que a família e os grupos sociais impõem sobre ela.

A peça também procura ressaltar o livre arbítrio, a possibilidade que cada pessoa tem de decidir o destino de sua vida, as dificuldades, a luta e, principalmente, a possibilidade de, como o próprio texto diz, “realizar seus sonhos”.


Mês do Artista Cênico no Gamboa


Cena do filme Mágico Mar lixo sem fim  em foto divulgação de Darcílio Gajé

Em março, o Teatro Gamboa Nova comemora o Mês do Artista Cênico, com uma programação teatral para todos os públicos.
Um dos destaques é a Mostra Prêmio Braskem de Teatro e o espetáculo Mágico Mar, que também invade o espaço exibindo o curta Mágico Mar, Lixo sem Fim, mais a exposição 29 de julho – Dia de Pescador, nos dias de apresentação, de 22 a 26 de março.

Depois de estrear em Portugal, a atriz Nayara Homem comemora seus 15 anos de carreira com o solo A Desejada, que marca seu retorno aos palcos soteropolitanos, neste trabalho exclusivo.
As memórias pessoais de Naia Pratta ganham contornos na pesquisa Estrangeira de Mim, que estreia dia 12.Uma homenagem à arte da palhaçaria com João Lima em O Casamento do Palhaço, grande sucesso de público e crítica.

Para completar, mais uma estreia, Relatos Sentimentais para Corações Juvenis, um estudo divertido das relações aos 20 anos.
O Projeto Teatro Gamboa Nova conta com o apoio financeiro da Secretaria de Cultura do Estado através do Fundo de Cultura.
www.teatrogamboanova.com.br
TEATRO

A desejada- Desvariações sobre o mito de Don Sebastião – Nayara Homem
(ESTREIA BRASIL)
08, 09, 10 e 11/03/2017 (qua a sab) – 20h
O espetáculo, que teve pré-estreia em Portugal e agora Salvador, tem direção de Moncho Rodrigues e comemora os 15 anos de carreira da atriz, que viaja pelo feminino e masculino num reencontro entre a lenda, a história e a arte.
CLASSIFICAÇÃO 16 ANOS
– pessoas trans pagam meia entrada – cadastro em [email protected]
– 8 de março, Dia da Mulher, todas as mulheres (cis e trans) pagam meia.

Estrangeira de mim – Naia Pratta (ESTREIA)
12/03 (dom) – 17h
31/03 (sex) – 18h e 20h
Um mergulho da atriz, que desenvolve este processo artístico desde 2013, em memórias pessoais e de família, para buscar pistas sobre o pertencimento e as relações em trânsito que nos atravessam.
CLASSIFICAÇÃO 12 ANOS

Relatos Sentimentais para Corações Juvenis – Leandro Santolli (ESTREIA)
15,16 e 17/03 (qua, qui, sex) – 20h
18/03 (sab) – 17h e 20h
19/03 (dom) – 17h
Dez cenas curtas que apresentam os universos particulares de três personagens em torno dos 20 anos. Eles se intercalam em monólogos nos quais discorrem sobre sentimentos amorosos como paixão, desejo, desilusões e frustrações.
CLASSIFICAÇÃO 14 ANOS

Mágico Mar
22,23,24 e 25/03/2017 (qua, qui, sex e sab) – 20h
26/03/2017 (dom) – 17h
Indicada ao Prêmio Braskem 2016 nas categorias melhor espetáculo, direção, atriz, texto e categoria especial, a peça aborda a questão do meio ambiente e do lixo descartado no mar de forma emocionante, através da pesquisa do palhaço Espiga e sua companheira Açolina, com encenação de Rino Carvalho.
CLASSIFICAÇÃO LIVRE

O Casamento do Palhaço – João Lima
29 e 30/03/2017 (qua e qui) – 20h
Com roteiro e atuação de João Lima, o palhaço Tiziu, o espetáculo de sucesso é uma comédia romântica que usa as técnicas da palhaçaria e comicidade física para narrar a história de um palhaço que, no dia do seu casamento, é abandonado pela noiva.
CLASSIFICAÇÃO LIVRE
CINE GAMBOA

Um corpo no Mundo + Mágico Mar Lixo sem fim
A exibição de filmes curtas deste mês vem com uma novidade; duas atrações de primeira. O video do projeto Mágico Mar antes da peça e o clipe da cantora Luedji Luna no início dos outros espetáculos.

EXPOSIÇÃO
Meu Corpo, minhas cores
Nayara Homem e Paulo Guedes assinam a exposição interativa que brinca com os limites de um corpo expandido entre a matéria e o vazio, ao fazer intervenções como recortes e colagens, experimentando cores e impressões sobre variados suportes de fotografia.

29 de junho, dia do pescador
Com organização da equipe do projeto Mágico Mar, a exposição pode ser vista nos dias do espetáculo, trazendo imagens do cotidiano de pescadores feitas pelo fotógrafo por Darcílio Gajé.


Nara Couto – Linda e Preta


Fernanda Maia Fotografia

O show “Linda e Preta”, no Teatro Vila Velha, é o segundo espetáculo da cantora Nara Couto em carreira solo. Sob direção cênica de Elisio Lopes Jr. e direção musical de Ubiratan Marques, a proposta é estabelecer uma ponte musical entre a Bahia e a diáspora negra, através de seus compositores em releituras contemporâneas de canções clássicas e novas propostas sonoras.

18 e 19/03 //sábado 20h // domingo 19h
R$ 30 e 15
Sala Principal

Teatro Vila Velha

Passeio PúblicoCampo Grande


Bola de Fogo volta ao ICBA


A mais nova obra autoral de Fábio Osório Monteiro,Bola de Fogo”, volta a cartaz, depois de uma bem-sucedida estreia, para uma dobradinha de saideira: nos dias 3 e 4 de março, às 18h30, com entrada franca. Antes, no dia 2 de março, das 17h às 20h, Osório monta seu tabuleiro e vende acarajé na Praça do Cacau do ICBA Uma coprodução do Goethe-Institut Salvador-Bahia com o Dimenti – ambiente de criação e produção cultural que tem no instituto um espaço estimulador e acolhedor dos seus variados projetos, representando a cena local na residência artística Vila Sul.

SINOPSE
Osório já foi lavador de carro, já foi professor de educação infantil, já foi guia turístico, já foi cadista, já foi motorista, já foi administrador, já foi babá, já foi ator, já foi produtor premiado, já foi dançarino, já foi intérprete em espetáculos internacionais, já fez participação em novela, já fez sexo com gente muito famosa, mas ainda assim não consegue pagar as contas. Osório transcende. Osório agora é baiana de acarajé.

Bola de Fogo” é uma performance que inaugura um novo momento da carreira de Fábio Osório Monteiro, que passa a atuar também como baiana de acarajé, devidamente registrada na Associação Nacional das Baianas de Acarajé e Mingau (ABAM). A obra busca relacionar o fato de Osório ser um artista atuante na cena contemporânea, tendo trabalhado com importantes artistas brasileiros e internacionais, e sua necessidade de subsistência diante da instabilidade dos tempos atuais.

BOLA DE FOGO
Tabuleiro montado: 2/3, 17h às 20h
Perfomance e quitutes: 3/3 e 4/3, 18h30
Onde: Goethe-Institut Salvador-Bahia/ICBA
(Av. Sete de Setembro, 1809, Corredor da Vitória)
Entrada franca
 
Ficha técnica
Criação e performance: Fábio Osório Monteiro
Colaboração: Leonardo França, Jorge Alencar e Neto Machado
Produção: Dimenti
Coprodução: Goethe-Institut Salvador-Bahia


Espetáculo musical na Casa XIV


Companhia de Dança Tradições em foto divulgação de Newton Soares

Inspirado nas imagens do fotógrafo e etnólogo franco-brasileiro, Pierre Verger, e do artista plástico argentino-brasileiro, Carybé, o espetáculo musical ‘Tradições de uma Bahia’ com nova temporada até 28 de março, às 19:30h, na Casa XIV, localizada na Rua Frei Vicente, nº 14, no Pelourinho, anexo ao Teatro XVIII, Centro Histórico de Salvador (CHS). Teve início dia 7 e apresentam-se ainda no dia 14, e após o Carnaval, nos dias 7, 14, 21 e 28 de março. A Casa XIV é uma das unidades imobiliárias do Estado administrada pelo Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (IPAC). Cedido contratualmente, o espaço está em constante movimento cultural e, por isso, integra o Projeto ‘Dei Valor’ do IPAC que dissemina boas ocupações de imóveis no Pelourinho, com atividades que movimentam o bairro.

Produzido pela Companhia de Dança Tradições, o musical é dirigido pelo bailarino Denys Silva e fica em cartaz na Casa XIV durante as terças-feiras de fevereiro e março, sempre às 19:30h. A atração traz roupagem contemporânea e utiliza recursos tecnológicos que permite ao público conhecer de maneira lúdica as obras desses artistas e a cultura baiana em geral. Segundo o diretor, as imagens são projetadas no cenário, durante o espetáculo, para proporcionar experiência estética e sensorial mais profunda.

BAIRRO VIVO – Simone Carrera, diretora da Sole Produções e coordenadora do espaço, lembra que a ocupação da Casa XIV é um dever. “Isso mantém o Pelourinho em movimento e deixa o bairro vivo”, diz. Ela explica que as manifestações culturais fazem com que a frequência aumente. “Grupos de diversas linguagens artísticas nos procuram para ensaios, oficinas e espetáculos”, relata. Com sua produtora, Simone também promove shows nos largos do Pelourinho, como o do cantor Gerônimo que acontece às terças-feiras no Largo Pedro Archanjo.

O produtor Alê Freitas comenta a importância da ação. “É um resgate e fortalecimento da cultura popular para não perdermos nossa identidade. Precisamos conhecer nossas origens”, comenta Alê. Dentre as atrações do espetáculo, ele destaca a beleza e a história dos orixás, rodas de capoeira, dança afro, puxada de rede, maculelê e samba de roda.

ÁREA TOMBADA – Graduado em dança moderna e balé clássico pela Fundação Cultural (Funceb), o coreógrafo Denys Silva fala do resgate das tradições. “Mesmo com tanta luta ainda sofremos preconceito, a falta de conhecimento faz com que surja intolerância. Precisamos alcançar a população via arte e cultura”, finaliza.

O projeto ‘Dei Valor!’ do IPAC dissemina boas ocupações. O IPAC administra 286 unidades imobiliárias no CHS, ou cerca de 2% do total de imóveis na área tombada pelo IPHAN. O restante de 98% pertence a particulares, outros órgãos e secretarias municipais e estaduais, além de congregações e irmandades da Igreja Católica.

Dias: Fevereiro  (14) e Março (07, 14, 21, 28).
Onde: Casa XIV – Rua Frei Vicente, nº 14, no Pelourinho, anexo ao Teatro XVIII, Pelourinho.
Horário: Às 19H30.
Ingressos: R$30 (inteira) R$15 (meia)