Lançamento virtual do “Roteiro de Fé Cairu, Turismo Religioso”


Festa de São Benedito. Foto Tatiana Azeviche

 A Prefeitura Municipal de Cairu, visando promover e revitalizar o turismo religioso, por meio da Secretaria de Turismo, em parceria com a Paróquia local, faz o lançamento do “Roteiro de Fé Cairu, Turismo Religioso”. O evento será transmitido pelo youtube seturcairu, às 10h do dia 1º de abril.

Com forte identidade cultural, a cidade histórica de Cairu, na Costa do Dendê, abriga um extraordinário acervo cultural e influenciada diretamente pelo catolicismo, formado por um conjunto arquitetônico construído no centro histórico da cidade. Nesse acervo encontra-se: o Convento Franciscano de Santo Antônio, A Igreja Matriz de Nossa Senhora do Rosário, as belas casas coloniais do Centro Histórico, além da feira de artesanatos e da famosa gastronomia.

O roteiro inclui a visita guiada nas igrejas, uma caminhada pelo centro histórico com os principais atrativos histórico-culturais, celebrações religiosas, exposição da imaginária sacra, feira de artesanato, gastronomia típica e apresentações culturais.

Vale ressaltar que Cairu foi incluso, pelo Secretário Estadual Fausto Franco, no projeto de restauração dos sinos, que visa fortalecer o turismo religioso em todo o Estado.

 


Pesquisa aponta turismo da Bahia acima da média brasileira


Foto Tatiana Azeviche/SeturBA.  Observação: todas imagens desta matéria são de antes da pandemia

A Bahia tem registrado desempenho acima da média nacional nas atividades turísticas, apesar do cenário de retração econômica iniciado no ano passado, devido à pandemia da Covid-19. O resultado do Índices da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do mês de janeiro foi divulgado em março deste ano. Em relação a dezembro de 2020, a Bahia teve crescimento de 3,2%, frente ao índice de apenas 0,7% no país – é a sexta alta seguida do turismo baiano no comparativo mês a mês.

Neste quesito, o estado fica na sexta posição, atrás apenas do Rio Grande do Sul (11,4%), Distrito Federal (10,4%), Rio de Janeiro (4,4%), Santa Catarina (4,3%) e Espírito Santo (3,8%). O sétimo colocado é o Ceará, com praticamente metade do crescimento notado na Bahia (1,8%). Já o último é Goiás (-7,4%).

Igreja Nosso Senhor do Bonfim. Foto Rita Barreto/Bahiatursa

Quando analisados os dados de janeiro nos anos de 2021 e 2020 (antes da pandemia), dentre os estados pesquisados, a Bahia teve menor queda no volume das atividades turísticas: -14%. O valor equivale a menos da metade do índice brasileiro (-29,1%). O Espírito Santo foi o segundo com menor queda no desempenho (-17,7%), enquanto São Paulo foi o estado com maior perda (-37,7%). Já as perdas acumuladas no volume do turismo baiano nos últimos 12 meses são de -38,8%, já a média nacional foi -39,5%.

“A pandemia desacelerou toda a economia do Brasil, bem como de outros países, e o turismo é uma das atividades mais atingidas neste processo. No entanto, além de o setor ter características que permitem uma rápida recuperação, a Bahia é um estado que se diferencia de outros destinos turísticos do país, o que proporciona a retomada”, comenta o secretário de Turismo da Bahia, Fausto Franco.

Praia da Ponta de Nossa Senhora de Guadalupe (Ilha dos Frades). Foto Daniel Meira- SeturBA

PMS – Realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a Pesquisa Mensal de Serviços contempla o desempenho do setor turístico na Bahia e em outros 11 estados (Ceará, Pernambuco, Minas Gerais, Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Goiás e Distrito Federal), considerando dados de 10 segmentos, a exemplo de alojamento e alimentação; transporte aéreo; agências de viagem e operadoras turísticas; locação de automóveis; e atividades culturais e de recreação e lazer.

 

Observação importante: imagens registradas antes da pandemia da Covid-19.


Mercado Modelo: diversidade e história atraem turistas


Divulgação/ Arquivo OQueFazernaBahia

A diversidade de lembranças da Bahia empresta um colorido especial ao Mercado Modelo, em Salvador. Localizado na Cidade Baixa, bem de frente à Baía de Todos-os-Santos, o maior centro de artesanato da capital baiana, parada obrigatória para turistas que visitam a cidade, completa 50 anos da fase mais recente da sua história de mais de um século, marcada por incêndios e recomeços.

O Mercado Modelo foi criado em 1912, para organizar o comércio, especialmente o de gêneros alimentícios, vendidos nas ruas, em estruturas precárias e sem preocupação com a higiene, contribuindo para a disseminação de doenças em Salvador, como a peste bubônica e a cólera. A estrutura passou por alguns incêndios, sendo em 1969 o de maior proporção e que levou à demolição do prédio. Com isso, o mercado foi transferido para a edificação vizinha, a da Alfândega, em estilo neoclássico, sendo reaberto em 2 de fevereiro de 1971.

Foto Tatiana Azeviche/Divulgação

Nos corredores de pedras em forma de arcos, o turista encontra desde camisetas a imagens de orixás, berimbaus, pinturas e até pimenta em conserva. No andar de cima, é possível experimentar os ricos sabores dos pratos oferecidos por dois restaurantes conhecidos pelas receitas tradicionais da Bahia. No subsolo, um labirinto de galerias – atualmente fechado à visitação – mexe com a imaginação de populares, que contam diferentes versões sobre o uso das galerias subterrâneas.

Para alguns, a área teria sido usada para aprisionar e castigar escravos. Mas, de acordo com o historiador Rafael Dantas, da Secretaria de Turismo da Bahia (Setur), esta versão já foi descartada por estudiosos, tendo em vista a data da construção do prédio (1861). “O subsolo dá suporte à estrutura do prédio. Em relação às hipóteses, a mais provável é a sua possível utilização como adega para guardar vinhos, cachaças e aguardentes”, esclarece Dantas.

Foto Tatiana Azeviche/Divulgação

A história do Mercado Modelo é marcada também pela visita de personalidades ilustres, como a rainha da Inglaterra Elizabeth II; o ator e diretor Orson Welles; o casal de filósofos e escritores Jean-Paul Sartre e Simone de Beauvoir; e o poeta Pablo Neruda. Mas, segundo o historiador, foi nos anos 80 e 90, que o Mercado Modelo consolidou-se como salão receptivo de turistas e feira de artesanato da Bahia.

O secretário de Turismo do Estado, Fausto Franco, considera o Mercado Modelo um “grande guardião do espírito baiano”. “Personagens típicos da Bahia, nossas artes, cultura, gastronomia e história estão reunidos em um mesmo lugar. Vale muito a pena conhecer ou revisitar! As lembranças desse nosso atrativo estarão sempre na memória de quem conheceu Salvador”, convida.

Observação importante: As imagens utilizadas nesta matéria foram registradas antes da pandemia.


Hotéis criam várias estratégias anti-Covid para segurança dos turistas


Fotos/Divulgação

Entre as estratégias, para conferir mais segurança aos ambientes, tecidos com tecnologia anti-Covid passaram a ser adotados nos uniformes dos colaboradores, almofadas e até mesmo pareôs para a área da piscina

A virada do ano e as férias de verão levaram muitos brasileiros a buscar alternativas de viagem dentro do Brasil diante das restrições impostas pela pandemia da COVID-19. Sabendo da alta demanda pelos ritmos nacional e prevendo um grande movimento, o setor hoteleiro adotou todas as medidas possíveis para tornar a estada de seus hóspedes uma experiência inesquecível não somente no atendimento ou nos serviços, mas também na adoção de protocolos contra o vírus.

Um dos hotéis que está trabalhando nessa missão fica localizado no centro de um dos principais destinos mais procurados nesta época do ano: o charmoso Capim Santo, de Trancoso. O hotel fechou uma parceria com a indústria têxtil Delfim, para fornecer o DelfimProtect – tecido antiviral com capacidade de inativar o Sars-Cov-2 em até um minuto – para ser utilizado para várias funcionalidades.

Com o tecido foram confeccionados uniformes para a equipe da limpeza, aventais para garçons, almofadas para as áreas comuns, além de uma delicada linha de pareôs – com estampas baseadas na arte em aquarela de Marina Salles – para os hóspedes utilizarem na piscina e demais ambientes.

Funcionárias do hotel/Divulgação

Os mimos, produzidos pela Eliseu Confecções, além de serem barreiras de proteção eficientes contra o vírus, também são peças cheias de personalidade e retratam a atmosfera de Trancoso. Para quem quiser levar um para casa, o produto estará disponível na lojinha de souvenires do hotel.

“Nós vamos oferecer dias tranquilos com a adoção de todos os protocolos necessários para que nossos hóspedes se divirtam em segurança. E acrescentar esses cuidados, por meio dos itens que trazem o DelfimProtect, com certeza vai ampliar essa barreira contra o vírus, deixando todos protegidos, incluindo nossos colaboradores”, diz Marcel Leite, Diretor Executivo do hotel Capim Santo..

Segundo Mauro Deutsch, presidente da Delfim, ações como essa mostram a preocupação do setor hoteleiro com a questão da segurança. “As pessoas querem viajar neste final de ano porque estão cansadas de ficar em casa. Por outro lado, o receio em relação à pandemia causa preocupação quanto à segurança. O setor hoteleiro está atento a essa movimentação e se preparando para receber seus hóspedes com todo o cuidado. O DelfimProtect, presente em pequenos detalhes faz a diferença, como mostra o preparo do hotel Capim Santo”, afirma.

Foco na sustentabilidade da cadeia produtiva

A aplicação do tecido antiviral para espaços que precisam se preparar para receber o público tem uma infinidade de possibilidades, que envolvem desde o uniforme dos funcionários, forros de cadeiras, toalhas de mesa, até roupa de cama para os quartos. Além disso, marca presença em outros mercados, da moda ao segmento hospitalar.

“A inovação e o senso de colaboração fazem parte do DNA da Delfim. Como parte das premissas de atuação da empresa – desde a sua fundação, há 62 anos – desenvolvemos projetos com soluções customizadas com objetivo não apenas de atender as necessidades dos nossos clientes e parceiros, mas também de trazer um olhar para propostas que tenham aderência junto ao usuário final”, conta o presidente da Delfim.

Para tanto, a Delfim conta com uma área de pesquisa, desenvolvimento e inteligência de mercado que busca constantemente desenvolver estratégias de aplicação dos tecidos desenvolvidos pela empresa para os mais diversos segmentos. “Nosso objetivo é garantir assim que ciclo de negócios seja efetivamente sustentável para todos, desde a nossa ponta como indústria 100% nacional fabricante de tecidos de alta qualidade, passando pela conexão com grandes confecções e segmentos de negócios dos mais diversos. Atuamos ainda em todo o suporte aos nossos parceiros, contribuindo para estratégias de composição de produtos finais feitos a partir da nossa matéria prima que efetivamente tragam benefícios ao consumidor final”, frisa Mauro.

Exemplo mais recente desse modelo de atuação, o DelfimProtect foi especialmente desenvolvido pela Delfim, no início da pandemia, para oferecer uma proteção eficaz no combate ao novo coronavírus. Composto de 100% poliéster, conta com uma fibra mais fechada, o que garante uma proteção mecânica mais segura pela própria característica de seus fios. Um de seus pontos que adicionam segurança aos usuários é a presença de micropartículas de prata capazes de inativar o novo coronavírus e outros em até um minuto. Certificado pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), o produto conta ainda com capacidade bactericida e repelência a líquidos.


Lagoa dos Dinossauros com clima pré-histórico no Stiep


Fotos: Valter Pontes/Secom

Salvador passa a contar com um novo equipamento de convivência, pesquisa e lazer com um clima de pré-história. A Lagoa dos Frades, no bairro do Stiep, próximo ao antigo Centro de Convenções, foi requalificada e ganhou réplicas de dinossauros que tornaram o local um atrativo diferenciado de tudo o que existe na cidade. O espaço, agora renomeado de Lagoa dos Dinossauros, foi entregue pelo prefeito Bruno Reis.

“Essa inauguração faz parte da estratégia de cada vez mais desenvolver o espaço público ao cidadão. Estivemos aqui há pouco mais de um ano e nos deparamos com um lugar completamente abandonado, com esgoto alimentando a lagoa, sem peixes, sem patos. As pessoas não frequentavam este local. Decidimos, portanto, implantar um projeto arrojado e impactante”, disse o prefeito, ressaltando que as réplicas dos dinossauros foram construídas pela própria Desal.
Duas delas são de Tiranossauro Rex, com aproximadamente cinco metros de altura e nove metros de comprimento cada. As demais estão distribuídas em seis réplicas de Velociraptor, duas de Dilofossauro, uma de Dilofossauro Sinensis, uma de Braquiossauro, uma de Pteranodonte e um Anquilossauro.

No local, o visitante tem a sensação de ter voltado ao tempo diante das esculturas em tamanho real, situadas em uma área verde, com vegetações nativas de Mata Atlântica em pleno meio urbano. As réplicas emitem som com a aproximação das pessoas, por meio de um sensor de presença e do uso de um aplicativo.

O processo de construção das peças envolveu um estudo sobre como era a anatomia dos dinossauros. Após o estudo e a busca de imagens, os colaboradores da autarquia projetaram as imagens em 3D e as retrataram em estruturas metálicas. O passo seguinte foi cobrir essas estruturas esculpindo célula por célula com argila. Depois que as peças foram totalmente cobertas e fibradas, elas foram recortadas dando origem à fibra de vidro que é utilizada como forma final.

Conforme anunciado pelo prefeito, a estimativa é que a lagoa ganhe ainda mais esculturas, fruto de recursos provenientes de contrapartidas com o setor privado.

Revitalização – A lagoa tem 16.470 m² e o entorno possui espaço de convivência, sanitário, novo mobiliário com jogos de bancos e mesa, banheiro para pessoas com deficiência, pergolado, anfiteatro, acessibilidade e quiosques.

Antes da intervenção, a situação de abandono trazia um clima de insegurança e, ainda por cima, o local recebia pontos de esgoto despejados por edificações próximas. Estes focos foram desativados com o apoio das secretarias de Manutenção (Seman) e de Infraestrutura e Obras Públicas (Seinfra), assim como da Empresa Baiana de Água e Saneamento (Embasa).

Além disso, a lagoa passou por um processo de aeração, que melhora as condições da água. Serão lançados, ainda, cinco mil alevinos de espécies diferentes doados pela Bahia Pesca, para aumentar o número de peixes.

Durante 30 dias, será proibida a pesca para que essa população possa se multiplicar. No espaço de convivência e lazer também são encontradas espécies como camaleões, micos e até mesmo joões-de-barro. O projeto tem a participação intensa da comunidade que, inclusive, ajudou na aquisição de produtos para melhoria da água e na doação de patos que vão embelezar o local. O investimento total foi de quase R$ 9 milhões.

“Só aqui na região a Prefeitura já entregou três espaços para o lazer da população. Além da Lagoa dos Dinossauros, a capital baiana teve revitalizada a Lagoa dos Pássaros, também aqui no Stiep, e a construção do Parque dos Ventos, na orla da Boca do Rio”, complementou Bruno Reis.

Segurança – Dentro da Lagoa dos Dinossauros será construída uma base de apoio da Guarda Civil Municipal (GCM) para que faça a segurança do local e possa orientar os visitantes. O parque foi todo cercado por gradil e a portaria terá catraca, onde será possível orientar e fiscalizar a entrada. A administração do espaço ficará a cargo da Secretaria de Sustentabilidade e Resiliência (Secis) e o funcionamento segue o decreto municipal de enfrentamento ao coronavírus: de segunda a sábado, de 6h às 17h.

Avaliação – Moradora do Stiep há quase quatro décadas, a doméstica Jandira Lima, 60 levou o neto Pedro, de apenas um ano, para conhecer a Lagoa dos Dinossauros. “Essa revitalização é um pedido antigo da comunidade. A lagoa ficou muito tempo abandonada, a pavimentação do entorno era quebrada, havia muito de mato e nem tinha espaço para andar. Isso fora a insegurança. Agora está maravilhoso”, avaliou.
Já o estudante Antônio Celso Ferrari, 26, saiu de Pernambués só para passear com a família no local. “Sabia que existia a lagoa, mas nunca havia frequentado. Soube da inauguração pela internet e decidi vir hoje. Achei o espaço bem legal e estou aproveitando para tirar fotos de recordação com a minha filhinha”, comemorou.