Mostra Competitiva Brasil do 14º Cine Esquema Novo acontece em abril


A Chuva Acalanta a dor. Divulgação

O 14º Cine Esquema Novo – Arte Audiovisual Brasileira divulga os selecionados para a Mostra Competitiva Brasil do evento que ocorre de 10 a 15 de abril em formato totalmente on-line e gratuito. Do total de 395 inscritos, 31 obras foram escolhidas para integrar a principal mostra da programação do festival. Foram mais de 144 horas de material avaliadas e selecionadas pelo time de curadores formado por Dirnei Prates, Gustavo Spolidoro, Jaqueline Beltrame e Vinícius Lopes.

Este ano, por conta do formato on-line, a organização do festival criou uma novidade para a Mostra Competitiva Brasil: o Caderno de Artista. A novidade estará em diversos conteúdos que serão construídos em parceria com cada um dos selecionados, que estarão disponíveis em um ambiente digital criado para cada participante.

“Estamos propondo aos selecionados que escolham outra obra audiovisual que entre em diálogo com seu trabalho, para estar em exibição com seu filme no festival. Esta obra escolhida pelo artista não estará na Mostra Competitiva Brasil, mas ela fará parte do que chamamos de Caderno de Artista, uma área que reunirá, além do filme selecionado, a obra que dialoga com o trabalho em competição, entrevistas, informações e outras imagens, convidando o público a ter uma maior compreensão do universo de cada realizador”, declaram Jaqueline Beltrame, Ramiro Azevedo, Gustavo Spolidoro e Alisson Avila, organizadores do CEN, que celebra 18 anos de existência em 2021.

Os Últimos Românticos do Mundo. Divulgação

A seleção conta com dez projetos assinados por duos ou grupos, 8 realizadoras, 19 realizadores, além de artistas agênero e não-bináries. Temáticas como cenário político brasileiro atual, direitos humanos, fim do mundo, saúde mental, questões indígenas, memória e história, racismo, solidão na contemporaneidade, identidade queer, religiosidade, futuro, exploração da natureza, territorialidade, laços familiares, entre outras, pautam os títulos selecionados a partir de onze Estados brasileiros e duas produções assinadas por brasileiros realizadas no exterior (ou em coprodução internacional).

Eu não sou um robô (Gabriela Richter Lamas, Maurílio Almeida, Felipe Yurgel, Lívia Pasqual, Guilherme Cerón, Rafael Duarte), O Ciclope (Guilherme Cenzi, Pedro Achilles), Per Capita (Lia Leticia), Performatividades do Segundo Plano (Frederico Benevides e Yuri Firmeza), sem título #6: o Inquietanto (Carlos Adriano) e Urubá (Rodrigo Sena) têm estreia mundial no festival, além de quatro estreias nacionais: 13 Ways of Looking at a Blackbird (Ana Vaz), A chuva acalanta a dor (Leonardo Mouramatheus), As vezes que não estou lá (Dandara de Morais) e Para Colorir (Juliana Costa).

As Vezes Que Não Estou Lá. Divulgação

A lista também integra títulos como O Mundo Mineral, de Guerreiro do Divino Amor, artista contemplado com o Prêmio Pipa 2019 e que participa pela terceira vez do festival; 13 Ways of Looking at at a Blackbird, de Ana Vaz, que integra a mostra Forum Expanded do 71º Festival Internacional de Cinema de Berlim.

 

O 14º Cine Esquema Novo – Arte Audiovisual Brasileira é uma realização da ACENDI – Associação Cine Esquema Novo de Desenvolvimento da Imagem. Projeto realizado com recursos da Lei nº 14.017/2020. Mais informações, acesse: www.cineesquemanovo.org | www.facebook.com/cineesquemanovocen | @cine_esquema_novo

Mostra Competitiva Brasil – 14º Cine Esquema Novo – Arte Audiovisual Brasileira – selecionados

#eagoraoque – Jean-Claude Bernardet & Rubens Rewald

13 Ways of Looking at a Blackbird – Ana Vaz

A chuva acalanta a dor – Leonardo Mouramateus

Antes do Azul – Romy Pocztaruk

As Vezes Que Não Estou Lá – Dandara de Morais

Atordoado, Eu Permaneço Atento – Henrique Amud & Lucas H. Rossi dos Santos

Caminhos encobertos – Beatriz Macruz e Maria Clara Guiral (diretoras); Thiago Henrique Karai Jekupe e Victor Fernandes Karai Mirim (história original)

cantar é com os passarinhos – Amanda Teixeira

Célio’s Circle – Diego Lisboa

Deserto Estrangeiro – Davi Pretto

Entre nós e o Mundo – Fabio Rodrigo

Eu Não Sou Um Robô – Gabriela Richter Lamas, Maurílio Almeida, Felipe Yurgel, Lívia Pasqual, Guilherme Cerón, Rafael Duarte

Fazemos da memória nossas roupas – Maria Bogado

Joãosinho da Goméa – O Rei do Candomblé – Janaina Oliveira ReFem e Rodrigo Dutra

Lyz Parayzo Artista do Fim do Mundo – Fernando Santana

Milton Freire, um grito além da história – Victor Abreu

O Ciclope – Guilherme Cenzi, Pedro Achilles

O Jardim Fantástico – Fábio Baldo e Tico Dias

O Mundo Mineral – Guerreiro Do Divino Amor

Os Últimos Românticos do Mundo – Henrique Arruda

Para Colorir – Juliana Costa

Per Capita – Lia Leticia

Performatividades do Segundo Plano – Frederico Benevides e Yuri Firmeza

Perifericu – Nay Mendl, Rosa Caldeira, Stheffany Fernanda e Vita Pereira

Rocha Matriz – Cristal Líquido (Gabriel Menotti e Miro Soares)

sem título # 6 : o Inquietanto – Carlos Adriano

Ser Feliz No Vão – Lucas H. Rossi dos Santos

URUBÁ – Rodrigo Sena

Vagalumes – Léo Bittencourt

Vento Seco – Daniel Nolasco

Vil, má – Gustavo Vinagre

14º Cine Esquema Novo – Arte Audiovisual Brasileira

Quando: 10 a 15 de abril

Onde: www.cineesquemanovo.org

Valor: gratuito


Antigos carnavais e festas populares da Cidade Baixa em websérie


Um dos criadores do trio elétrico e da guitarra baiana, Osmar, parceiro de Dodô, nasceu na Ribeira, onde a Fubica foi montada. Foi também lá que a cantora Margareth Menezes nasceu, se criou e deu os primeiros passos na carreira. A Cidade Baixa também era palco da Levada do Jegue, além da icônica Festa do Senhor do Bonfim e de Bom Jesus dos Navegantes.

É também de lá o Trio Saborosa, ícone do carnaval no final dos anos 70 e início dos 80, criado por uma fábrica de cachaça situada na Rua Barão de Cotegipe. Essas e outras histórias integram a websérie “Diga aí, CBX”, que estreou na quarta-feira (03), dentro da programação do VirtuArte Cidade Baixa, disponível no Instagram do projeto: @virtuartecbx. A programação é gratuita.

Natielly, Feira de São Joaquim. Foto Amós Costa/Divulgação

São quatro episódios com duração de até oito minutos, contando um pouco sobre o início do axé, carnaval e festejos populares, os primeiros cinemas de rua de Salvador, a história das fábricas e ainda um episódio dedicado à localidade de Alagados. Entre os entrevistados, Laurinha Arantes, a primeira cantora da “Cheiro de Amor” e primeira mulher a puxar um bloco de Carnaval; os jornalistas Jolivaldo Freitas e Valber Carvalho; o Padre Edson Menezes da Silva, Reitor da Igreja do Bonfim há 12 anos; Ybsen de Souza Britto, ex-coordenador da equipe da praia da Festa de Bom Jesus dos Navegantes; e Jamira Muniz, coordenadora do Espaço Cultural dos Alagados.

“O VirtuArte surge da vontade de fazer pulsar esse lugar de onde venho, onde nasci e me criei, que não tem visibilidade cultural. As pessoas precisam se deslocar de seu território para apresentar sua arte e se desenvolver enquanto artista”, pontua a idealizadora e produtora executiva e artística do projeto, Polyana Sá. “A gente conhece a CBX como um lugar turístico e um pouco das festas populares, como a Lavagem do Bonfim, que leva milhões de pessoas, uma vez ao ano, até lá, mas a gente não conhece muito mais sobre a parte histórica”, enfatiza.

Santuário Santa Dulce dos Pobres (antigo Cine Roma). Foto Amós Costa

Os episódios serão exibidos quinzenalmente: dias 03, 17 e 31 de março, e 14 de abril. Entre os conteúdos de resgate histórico, a trajetória de sucesso do primeiro cinema de rua da capital baiana: o Cine Roma (onde hoje é o Santuário de Irmã Dulce), inaugurado em 1948 e que recebeu artistas como Roberto Carlos e Waldick Soriano, foi palco de festivais de música, peças teatrais e concursos de beleza.

“Ali era o principal ponto cultural dos anos de 1950 aos anos 80, não só da Cidade Baixa como de Salvador. Era um cineteatro para duas mil pessoas, que recebia dos grandes filmes de Hollywood aos shows da Jovem Guarda. Foi também onde Raul Seixas praticamente estreou ao lado dos Panteras. Era mesmo um local de encontros”, pontua o historiador Matheus Buente, que está no primeiro e terceiro episódio da websérie.

Cultura em movimento

Ponta de Humaitá. Foto Jeferson Teixeira/ Divulgação

A programação do VirtuArte Cidade Baixa é totalmente online, com todas as atividades disponíveis no Instagram, e inclui a exposição fotográfica “Olhares sobre a CBX”, que estreou no último dia 23, reunindo o trabalho de oito profissionais da localidade; oficinas de dança afro brasileira, interpretação para audiovisual e Mobgrafia (vídeo com celular); workshop de profissionalismo na música independente; sete vídeos performances de artistas locais e variadas manifestações, como música, capoeira, dança e teatro (o primeiro episódio vai ao ar no sábado, com o duo João Melo e Edwã Victor, tocando Marimba na Praia da Ribeira);

E o “Fala aí, diretxr_”: um bate papo mediado pelo ator e diretor Heraldo de Deus, recebendo convidadas como as diretoras Cecília Amado (“Capitães de Areia”) e Vilma Martins (“5 fitas”) para discutir filmes ambientados na região – estreia 15 de março.
O projeto é contemplado pelo Prêmio Anselmo Serrat de Linguagens Artísticas, da Fundação Gregório de Mattos, Prefeitura de Salvador, por meio da Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc, com recursos oriundos da Secretaria Especial da Cultura, Ministério do Turismo, Governo Federal.
Serviço:

VirtuArte Cidade Baixa

Quando: até 17 de abril
Programação (100% online):

Exposição fotográfica “Olhares sobre a CBX”: de 23 de fevereiro a 13 de abril

Vídeos performances: de 06 de março a 17 de abril

Diga aí, CBX – série de entrevista com historiadores e personagens da região: dias 03, 17 e 31 de março e dia 14 de abril

Oficinas:

Dança afro-brasileira (com Agatha Simas): dias 08 e 10 de março

Mobgrafia – vídeo com celular (com Ariel L. Ferreira): dias 23 e 24 de março

Interpretação para audiovisual (com Everton Machado): dias 05 e 07 de abril

Workshop de música independente:

08 abril (com Luan Tavares da “OFÁ” e Dieguito da “Vivendo do Ócio”)

13 de abril (com Jad Ventura da “Zuhri” e Gabriela Carmo)

Fala aí, diretxr_: bate papos com cineastas sobre filmes ambientados na Cidade Baixa, como “Tungstênio”, “Capitães de Areia”, “Navegantes” e “5 fitas”: dia 15 de março e 12 de abril
Gratuito

Mais informações: @virtuartecbx

 


Arte e Identidade: Festa de Arte e Literatura Negra Infanto Juvenil


Foto Edcleuza Sena/Divulgação

Com o objetivo de promover e incentivar a literatura negra desde a infância acontece, de 30 de março a 1º de abril, das 9h às 19h, a primeira edição da Arte e Identidade, Festa de Arte e Literatura Negra InfantoJuvenil. Em formato digital, reunirá gratuitamente escritores, artistas, educadores, pais, crianças e adolescentes, com acesso por meio das redes sociais e canal do youtube do evento.

A festa literária promoverá a difusão da literatura e da leitura infantojuvenil, com obras com protagonismo negro, e bate papos acerca da formação da identidade e desenvolvimento da autoestima da criança e adolescente negro.

Com tradução simultânea em libras, o evento on-line, contará com rodas de conversa e mesas literárias, contação de histórias, atividades lúdicas, apresentações culturais de artes integradas, oficinas, encontro com autor, lançamento de livros e feira de livros e brinquedos afirmativos.

A Arte e Identidade pretende democratizar o acesso aos livros de literatura negra infantil, despertar o gosto pela leitura do público alvo, incentivar a diversidade, além de fortalecer a cadeia criativa em torno da literatura do segmento.

A Festa de Arte e Literatura Negra InfantoJuvenil é uma realização da EdCarlão Eventos, com a autoria e produção executiva de Cris Santana e a curadoria de Mazé Lúcio, Cássia Valle e Carol Adesewa.

O projeto tem apoio financeiro do Estado da Bahia por meio da Secretaria de Cultura e Fundação Pedro Calmon (Programa Aldir Blanc Bahia) via Lei Aldir Blanc, direcionada pela Secretaria Especial da Cultura do Ministério do Turismo, Governo Federal.

Primeira edição da Arte e Identidade, Festa de Arte e Literatura Negra InfantoJuvenil
Onde: Transmitido pelas redes sociais e canal do youtube do evento
Quando: 30 de março a 1º de abril
Horário: das 9h às 19h
Quanto: Gratuito.

Redes Sociais

Instagram:https://www.instagram.com/arteeidentidadeoficial/


Enxurrada III lança o Podcast Casa Preta com bate-papo até abril


Encontros trazem temas que permeiam assuntos artísticos baseados em diversidade racial, de gênero e religiosa durante quatro meses.

A partir de 3 de março, às quartas-feiras de março e abril serão de encontros virtuais com artistas, pesquisadores e profissionais das artes da cena baianas que trazem importantes percepções sociais e coletivas no Podcast Casa Preta, ação que integra o Enxurrada III, projeto idealizado pelo Aldeia Coletivo. Ao todo, serão lançados oito bate-papos até o dia 21 de abril, que trazem reflexões cotidianas sobre perspectivas não hegemônicas.

Maju Passos. Foto Caio Lírio/Divulgação

Diante da pandemia e das consequências do novo Coronavírus (Covid-19), a estratégia é à distância possibilitar diálogos e análises de assuntos que são comuns no dia-a-dia da Casa Preta Espaço de Cultura, localizada no bairro Dois de Julho. Com 10 anos de ocupação artística e um vírus que desde março de 2020 interferiu na dinâmica e produção cultura do casarão de fachada preta, a intenção é abarcar experiências que surgem e aconteceram na convivência dos coletivos e frequentantes do espaço, mas que são comuns para outras pessoas, mediante as estruturas sociais e vivências quais estamos submetidos.

Com um tema diferente e com convidados que possam contribuir nas reflexões propostas, em cada episódio terá um mediador(a) que faz parte de um dos grupos da casa ou estão integrados às ações que atuam em parceria do espaço, para que haja diversidade e contribuições mais plurais. Essa é a poética do Enxurrada da Casa Preta III, que tem apresentado desde o mês de janeiro lives com produções culturais (música, teatro e poesia urbanas) baseadas em diversidade racial, de gênero e religiosa durante quatro meses.

O primeiro encontro debate o tema ”Espaços Culturais Alternativos”, movimento que cresceu em todo o país e que certamente está alterando o modo como a produção cultural se organiza. Com mediação de Vitor Barreto, co-gestor da Casa Preta, produtor cultural e integrante do Grupo Vilavox de Teatro, o #01 Podcast da Casa Preta traz os convidados Maju Passos (fundadora da Casa Charriot e especialista em produção cultural e economia criativa) e o artista LGBTQIA+, perfomer, educador social Georgenes Isaac, integrante do Coletivo das Liliths e gestor da Casa Evoé.

Os podcasts #02 e #03 tem como tema “Racismo estrutural, ambiental e religioso” e prometem aprofundar o racismo e suas manobras que exterminam e silenciam vidas, principalmente no que diz respeito às práticas religiosas e filosofias de vida afroindígenas. No dia 10 de março, o segundo podcast será conduzido por Belle Damasceno, cientista social e antropóloga, e traz como convidados Caboclo de Cobre, compositor, cantor e integrante do Aldeia Coletivo, e Sanara Rocha, pesquisadora, produtora cultural e multiartista.

Geórgenes Isaac. Foto/Divulgação

Já no dia 17 de março, o debate será mediado pela comunicóloga Bruna Rocha e terá as ricas contribuições da encenadora, dramaturga e pesquisadora da relação candomblé e teatro Onijasé, a performer e diretora de arte Tina Melo e a atriz e ekedi do Ilê Asé Oyá L’adê Inan (Alagoinhas) Fabíola Nansurê.

Para encerrar a primeira parte da temporada do Podcast da Casa Preta, o tema escolhido foi Planejamento Estratégico e Assessoria de Imprensa para Artistas Independentes, com apresentação de Laísa Gabriela, jornalista, gestora cultural e assessora de imprensa, integrante do Aldeia Coletivo e co-criadora do EPA Criativo.

Lançado dia 24 de março, o encontro traz reflexões e dicas para que artistas emergentes possam compreender estratégias comunicacionais para divulgar seus trabalhos. Os convidados são Francini Ramos – gestora cultural e uma das responsáveis pela Jornada da Cena Independente; Rafael Brito – jornalista, assessor de comunicação e multi-artista – e ISSA – cantor, compositor e instrumentista.

O público ainda terá mais quatro encontros posteriores a esses, com os temas: Dimensões sensíveis do cotidiano na produção cultural: relações raciais, de gênero e sexualidades; Trabalho via apps, o dia na tela: posts, criações de conteúdo e edições de texto, redes sociais; Articulação: a importância de estar em canais de diálogo, grupos temáticos em redes sociais (o novo associativismo); O espaço cultural no território: experiências de relações com as comunidades do entorno; dias 31 de março, 07, 14 e 21 de abril, respectivamente.

O projeto é contemplado pelo Prêmio Anselmo Serrat de Linguagens Artísticas, da Fundação Gregório de Mattos, Prefeitura Municipal de Salvador, por meio da Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc, com recursos oriundos da Secretaria Especial da Cultura, Ministério do Turismo, Governo Federal.

Março

03 de março – PodCast 1 – gestão de espaços culturais alternativos com a participação de outras casas de cultura da cidade

10 de março – PodCast 2 – Debate com intelectuais acerca do racismo estrutural, religioso e ambiental

13 de março – Cabokaji e MC Coscarque

17 de março – PodCast 3 – Debate com intelectuais acerca do racismo estrutural religioso e ambiental

20 de março – Los Pesos

24 de março – PodCast 4 – Produção e Gestão Cultural: como montar um portfólio, realizar assessoria de si mesmo e/ou dividir as funções em trabalhos colaborativos

31 de março – PodCast 5 – Dimensões sensíveis do cotidiano na produção cultural: relações raciais, de gênero e sexualidades

Abril

03 de Abril – DJ Nay Kiesse e Cabôco Experiencia / MC Tipo A

07 de abril – PodCast 6 – Trabalho via apps, o dia na tela: posts, criações de conteúdo e edições de texto, redes sociais

10 de abril – Medeia Negra

14 de abril – PodCast 7 – Articulação: a importância de estar em canais de diálogo, grupos temáticos em redes sociais (o novo associativismo)

21 de abril – PodCast 8 – O espaço cultural no território: experiências de relações com as comunidades do entorno. Uma programação cultural de qualidade e diversificada, gratuita para o público adulto, jovem e infantil

24 de abril – Coletivo das Liliths e MC Di Cerqueira


Religiosos de terreiros e ativistas defendem lugares sagrados


Fotos Mônica Silveira Divulgação

Representantes das Comunidades de Terreiros das nações Angola, Jeje, Ketu e Umbanda do entorno da Pedra de Xangô receberam ativistas e lideranças religiosas do sitio natural sagrado Lagoa do Abaeté, bem como Milena Tavares, Diretora de Patrimônio e Humanidades, como representante da Fundação Gregório de Mattos, sábado passado(20/02). O encontro teve como objetivo reverenciar Xangô, Nzazi e Sogbo e, sobretudo, fortalecer as conexões e redes em defesa dos espaços sagrados e dos espaços verdes na cidade de Salvador.Patrimônio cultural da cidade, a Pedra de Xangô é uma formação geológica de mais de bilhões de anos, localizada na região central da cidade de Salvador-Bahia, em áreas de remanescentes de quilombos e do bioma Mata Atlântica. Outrora, o lugar era rota de fugas, portal da liberdade, moradas de indígenas e quilombolas e de divindades africanas e afro-brasileiras. Na atualidade, sede de um Parque Urbano, de uma Área de Proteção Ambiental – APA Municipal Vale do Assis Valente e de um Parque em Rede Pedra de Xangô, criados no PDDU (Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano) de 2016, os dois últimos, através de emenda popular. Considerando a complexidade do projeto, o Município de Salvador, em 2020, optou por implantar o Parque Urbano Pedra de Xangô e em paralelo desenvolver estudos para implantação das outras unidades.