Juliana Ribeiro no Domingo do TCA


Foto Sidney Rocharte/Divulgação

A primeira edição do Domingo no TCA em 2020, 14º ano do projeto, tem motes especiais: a cantora Juliana Ribeiro celebra seus 20 anos de carreira e faz o pré-lançamento do álbum “Preta Brasileira”, dia 19, às 11h. O show revela o lado compositora da artista e é resultado de um trabalho de pesquisa minucioso sobre as matrizes afro-brasileiras.

Expressões artísticas como música, teatro e poesia se cruzam para traçar a trajetória musical destas duas décadas. Nesta prévia de lançamento, Juliana apresenta quatro canções com sua assinatura, dentre as quais “Ella”, um chula-jazz, e “Dragão de Gaudí”, contando as etapas de um relacionamento a dois.

Além disso, também integram o set list músicas como “Pra matar preconceito”, de Marina Iris e Nina Rosa, “Maria da Vila Matilde”, de Elza Soares, e “Mulher: pessoa que fala”, presente de Roque Ferreira para Juliana. A eterna sambista Clementina de Jesus é homenageada em “Rainha da Ginga”. O Domingo no TCA é uma iniciativa do Teatro Castro Alves, Fundação Cultural do Estado da Bahia (Funceb) e Secretaria de Cultura


Verão da Osba no Pelourinho e ensaios abertos


Maestro da Osba, Carlos Prazeres . Divulgação

O mês de janeiro é um período de férias para muitas orquestras do Brasil. Indo de encontro a essa praxe, a Orquestra Sinfônica da Bahia se prepara para estar na ativa e marcar presença no verão soteropolitano levando música gratuita para o Centro Histórico de Salvador. No “Verão da OSBA”, a programação começa com apresentações de Grupos de Câmara – Quinteto de Metais (dia 10) e Quarteto de Cordas (dia 11) –, das 17h às 18h, seguidas de concertos que misturam música clássica e popular, das 18h30 às 20h, até se estender à “OSBALADA”, festa com DJ e intervenções de músicos da orquestra, a partir das 20h30.
Onde: Praça das Artes – Pelourinho
Quanto: Gratuito

Ensaios abertos
DIAS 6 e 7, às 10h: Quarteto de Cordas
Onde: Sala de Ensaio da OSBA, Piso C do TCA
DIAS 6 e 7, às 10h: Quinteto de Metais
Onde: Sala de Naipe 3, Piso B do TCA
DIAS 8 e 9, às 10h e às 19h: Orquestra
Onde: Sala de Ensaio da OSBA, Piso C do TCA
Quanto: Gratuito (sujeito à lotação do espaço e a chegada antes do início da atividade)

Cameratas da Osba – Apresentações gratuitas

Camerata Opus Lumen

Apresentações
8/1, 16h: Casa da Cultura do Idoso – Largo Quincas Berro d’Água (Pelourinho)
9/1, 16h: Palácio Rio Branco
Ensaios abertos
8/1, 8h30: Sala de Naipe, Piso B do Teatro Castro Alves

9/1, 8h30: Sala de Naipe, Piso B do Teatro Castro Alves

Camerata Bahia Cordas
Apresentações
6/1, 14h30: CAPS Garcia
7/1, 18h: Palacete das Artes
Ensaios abertos
6/1, 11h: Sala de Naipe, Piso B do Teatro Castro Alves
7/1, 16h: Sala de Naipe, Piso B do Teatro Castro Alves

Camerata Quadro Solar
Apresentações
7/1, 16h: Centro de Culturas Populares e Identitárias (Pelourinho)
9/1, 18h: Museu Carlos Costa Pinto
Ensaios abertos
7/1, 14h: Sala de Naipe, Piso B do Teatro Castro Alves
8/1, 8h30: Sala de Naipe, Piso B do Teatro Castro Alves

Camerata Quarteto Novo
Apresentações
6/1, 16h: Associação Casa de Caridades Adolfo Bezerra de Menezes – ACCABEM (Lauro de Freitas)
7/1, 16h30: Museu Geológico da Bahia (Projeto Terças Musicais)
Ensaios abertos
6/1, 14h: Sala de Naipe, Piso B do Teatro Castro Alves
7/1, 14h30: Sala de Naipe, Piso B do Teatro Castro Alves


Programação do Gamboa Nova em dezembro


Yuri Tripodi encena Em nome da razão. Foto Daniel Guerra /Divulgação

Fecha mais um ciclo, no 12º ano de funcionamento do projeto Gamboa Nova, além das comemorações dos 45 anos do Teatro Gamboa, este lugar peculiar de Salvador, onde a Arte e Cultura podem ser acessadas com aconchego e simplicidade.Também encerra o primeiro semestre do projeto Se Mostra Interior, da Fundação Cultural do Estado da Bahia, que promoveu de maneira prática e sustentável o intercâmbio do que é produzido visualmente e cenicamente no interior do Estado, aproximando diferentes realidades do contexto da capital.

Dezembro é a vez do Alquimia Coletivo Escola, da cidade de Ilhéus, com o espetáculo “Pinóquio – O Garoto Cara-de-Pau”, uma reflexão sobre as fake news modernas. Na capa do catálogo impresso a obra Energia Oxum, da artista visual Jaci Pinto, de Alagoinhas.Dia 01, às 19h, a Dança abre o mês com “Al Compás”, mostrando a imersão profunda de Flora Bacelar e Gionanni Damião, dois grandes dançarinos da estética flamenca.

Como destaque da programação, a pesquisa “Em Nome da Razão”, solo de Yuri Tripodi que investiga sua história pessoal para refletir sobre a necessidade de quebrar paradigmas relacionados a loucura em nossa sociedade. De 04 até 13, sempre às 19h, nas quartas, quintas e sextas.

Afrodiasporico com Luan Sodré. Foto Valnei Souza/Divulgação

JANOS, uma criação contemporânea de música, amor, paz e união, revela o tom imprevisível do show “Paz no Caos”, em única apresentação dia 14, seguido, no domingo dia 15, de “Afrodiaspórico”, um mergulho musical de Luan Sodré que fala sobre sua identidade negra e toda sua influência musical a partir deste contexto.

E o trabalho da equipe do Gamboa Nova continua, após um breve recesso, a partir do dia 16 de dezembro, e volta no início de janeiro para mais uma etapa desta história.

Capa do Catálogo impresso

Se Mostra Interior Alagoinhas

Energia Oxum – Jaci Pinto @jaci.psz

A pintura, feita em lápis de cor aquarela, aborda a conexão de Oxum, a força e proteção das águas doces, com o gerar de uma vida por uma mulher. Jaci tem o feminino como pesquisa poética de suas obras.

Para saber mais: https://www.instagram.com/jaci.psz/

Cinema

Divulgação

Manifesto – Carta da VII Mostra Pantalhaços: afirmação do riso – 2019

Antes das apresentações com autorização das produções (qua a dom)

Evento realizado em Campo Grande/MS, desde 2009, a Pantalhaços deste ano construiu a carta Afirmação do Riso, que reflete sobre os caminhos desta arte, narrando em vídeo este belo manifesto, com imagens poéticas do encontro.

Quando: de 01 a 15/12/2019 (quarta a sábado 19h e domingo – 17h)
Quanto: incluso no valor do ingresso do dia – R$20 e R$10 (meia c/ comprovante)

Onde: Teatro Gamboa Nova – Rua Gamboa de Cima 03, Aflitos (atrás do Passeio Público, ao lado do quartel).

Livre

Exposição

Pretas estão se Amando – Annie Ganzala

até 15/12- das 16h às 19h (qua a sab) e 15h às 17h (dom)
Gratuito (Foyer do Teatro – Galeria Jayme Fygura)

Último mês das aquarelas da artista na Galeria Jayme Fygura. Uma expressão da comunidade negra e as conexões de vida das mulheres da diáspora.

Dança

Al Compás – Flora Bacelar e Giovanni Damião

01/12/2019 (domingo) – 17h

R$ 20 (inteira), R$ 10 (meia)

Espetáculo que busca, através do baile flamenco e seus ritmos, expressar a pulsação única desta arte universal. Uma experiência musical, sensorial e híbrida, na interpretação de quem faz o flamenco em sua forma mais visceral.

Livre

Teatro

Em nome da razão – Yuri Tripodi

04, 05, 06, 11, 12 e 13/12/2019 (qua, qui e sex) – 19h

R$ 20 (inteira), R$ 10 (meia)

Pesquisa que investiga a relação entre a loucura e a sociedade contemporânea, o espetáculo é alicerçado em uma perspectiva que reconfigura estados vivenciados pelx autorx, a partir de processos psicóticos e de internamento. Problematiza a espetacularização do surto e a falácia de muitas classificações perversas.

18 anos

Teatro – Se Mostra Interior Ilhéus

Pinóquio. Foto Izabella Valverde/ Divulgação

Pinóquio, o Garoto Cara-de-Pau – Alquimia Coletivo Escola

07/12 (sab) às 19h + 08/12/2019 (dom) – 17h

R$ 20 (inteira), R$ 10 (meia)

O que significa ser uma pessoa real em tempos de pós-verdade e fake news? Uma releitura do conto clássico que dialoga com os tempos atuais, através da famosa história do boneco de madeira que deseja virar um garoto de verdade.

Livre

Música

Paz no Caos – JANOS

14/12/2019 (sábado) – 19h

R$ 20 (inteira), R$ 10 (meia)

Os irmãos JANA e JAN trazem em sua essência mensagens de amor, união, paz e respeito. A força e a harmonia de suas vozes constroem uma performance irreverente, com experiências sensoriais e uma grande variedade sonora.

Livre

Afrodiaspórico – Luan Sodré

15/12/2019 (domingo) – 17h

R$ 20 (inteira), R$ 10 (meia)

O músico, em parceria com os amigos Marcos Santos e Alexandre Vieira, articula através das cordas uma matriz e ancestralidade que têm o Recôncavo Baiano como grande referência.

Livre

 

 

 


“Aos 50 – Quem me aguenta?” com Edvana Carvalho


Foto Diney Araújo/Divulgação

Comemorando 35 anos de carreira, a atriz de teatro, cinema e televisão
também assina o roteiro original do espetáculo dirigido por Marcelo Praddo.
Com estreia marcada para o próximo dia 6 de dezembro, às 20 horas,
no Teatro Vila Velha, o solo “Aos 50 – Quem me aguenta?” marca uma nova
fase da atriz baiana Edvana Carvalho (“Bando de Teatro Olodum”, “Malhação”
e “Irmãos Freitas”).
Mais do que nunca, para a intérprete, este é o momento de falar sobre a
mulher negra e sua maturidade, os aspectos sentimentais e sociais de seu
empoderamento, abordando temas como sexo, envelhecimento, filhos,
relacionamentos e sororidade ao ultrapassar as barreiras trazidas pelos 50
anos.
Edvana é autora dos textos do espetáculo, que fica em cartaz às sextas,
sábados e domingos, até dia 22 de dezembro, no espaço intimista e
descontraído do Cabaré dos Novos, inspirado no formato do Ted Talk, em que
conversas curtas são apresentadas de forma bem-humorada sobre as diversas
situações vividas no âmbito pessoal da intérprete.
“Aos 50 – Quem me aguenta?” traz uma abordagem crítica e
consciente, de uma mulher frente às demandas de uma sociedade que ainda
se guia pela valorização da juventude. Assim, temas como machismo,
misoginia, racismo e preconceitos diversos, servem como fonte para quebrar
paradigmas e mostrar as novas possibilidades do feminino no contexto
contemporâneo.
“Essa peça vem para comemorar os meus 35 anos de teatro e a minha
entrada na meia-idade. Estou vivendo outra fase na minha vida, que também é
de total empoderamento. Já me tornei avó, gosto de dizer que me tornei
vovógata!” – explica a intérprete e completa: “pela primeira vez vou ao palco
sozinha, um desafio que eu mesma me impus pessoalmente e como artista,
para falar sobre a mulher que eu vi crescer em mim nesses 51 anos de idade”.
Segundo Edvana, a peça toca em muitos tópicos, dentre eles
relacionamentos, filhos, a síndrome do ninho vazio, questões sociais,
cotidianas e, claro, situações engraçadas. Outra perspectiva, que permeia toda
sua carreira, é a de ser um instrumento de representatividade. “Acredito que
devemos estimular sempre a ideia de que meninos e meninas negros, oriundos
da periferia, como eu, podem ser atores e atrizes. Podemos estar em todos os
lugares que quisermos e, a cor da minha pele, origem e etnia, não podem ser
entraves para isso” – reforça.
Para o diretor Marcelo Praddo, falar sobre a maturidade, a passagem do
tempo e seu significado é sempre engrandecedor. “Além do tema principal, que
é o relato de uma mulher sobre sua experiência ao chegar aos 50 anos, outro

componente importante é que estamos falando de uma atriz negra” – comenta.
Ele acredita, assim como Edvana, que esta abordagem faz toda a diferença.
“Isto acrescenta pontos importantes e delicados à discussão, como
preconceito, discriminação e a dificuldade de sobreviver de arte num país como
o nosso.” – frisa o encenador.
Equipe “Aos 50 – Quem me aguenta?”
Natural de Salvador, Edvana iniciou sua carreira ainda na escola,
passando pelo Grupo de Teatro do SESC/SENAC, chegando à primeira
formação do Bando de Teatro Olodum. Integrou o elenco de algumas
produções da Globo, como as novelas "Malhação" e “Pega Pega” de Cláudia
Souto. No cinema destaque para as participações em “Ó Pai,Ó” e “Os Homens
São de Marte… E É para Lá que Eu Vou”. Atualmente, está no ar, no canal
TNT, com a personagem "Dona Zuleica", mãe do pugilista Acelino Popó
Freitas, na série “Irmãos Freitas”, de Sérgio Machado, Walter Salles e Aly
Muritiba. Edvana é licenciada em Teatro pela UFBA (Universidade Federal da
Bahia) e pós-graduada em Psicopedagogia. Em paralelo as artes cênicas,
ministra aulas/palestras em escolas públicas pelo Brasil e filma a película “As
Verdades”, do cineasta José Eduardo Belmonte.
Na direção, um dos mais atuantes profissionais das artes cênicas
baianas, Marcelo Praddo, que é Bacharel em Interpretação Teatral pela UFBA
e possui uma longa carreira dedicada ao teatro. Em mais de 30 anos de
carreira, trabalhou com os mais significativos diretores teatrais de Salvador. Foi
indicado ao Prêmio Braskem de Teatro por quatro vezes e recebeu a estatueta
pelos espetáculos “Boca de Ouro” (direção de Fernando Guerreiro), “Os
Pássaros de Copacabana” e “Um Vânia, de Tchekhov” (ambos dirigidos por Gil
Vicente Tavares). Ele também assinou a encenação do espetáculo infantil “O
Circo de Só Ler”, musical vencedor do Prêmio Braskem na categoria Melhor
Espetáculo Infantojuvenil de 2014.
Sobre o trabalho atual com Edvana, o diretor destaca: “somos colegas
de profissão, mas é a primeira vez que nos encontramos de fato. Tem sido
muito prazeroso conhecer a intimidade da mulher e da artista, e ver como ela
conduz o seu trabalho de atriz. Por ser um texto autoral, ela expõe muito suas
constatações e percepções do mundo e quis deixá-la à vontade.”
Praddo convidou profissionais com quem trabalha em outros
espetáculos para compor a encenação, como Bárbara Barbará (diretora de
movimento), Euro Pires (cenógrafo e figurinista), Luciano Bahia (trilha sonora) e
Fernanda Mascarenhas (iluminação). “São profissionais conhecidos, talentosos
e competentíssimos em suas áreas, que entendem a minha forma de conduzir
a direção de um espetáculo” – finaliza.
A produção da peça “Aos 50 – Quem me aguenta?” é da Coletiva
Comunicação Integrada, que desde 1997 realiza vários eventos culturais em
Salvador.

 “Aos 50 – Quem me aguenta?” – com Edvana Carvalho
Quando: 06/12 a 22/12 sexta e sábado, às 20h; domingo, às 19h
Onde: Teatro Vila Velha (Cabaré dos Novos)
Quanto: R$ 40 (inteira) e R$ 20 (meia)
Venda de ingressos: Ingresso rápido e bilheteria do teatro
Telefone: (71) 3083-4600
Classificação: 18 anos
Realização: Coletiva Comunicação


Espetáculo Falsettolândia no Teatro Martim Gonçalves


Divulgação

O espetáculo teatral Falsettolândia entra em cartaz no Teatro Martim Gonçalves, durante o período de 28 de novembro a 8 de dezembro. A montagem é inspirada no famoso musical, indicado a sete Tony Awards, que foi produzido pela primeira vez em 1979, na Off-Broadway’s Playwrights Horizons, e lançado sua primeira temporada na Broadway, em 1992, com 510 apresentações. O evento é gratuito e marca a formatura dos alunos de Interpretação Teatral da Escola de Teatro da UFBA.

A história gira em torno de uma família moderna: um homem rico e charmoso chamado Marvin, seu encantador e atraente amante Whizzer, sua neurótica ex-mulher Trina, o filho adolescente Jason, o terapeuta Mendel e as vizinhas Cordélia e Dra. Charlote. Através de intrigas conjugais e conflitos do cotidiano, gerados a partir de novas constelações familiares, as canções apresentam as diversas possibilidades de amar em plena década de 1980, quando uma nova ameaça surge no âmbito da sexualidade e interfere nas relações sociais.

A obra original “Falsettos” foi escrita em três livros: “In Trousers”, “March of the Falsettos” e “Falsettoland”. Para o espetáculo, os formandos decidiram montar o segundo e o terceiro livro em um musical de dois atos.

O elenco é composto por três alunos formandos em Bacharelado em Artes Cênicas: Breno Vuchman, Gabriel Rejã e Mell Marzola. Além de quatro convidados, graduandos na mesma instituição: Gabriela Britto, Lana Cambeses, Luana Milidiu e Wallacy de Andrade.

Falsettolândia – Musical

Data: de 28/11 a 8/12 de 2019

Horário: De quinta à sábado, às 20h. Domingo, às 19h.

Classificação: 12 anos

Entrada Gratuita.
@falsettolandia