Artistas de Cajazeiras divulgam trabalhos em exposição virtual


Divulgação

Imagine conhecer obras de artistas de áreas periféricas de Salvador como se estivesse no próprio local da mostra, mas sem sair de casa, principalmente neste período de pandemia de Covid-19.

Com detalhes de uma exposição presencial, a terceira edição do projeto Museu de um Dia apresenta virtualmente obras de 12 artistas do bairro de Cajazeiras. O evento reproduz, através de uma maquete 3D virtual, o espaço da Associação de Moradores Recanto do Sol, localizado na Fazenda Grande IV.

A exposição é totalmente gratuita e pode ser acessada no site https:// linktr.ee/ Museudeumdia. Intitulada por “A Exposição Virtual do Museu de um Dia está esperando você”, o projeto é um dos contemplados pelo Prêmio Anselmo Serrat de Linguagens Artísticas, da Fundação Gregório de Mattos (FGM).

De acordo com o artista visual e idealizador do projeto, Igor Caires, o objetivo é transmitir conhecimento e incentivo aos jovens artistas das regiões periféricas de Salvador. A proposta visa revelar novos nomes nos bairros descentralizados e gerar oportunidade para o desenvolvimento a quem está iniciando a caminhada.

“Eu, como artista periférico, senti o que muitos deles sentem. Hoje tenho bastante experiência em vários vieses da arte, em exposições, residências artísticas, mas o caminho foi difícil. O que tento aqui com o museu é encurtar esse caminho aos artistas ‘emergentes’ e até mesmo os mais experientes, que por muitas vezes não sabem nem por onde comer uma exposição, um currículo, enfim, sua carreira artística”, destaca Caires.

Incentivo às artes — Para a artista Débora Santos, a exposição virtual é uma grande oportunidade de valorizar a arte e os artistas das comunidades. Ela participa da ação com as peças “A solidão da mulher negra” e “Michael Jackson children”.

“Em cada obra, eu fiz com uma inspiração específica. A solidão da mulher negra foi a primeira dentre as duas. Foi um dos meus primeiros desenhos no ramo de desenho a carvão e partiu muito das minhas angústias.

Fiz com base em imagem de referência, mas ainda assim foi a minha leitura, meus sentimentos, coisas que me saturam no cotidiano e que digo e sinto enquanto mulher preta. Sinto na pele e a minha inspiração foram as minhas ancestrais, as minhas irmãs na luta contra o machismo, racismo e outros pesos que nós mulheres pretas enfrentamos”, afirma.


Primeira unidade da Pizzaria Angelo’s na cidade


Foto Leonardo Freire/Divulgação

Com gastronomia premium e foco no atendimento por delivery, a pizzaria Angelo’s abriu sua primeira unidade em Salvador, localizada no mall do residencial Bahia Suítes, no Jardim Armação.

A pizzaria inicia suas atividades oferecendo como diferencial os ingredientes de altíssima qualidade num cardápio mais enxuto: com 20 sabores em tamanho único (30cm) – sendo estes 6 clássicos e 10 especiais – além de 4 opcões de pizzas doces (18cm). Para mais detalhes sobre a boa nova da cidade, basta acessar o instagram @pizzariaangelos ou o site https://linktr.ee/pizzariaangelos para visualizar o cardápio completo e fazer seu pedido via ifood ou pelo link direto do whatsapp.


ExpoMade Pocket volta a shopping até dia 31


Divulgação

As tradicionais feiras Expo de Moda e Made in Bahia estarão reunidas novamente em uma loja no Shopping Bela Vista durante todo o mês de maio

Sempre em busca de inovações para movimentar a cena de moda, varejo e atacado na Bahia, a produtora de moda, empresária e pioneira em realização de eventos há mais de 30 anos, Vera Pontes, retorna com a ExpoMade Pocket no Shopping Bela Vista para o Mês das Mães, de 01º a 31 de maio. A loja apresenta uma versão pocket das suas duas tradicionais feiras – a Expo de Moda e Made in Bahia – e ficará no empreendimento durante todo o mês de maio com diversos expositores e opções de produtos, entre eles para as mães.

Sem perder a essência de vender a preço de fábrica e apresentar as últimas tendências da estação, o espaço, localizado no Piso L1, será dividido entre nove expositores que irão comercializar produtos de moda (masculina, feminina e infantil), bijouterias, calçados e bolsas: Azon, D&A, D’Vugue, Luxus, Toque Final, Pingo de Gente, Dondocas, Dona da Arte e Ellisa Santos.

“A ExpoMade Pocket é um projeto pensado para a pandemia em um formato mais compacto, diante da proibição da realização de eventos em pavilhão e dentro de um grande shopping, com todo conforto, segurança e estacionamento. A edição de natal foi um sucesso, com grande receptividade do público, e retornamos em 2021 com muitas novidades para a segunda maior data do varejo, que é o dia das mães”, conta a idealizadora do evento, Vera Pontes.

 


Pasta em Casa reabre com novidade


Fotos Raul Spinassé/Divulgação

O restaurante Pasta em Casa voltou a receber clientes com protocolos de segurança reforçados e uma novidade na sua famosa ilha de massas: a preferida dos almoços presenciais agora passa a ser uma opção também para o jantar pedido pelo delivery.Com novos horários e seguindo as determinações do decreto municipal, a casa reabrirá de segunda a domingo para almoço, café da manhã e refeições rápidas e segue operando com os serviços de excelência de delivery e take away agora através de uma nova plataforma on-line: deliverydireto.com.br/pastaemcasa.

O Pasta abrirá para o almoço de quarta-feira a domingo, sendo de quarta a sexta-feira de 12h às 15h30, e sábado e domingo de 12h às 17h. Mercearia, Padoca e Garimpo também abrem diariamente nos seguintes horários: segunda-feira, das 9h às 18h; de terça a sexta-feira, das 9h às 19h, sábado e domingo, das 8h às 19h, com o destaque para o café da manhã completo servido na charmosa calçada, ao ar livre, das 8h às 11h30.

A ilha de massas, que passa a ser opção também para o jantar de quarta-feira a domingo, traz sempre as três opções de massa do dia, entre massas recheadas, de fio e lasanhas, e ainda oferece como opção uma proteína.

Para aqueles que preferem aproveitar do menu sem sair de casa, o delivery agora opera através de uma nova plataforma mais rápida e interativa que traz o cardápio completo com fotos e valores. As entregas estão disponíveis na segunda, entre 10h e 16h, de terça a sexta-feira, das 10h às 16h e das 18h às 22h, e sábado e domingo, das 9h às 16h e das 18h às 22h. Para mais informações, siga o perfil do Pasta em Casa no instagram: @pastaemcasa.

Pasta em Casa – Rua Profa. Almerinda Dutra, 67 – Rio Vermelho (Salvador/BA)
Reservas: ☎ (71) 3334-7232


Ateliê de Coreógrafos Baianos movimenta a cena da dança


Foto Edileuza Santos/Divulgação

O projeto Ateliê de Coreógrafos Baianos, inspirado no Ateliê de Coreógrafos Brasileiros (2002 a 2006), apresenta o espetáculo de dança Carybé em 3 Linhas, uma proposta artística baseada no universo plástico do grande pintor Carybé, um apaixonado pela dança, e que se desdobra em três atos – Depois, o Tempo que não Existe, de Jorge Silva, no dia 09 de abril, às 20h, Memória das Águas, de João Perene, e Xirê de Mulheres, de Edileuza Santos, ambos no dia 10, às 20h.

Tudo apresentado gratuitamente, e de forma virtual, no YouTube e Instagram através do link ateliedecoreografosba. No dia 09 de abril, às 20h, acontece também o lançamento do catálogo Traços da Memória da Dança Contemporânea em Salvador – 2000 a 2010. Uma publicação que se propõe a registar os principais movimentos da dança contemporânea na cidade de Salvador neste período de 10 anos, preservar sua memória, e que tem como um dos principais objetivos preencher uma grande lacuna na bibliografia da linguagem da dança local. Ele foi elaborado também para servir como fonte de pesquisa e inspiração para as novas gerações.

É sempre importante frisar que o Ateliê de Coreógrafos Brasileiros, que inspirou o novo Ateliê dedicado aos coreógrafos baianos, movimentou a cena da dança na década de 2000, contemplou coreógrafos de todas as partes do país e tornou-se referência na história da dança contemporânea brasileira.

As atuais iniciativas, assim como o Ateliê da década de 2000, têm a concepção e direção artística da bailarina e gestora cultural Eliana Pedroso.

Memória das Águas. Foto Marcley Oliveira/ Divulgação

“O Ateliê de Coreógrafos Baianos é uma cria que se recria 15 anos depois. Inspirado no antigo Ateliê, surge para fomentar a produção na cena da dança local e provocar um registro de memória de uma década que terminou menos brilhante do que começou. Para a criação do espetáculo Carybé em 3 Linhas, busquei 3 coreógrafos baianos com identidades coreográficas diversificadas, e os uni em um mesmo ponto de inspiração: o universo plástico de Carybé, onde o movimento está sempre presente e é muito inspirador para os artistas da dança”, lembra Pedroso.

Tempo, memória e xirê – Para o coreógrafo João Perene, os quadros de Carybé – O sol, A tentação de Antônio, Samba e Na lagoa serviram de inspiração para a construção do roteiro coreográfico de sua obra.

“Memória das Águas é uma ‘ode’ ao mestre Carybé, ao colorido, à alegria, ao misticismo e à sedução do povo baiano, que ele soube tão bem delinear em uma tela em branco. Suas figuras marcantes foram fontes inesgotáveis para a pesquisa de movimentos que viriam a habitar os corpos de cada bailarino (a) envolvido no projeto”, revela Perene.

Já Jorge Silva se inspirou em uma escultura de Exu, orixá da comunicação e da liberdade, para criação e concepção do espetáculo Depois, o Tempo que não Existe.

Exu. Foto de Three Looks Fotografia/ Divulgação

“A ideia central é, a partir da obra, trazer para a cena algumas particularidades dessa divindade, em uma leitura pessoal, através de arquétipos comuns de Exu, aliados à nossa vida terrena e dialogando diretamente com as nossas existências”, conta Silva.

Coreógrafa de Xirê de Mulheres, Edileuza Santos acredita que toda criação artística, desde a apresentação da estética e da narração, tem como finalidade construir um pensamento político.

“Desenvolvi uma performance que tenta estabelecer um diálogo entre a obra de Carybé e a diáspora africana, e anunciar um futuro em que as mulheres tenham potencial para construir uma sociedade nova e diversa, embalada na ancestralidade negra dentro do universo dos orixás e em busca de um futuro menos conflitante”, detalha Edileuza.

Biografia – Carybé nasceu na Argentina em 1911 e chegou ao Brasil em 1949. Logo no início de 1950 se estabelece na capital baiana, onde vive até sua morte em 1997, aos 86 anos. Foi pintor, gravador, desenhista, ilustrador, mosaicista, ceramista, muralista e jornalista.

Durante os quase 50 anos em que viveu na Bahia, Carybé desenvolveu uma profunda relação com a cultura e com os artistas de Salvador. As manifestações culturais locais passaram a marcar sua obra. Ao lado de outros artistas, participou ativamente do movimento de renovação das artes plásticas no Estado.

O projeto tem apoio financeiro do Estado da Bahia através da Secretaria de Cultura e da Fundação Cultural do Estado da Bahia (Programa Aldir Blanc Bahia) via Lei Aldir Blanc, direcionada pela Secretaria Especial da Cultural do Ministério do Turismo, Governo Federal.

Ateliê de Coreógrafos Baianos

Quando: 09 de abril de 2021 – Lançamento do Catálogo “Traços da Memória da Dança Contemporânea em Salvador – 2000 a 2010”

Estreia de “Carybé em 3 linhas”

Ato I – Depois, um Tempo que não Existe, de Jorge Silva

10 de abril de 2021- Estreia de “Carybé em 3 linhas”

Ato II- Memória das Águas, de João Perene

Ato III- Xirê de Mulheres, de Edileuza Santos

Hora:  20h

Onde: YouTube e Instagram – link ateliedecoreografosba

Valor: Gratuito