O longa Travessia com Chico Diaz, Caio Castro e Camila Camargo tem pré-estreia no sábado


Evento que exibirá o filme do diretor baiano, João Gabriel, contará com a presença dos atores Caio Castro, Chico Diaz, Camila Camargo e elenco baiano. O filme chega aos cinemas brasileiros no dia 23 de março.

No próximo sábado, dia 18 de março, às 20h30, será realizada, na sala 8, do UCI Orient, no Shopping Barra, a pré-estreia do longa Travessia, do diretor baiano João Gabriel. O evento, para convidados e imprensa, contará com a presença dos atores Caio Castro, Chico Diaz, Camila Camargo, além da equipe e elenco local, entre eles Caco Monteiro e Amaurih Oliveira.

Gravado em Salvador, Travessia chega aos cinemas do país no dia 23 de março e apresenta Chico Diaz e Caio Castro como pai e filho em uma relação conflituosa. O trailer e o cartaz do longa-metragem, vencedor do Festival de Aruanda, já estão disponíveis. O vídeo, disponível em http://bit.ly/2lbqvVB, traz uma prévia do namoro de Júlio (Caio Castro) com Marina (Camilla Camargo) e da conturbada relação com o pai Roberto (Chico Diaz).

“Fazer o Travessia foi um desafio, um filme que fala da geração atual, dos relacionamentos familiares. E explorar uma trama que por mais que tenha uma pegada autoral, busque fisgar o espectador, fazer ele se envolver com o filme e principalmente despertar uma reflexão sobre a história”, comenta o diretor João Gabriel.

O longa teve sua estreia mundial na 39ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, recebeu os prêmios de Melhor Filme, Melhor Ator (Chico Diaz) e Melhor Montagem no 10° FestAruanda.

“Travessia” foi financiado pelo Governo do Estado da Bahia, Secretaria de Cultura e Fundo de Cultura da Bahia, através do edital setorial de audiovisual. E conta com recursos do FSA, através da Ancine.

SINOPSE
Desentendimentos levaram Roberto (Chico Diaz) a se distanciar de Júlio (Caio Castro), seu único filho, que está envolvido com tráfico de drogas sintéticas em festas de música eletrônica. Ambos buscam novos caminhos, movidos por seus desejos. Um acidente inusitado pode fazer com que eles se unam novamente. Mas será que eles estão preparados para esse reencontro?

Página do filme: http://www.travessiaofilme.com.br/

Link com imagens: https://we.tl/xU7FFztTzK

Elenco
Chico Diaz – Roberto
Caio Castro – Júlio
Camilla Camargo – Marina
Caco Monteiro – Arnaldo
Cyria Coentro – Leila
Amaurih Oliveira – Flávio

Ficha técnica
Direção: João Gabriel
Roteiro: João Gabriel, Paulo Tiago dos Santos e Maria Carolina
Direção de fotografia: Pedro Sotero
Direção de produção: Taíssa Grisi
Produção executiva: Sylvia Abreu e Pauline Leite
Direção de arte: Daniela Vilela
Som direto: Ana Luiza Penna
Trilha sonora: Felipe Massumi e DJ Propulse
Montagem: Lillah Halla e João Gabriel
Desenho de som: Roberto Ferraz
Produção: João Gabriel


Zelito Miranda comanda a 8ª Temporada do Forró no Parque


Zelito Miranda em foto de Esperança Gadelha

Diz o ditado que o bom filho a casa torna e com Zelito Miranda na oitava temporada do Forró no Parque não será diferente. O artista múltiplo realiza a primeira edição no próximo dia 19 de março, a partir das 11 horas, no Parque da Cidade, Itaigara, onde o evento aconteceu nos cinco primeiros anos.

“Fico muito feliz em trazer este projeto de novo para o espaço onde ele começou, dá uma sensação de está em casa”, afirmou o cantor, compositor, escritor e ator, Zelito Miranda. O Forró no Parque tem entrada gratuita e abre o ciclo de festas juninas voltadas para o público de Salvador, para turista e toda Bahia. “Este é um presente que damos a capital baiana, mas, um presente, que gera inclusão, entretenimento e arte”, completa.

Este ano, completando oito anos, o projeto contará com quatro edições, uma por mês, terminando em junho. Com músicas que abordam termas sociais, Zelito trará ao palco, as canções que estarão no seu novo CD e no repertório dos shows, que fará por todo Brasil, nas festas juninas de 2017.

Idealizado por Telma Miranda, o Forró no Parque, já chegou a receber mais de dez mil pessoas por dia. Com a proposta de oferecer para o público baiano uma programação variada, o Forró no Parque se destaca como opção de entretenimento cultural, sobretudo por se sustentar em um ritmo tão característico da Bahia: o Forró.

Como Sempre o Forró no Parque terá vários convidados no decorrer das edições. A ideia é que este show seja uma opção de entretenimento para toda nação forrozeira.

Serviço:

Projeto Forró no Parque

Zelito MirandaO Rei do Forró Temperado

Data: ​19 de ​Março de 201​7​ – (domingo)

Horário: às 11 horas

Onde: Parque da Cidade

Endereço: Av. Antônio Carlos Magalhães, s/n ​ – Itaigara​

Aberto ao Público


Ressaca de Gerônimo e convidados


Ressaca Boa de Gerônimo leva Amanda Santiago, Júllia e Laurinha Arantes

O cantor e compositor Gerônimo avisa que “ainda é carnaval, cidade”.Ele realiza a sua Ressaca Boa na próxima terça-feira, 7 de março, no Largo Pedro Archanjo, Pelourinho, às 20:00. Para o evento, o anfitrião convidou as cantoras Amanda Santiago, Júllia e Laurinha Arantes que foi a primeira cantora da banda Cheiro de Amor. Os ingressos custam R$30,00 (inteira) e R$15,00 (meia entrada). Mais informações pelo telefone (71) 9937-2724 / 3497-0009 ou pelo [email protected]ônimosantanaduarte.
Os ingressos são vendidos na bilheteria do local, à partir das 19h.
Uma das convidadas especiais da noite, Amanda Santiago vem surpreendendo em nova fase da carreira. Com um repertório baseado no melhor da música Brasileira, o trabalho da cantora “Brasilady”, nome que lhe foi dado por Carlinhos Brown, é um espetáculo de som para todos os gostos.
Amanda fez formação musical nos Estados Unidos e, ao retornar ao Brasil, acumulou grande experiência artística ao liderar a Timbalada, por nove anos. Em virtude do trabalho, ela criou bases para dominar a percussão em toda sua multiplicidade rítmica.
Laurinha Arantes participa da Ressaca Boa de Gerônimo após ter integrado com ele o Projeto Música Forte – Axé Music, no Carnaval do Pelourinho. A artista começou na banda Pimenta de Cheiro, que depois virou Cheiro de Amor e estreou como cantora, em 1983, durante a folia baiana. Foi a primeira mulher a puxar um bloco de Carnaval em Salvador.
Com o Cheiro e na Banda Novos Bárbaros Laurinha gravou dois discos. A partir daí, já em carreira-solo, emplacou o hit “Pipoca Louca” e estreou como apresentadora de tevê. Ela foi ganhadora do Troféu Caymmi de melhor intérprete com o show “Pura Ousadia” e de vários outros prêmios musicais. Nos anos 1990, levou seu swing para a Europa em uma turnê pela Bélgica, França, Itália, Suíça, Alemanha, Áustria e Portugal.
A cantora adolescente Jullia leva para o ensaio de Gerônimo sua música empolgante e extrovertida, que mescla o pop com o ritmo brasileiro, o funk. Também atriz, ela participou das novelas “Seus Olhos” e “Maria Esperança” do SBT, além curta metragem chamado “O Mistério do Cachorrinho Perdido”. Familiarizada com as mídias, já participou de mais de 50 comerciais.
Os eventos de Gerônimo dentro Projeto “O Pagador de Promessa”, criado por Gerônimo, se tornou uma das mais prestigiadas atrações da pauta cultural da cidade. Sendo realizado há 12 anos, no Centro Histórico de Salvador, o ensaio dura cerca de três horas.


Filhos de Gandhy na avenida


O afoxé Filhos de Gandhy desfila com o tema “Diáspora Africana – A travessia não me abateu… Tornou-me forte!!”. . São 68 anos de desfile na avenida e no último dia oficial de folia (28), às 15h, a entidade volta a desfilar da Praça Castro Alves a Carlos Gomes até o Campo Grande para descer a Avenida Sete de Setembro. O bloco conta com 80 percussionistas entre chão e trio e três mil associados.

O objetivo do tema é mostrar que, mesmo diante das dificuldades enfrentadas, o povo negro conseguiu conquistar coisas positivas. “O destaque do bloco é essa essência masculina que foi mantida. Esse ano, esperamos um Carnaval de muita paz”, disse o vice-presidente do bloco, Chico Lima.

O Afoxé Filhos de Gandhy, como reza a tradição, desde os primórdios do bloco, fundado por trabalhadores da estiva,no dia 18 de fevereiro de 1949, em sua maioria afrodescendentes que cultuavam o candomblé, no primeiro dia de desfile (domingo), antes de saírem tem que fazer o ritual “padê”, no Largo do Pelourinho, próximo à sede. Trata-se de um ritual aos orixás, na qual pedem a Exu permissão, oferecendo alimentos e bebidas, com o objetivo de que não perturbe os trabalhos com seu lado brincalhão e que permita a boa vontade dos orixás, invocados no culto.

Após a conclusão da oferenda foi lançado um pombo branco da paz e o grito de saudação dos componentes: Ajayô! E o bloco pôde ir em direção à avenida,  levando as cores dos orixás protetores, o branco de Oxalá e o azul de Ogum. E, conforme a tradição, os componentes jogam alfazemas nas mulheres e oferecem até colares para as fãs.


A “Praça do Frevo” baiano e pernambucano agita o Pelô


Carlos Pitta, o primeiro artista baiano a usar a guitarra baiana no galope estará em “A Praça do Frevo Elétrico, neste Carnaval, das 20 às 22 h na Praça Tereza Batista, dentro da Programação do Carnaval do Pelourinho/2017. Na edição de domingo passado milhares de pessoas – baianos, gente de diversas áreas do país e do exterior – participaram da praça que foi um sucesso até mesmo pela novidade o local.

O público pode ouvir o frevo baiano e o pernambucano. Segundo Carlos Pitta, “O que difere o frevo composto na Bahia em paralelo ao de Pernambuco, é que o frevo da Bahia tem uma característica elétrica com um som original baseado na guitarra baiana, enquanto o frevo pernambucano se baseia nos metais”. Na letra da música “Vassourinha Elétrica” de Moares Moreira”, se diz “E o frevo que é pernambucano/sofreu ao chegar na Bahia/um toque/um sotaque baiano/pintou uma nova energia”.

E é dentro dessa nova energia que o cantor e compositor Carlos Pitta vem há mais de 20 anos mantendo dentro da sua agenda de shows um espaço dedicado ao frevo da Bahia, quer seja em palco fixo ou mesmo em trio ele é o criador da música Cometa Mambembe, clássico do carnaval que cita a guitarra baiana.

Com uma banda formada por grandes músicos como, Ricardo Marques (guitarra baiana/base e solo), Moisés Gabrielli (contrabaixo), Tedy Santana (bateria), Sebastian Notinni (percussão), Gel Barbosa (Acordeon). Com um repertório baseado em músicas próprias, de Armandinho, Dodô e Osmar, Novos Baianos, Moraes Moreira, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Tuzé de Abreu, A Cor do Som, além de músicas atuais dentro de uma roupagem do Frevo.