Ecoturismo na Chapada Diamantina

Fazer trilhas, tomar banho de cachoeira e conhecer a fauna, flora e a história da Chapada Diamantina são ótimas opções para turistas que gostam de …



Visite a Ilha dos Frades


Os peixes e outros seres marinhos circulando à vista de todos, até mesmo nas menores poças d’água, a mata intocada e o habitante nativo reforçam o carimbo de paraíso que a Ilha dos Frades, em Salvador, adquiriu ao longo do tempo. Com aproximadamente oito quilômetros de extensão, a ilha é de acesso exclusivo a barcos particulares e escunas de turismo que saem do Terminal Náutico de Salvador, Comércio. O local atinge, nos meses de alta estação, o pico de até 5 mil turistas em apenas um fim de semana, entre visitantes nacionais e internacionais.

A maioria dos visitantes conhece a localidade pelo esquema bate e volta, com permanência de seis a oito horas. Curiosamente, a ilha possui formato de uma estrela de 15 pontas, possuindo em praias em todas elas. Desde 1982 o lugar foi tombado como reserva ecológica, passando a integrar a Área de Proteção Ambiental (APA) da Baía de Todos-os-Santos.

Única opção para hospedagem, a Pousada Janaína é gerida por Conceição de Jesus, 60 anos. Nativa da ilha, ela é responsável pelos quilinhos a mais dos visitantes que desfrutam dos quitutes sempre baseados na cozinha regional nordestina, como raízes cozidas, refogados, moquecas e um cardápio especial de frutas.

“Estamos funcionando há 25 anos. Recebemos turistas do mundo inteiro e eles, sempre que podem, retornam trazendo amigos e familiares, porque realmente gostam da praia e do que oferecemos por aqui”, diz Conceição. O estabelecimento tem apenas cinco suítes e diárias a partir de R$150 para o casal, com café da manhã incluso. O almoço sai a partir de R$ 20 por pessoa.

Roteiro – Dentre as opções de diversão na Ilha dos Frades consta a Igreja de Nossa Senhora de Guadalupe, construída possivelmente no século XVII e que dá nome à principal praia do lugar. Neste início de dezembro, a atração teve a confirmação da renovação do selo Bandeira Azul, com processo conduzido pela Secretaria Cidade Sustentável e Inovação (Secis), em parceria com entidades como a Fundação Baía Viva. Concedida pela Foundation for Environmental Education (FEE), a certificação premia a qualidade das principais praias em todo o mundo, seguindo critérios como segurança, qualidade da água, gestão e educação ambiental. O roteiro inclui ainda as praias do Loreto, da Viração, do Tobar e Tobazinho, entre outras. Além do banho, outras atividades constantes por lá são o mergulho e a vela.

História – De acordo com historiadores, a ilha ganhou a denominação “dos Frades” por conta de religiosos que se abrigaram na localidade após escaparem de um naufrágio. Contudo, acabaram sendo devorados por índios da etnia Tupinambá que residiam por lá. A ilha também foi entreposto de escravos para o Recôncavo Baiano. Uma das áreas da região funcionou como leprosário. Uma das grandes figuras históricas da Ilha dos Frades foi o Barão de Loreto (1836-1906), personagem política da época do Império.

Como chegar: Para chegar até à Ilha dos Frades, o visitante tem duas opções. Uma delas é pegar uma das escunas que saem diariamente do Terminal Náutico da Bahia, no bairro do Comércio, com preços a partir de R$60 por pessoa. A outra opção é seguir até o município vizinho de Madre de Deus, na Região Metropolitana de Salvador (RMS), onde há lanchas que fazem o trajeto regular ou fretado.


Empresas aéreas disponibilizam voos extras no verão para a Bahia


Foto divulgação de Tatiana Azeviche -Setur

Aquele desejo imenso de vir pela primeira vez ou de retornar à Bahia, mas a preocupação com a possibilidade de não encontrar voos na data escolhida acabou! Porque as principais companhias aéreas estão apostando alto na demanda turística na alta estação para a terra de Nosso Senhor do Bonfim, da alegria, do acarajé, do vatapá, das praias e ilhas paradisíacas, das festas de largo e do maior Carnaval do planeta. (Noemi Flores)

E a cultura se faz presente desde sempre nesta abençoada terra de Dorival Caymmi, criador das mais belas canções sobre a Bahia, a exemplo de Você já foi à Bahia?, de Jorge Amado, que imortalizou  Gabriela Cravo e Canela e Dona Flor, e seus Dois Maridos, de João Gilberto, criador da Bossa Nova  e Assis Valente, compositor do samba Brasil Pandeiro, um dos sambas mais conhecidos no exterior, interpretado por Carmem Miranda e depois por vários artistas baianos e nacionais.

E  para que todos tenham a oportunidade de responder à música de Caymmi :Você já foi à Bahia?,  conhecendo  e vivendo esta energia boa da Bahia, as companhias de aviação fizeram com que a oferta de voos extras crescesse substancialmente em relação ao último verão, passando de 1,5 mil para mais de 3 mil, o que representa um incremento de 100%. E, além do aumento de frequências nos voos domésticos, há novas rotas internacionais programadas a partir de janeiro, interligando o estado com Montevidéu, Santiago e Buenos Aires.

Há uma estimativa da Secretaria do Turismo da Bahia (Setur) de que a Bahia receba 5,6 milhões de turistas nacionais e estrangeiros no verão de 2017/2018, e o secretário do Turismo, José Alves, destaca que “fatores como a redução do valor do ICMS para o combustível, pelo Governo do Estado, e a promoção da Bahia contribuíram para o reforço da malha aérea”.

Companhias com voos extras

Gol –  Colocará à disposição mais de dois mil voos extras para atender às cidades de Salvador, Porto Seguro e Ilhéus.  O aumento, de mais de 100% em relação ao verão passado, resulta, segundo o vice-presidente de Planejamento da companhia, Celso Ferrer, de estudos constantes para proporcionar aos clientes a melhor experiência e o menor tempo de viagem.

Dentre as 12 rotas inéditas criadas pela Gol para a temporada estão voos de João Pessoa, Rio de Janeiro (aeroporto Santos Dumont), Foz do Iguaçu, Curitiba, Recife, Porto Alegre e Goiânia para Salvador e rotas internacionais vindas de Santiago (Chile), Montevidéu (Uruguai) e Buenos Aires (Argentina). Já Porto Seguro receberá novos voos de Porto Alegre, Belo Horizonte, Rio de Janeiro (Santos Dumont) e Foz do Iguaçu.

Azul e Latam – A Azul Linhas Aéreas, que em outubro já havia aumentado em 40% os voos regulares em Salvador, terá em média 18 decolagens a mais por dia no estado – 12 somente em Porto Seguro e Salvador. Isso dá aproximadamente 1.020 frequências a mais ao longo dos meses de dezembro/2017 e janeiro/2018.

Para atender aos passageiros durante a alta temporada, a Latam Airlines Brasil vai operar 313 voos extras domésticos para os aeroportos de Salvador e Porto Seguro, entre os dias 15 de dezembro de 2017 e 31 de janeiro de 2018, com partidas de Belo Horizonte/Confins, Brasília, Curitiba, Porto Alegre, Rio de Janeiro/Galeão e São Paulo/Guarulhos. Há ainda um voo extra da companhia programado para vir de Buenos Aires no período de 4 de janeiro a 12 de fevereiro.

Voos fretados – Ilhéus ganhará voos fretados aos sábados, a partir de 16 de dezembro, com decolagens do aeroporto de Congonhas, em São Paulo. Os pacotes, de oito dias, são oferecidos pela agência CVC e incluem estadas também em Itacaré. Com capacidade para 144 passageiros, os voos serão operados pela Gol Linhas Aéreas.

 


A exuberância da Baía de Todos-os-Santos e a beleza de suas ilhas paradisíacas


Observar a Baía de Todos-os-Santos já é um encanto, a maior do país, com seus 1.230 km2 de beleza e imensidão. Imagina fazer um passeio em plena Baía para conhecer as suas 56 ilhas através de embarcações no Terminal Turístico e Náutico, ou pelo ferry -boat, no Terminal de São Joaquim? Começando pelas mais procuradas como Itaparica (municípios de Vera Cruz e Itaparica), Ilha da Maré, Ilha dos Frades e Ilha Bom Jesus dos Passos. (Noemi Flores)

A Baía de Todos-os-Santos foi descoberta pelos portugueses em 1501 e dentre as 56 ilhas, sendo que a maior da Bahia e do país é a Ilha de Itaparica, com mais de 36 quilômetros de comprimento, 239 quilômetros quadrados de superfície, dividida em dois municípios Vera Cruz e Itaparica, locais com praias aprazíveis além de prédios e monumentos históricos para serem visitados pelos turistas. Para se chegar até Itaparica, cerca de uma hora de trajeto,  pode-se utilizar  lanchas que partem, diariamente, do Terminal Náutico, na Avenida França, Comércio, ou ferry-boat  pelo Terminal de São Joaquim, bairro do mesmo nome, próximo ao Comércio.

Ilha de Itaparica

Ilha de Itaparica – Era habitada pelos índios Tupinambás, mas a ocupação europeia deu-se a partir de um pequeno núcleo de povoamento fundado por jesuítas na contra-costa em 1560, onde hoje se localiza a vila de Baiacu – então denominada Vila do Senhor da Vera Cruz e por fim município de Vera Cruz, cuja sede é em Mar Grande. A presença dos negros também marcante na região, que muito contribuíram para a cultura local,  tendo como destaque a “Heroína Negra da Independência”, Maria Felipa de Oliveira, que liderou grupos de mulheres e homens para lutar pela Independência, de 1822 a 1823. Em toda a ilha o turista dispõe de  serviços de qualidade em todos os níveis – hotéis, pousadas,  restaurantes com deliciosos frutos do mar, passeios de barco, paraquedismo e uma infinidade de opções de entretenimento.

Vera Cruz

Os atrativos históricos são as ruínas de igrejas, de fornos e de moinhos; a Igreja do Nosso Senhor da Vera Cruz é o mais importante Patrimônio Histórico da Ilha de Itaparica. A cultura, com influência basicamente afro, é retratada fortemente pelas festas religiosas com procissões marítimas e terrestres.

Igreja de 1770 - Praia de Conceição
Igreja de 1770 – Praia de Conceição

 

Praia de Conceição
Praia de Conceição

A Folia de Reis, o Bumba-Meu-Boi, a Puxada de rede, o Maculelê, a Capoeira, as festas de largo e o carnaval compõem o folclore de Vera Cruz. As praias mais procuradas são as de Mar Grande, Penha, Conceição, Barra do Gil e Barra do Pote, Tairú,  Berlinque e Aratuba e Cacha-Pregos.

Itaparica

Neste município da ilha nasceu e morou, durante muitos anos, o escritor João Ubaldo Ribeiro. Sua principal obra, Viva o Povo Brasileiro, é ambientada em Itaparica, desde os tempos em que era habitada pelos indígenas, passando por sucessivas gerações.

Fonte da Bica
Fonte da Bica

A cidade já foi balneário de repouso e de saúde devido à água mineral que jorra da Fonte da Bica, inclusive lá há uma inscrição divertida:”Êh! água fina. Faz velha virá menina”.
No Centro Histórico podem ser vistos antigos casarões como o Solar Tenente Botas, a Igreja Matriz do Santíssimo Sacramento (século XVIII), a Igreja de São Lourenço (século XVII), o Forte de São Lourenço na Avenida Beira Mar.

A cidade é calma, propícia para quem quer passar dias tranquilos nas principais praias que são de  Ponta de Areia, Praia da Ponta do Mocambo, Praia do Boulevard, Praia do Forte, São João de Manguinhos, Praia de Amoreiras, Coroa do Limo e Porto dos Santos.

Av. Beira Mar Itaparica

 Pequenas ilhas de muita paz, sossego e lazer

Além de Itaparica há as pequenas e belíssimas  ilhas, que fazem parte do município de Salvador, a exemplo da Ilha de Maré, Ilha dos Frades e Ilha Bom Jesus dos Passos.  Para visitar estas ilhas se utiliza embarcações que saem de meia em meia hora do Terminal Náutico de Salvador.

bom jesus dos passos
Bom Jesus dos Passos

Ilha de Maré

Na Ilha de Maré, população formada basicamente por pescadores e artesãos, o turista vai encontrar beleza e tranquilidade, além de apreciar a cultura local como a igreja de Nossa Senhora das Neves, do século XVI, e Senhora de Santana, do  XIX e o trabalho de rendeiras que confeccionam peças em renda de bilro, artesanato tradicional da região.

As principais praias são: Itamoabo, das Neves, Praia Grande, de Santana e do Botelho ou Oratório de Maré. A maioria com formação de piscinas naturais, águas calmas, ótimas para mergulho e esportes aquáticos.

ilha de maré
Ilha de Maré

 Ilha dos Frades

A beleza natural da Ilha dos Frades, destacada pelas áreas preservadas da Mata Atlântica, pode ser vista e sentida pelos visitantes. E para quem gosta de locais que mostram um pouco da história, há as ruínas de um armazém, onde os escravos eram colocados para engordar antes de serem vendidos e  as de uma casa-de-farinha.

As praias mais importantes são a Praia da Costa, a de Loreto, a de Paramana, a da Ponta de Nossa Senhora, a do Tobar e a da Viração, com águas límpidas e cristalinas, excelentes para a prática do mergulho,  onde podem ser observadas formações de corais e recifes.

Bom Jesus dos Passos

Na Ilha Bom Jesus dos Passos, onde o turista pode acampar, pescar e  praticar esportes náuticos. Situada entre Madre de Deus e a Ilha dos Frades. Esta ilha, que fica em meio a manguezais e floresta densa, dispõe de uma ampla área para camping e as praias mais procuradas são Pontinha e Ponta do Padre.

Para quem gosta de se inteirar da cultura da localidade, a Igreja de Bom Jesus dos Passos teve sua licença concedida em 1726 e sua construção foi iniciada em 1766. Possui  três altares, em decoração neoclássica, com a imagem do Senhor dos Passos  talhada em madeira por Félix Pereira. Sua fachada é em estilo rococó.

mapa ilustrado da baía de todos os santos


Turismo Étnico-indígena é a próxima meta de Porto Seguro


Porto Seguro, cidade localizada na Costa do Descobrimento, com diversas praias aprazíveis para o visitante, vai oferecer ao turista a vivência em tribos indígenas. Este é o objetivo de um plano de ação conduzido pela Secretaria do Turismo do Estado (Setur) no município a mais de 700 quilômetros de Salvador.

Técnicos da Setur, da prefeitura de Porto Seguro e empresários visitam reservas indígenas, como a da Jaqueira, Pé do Monte e Itapororoca, para conscientização dos moradores quanto à importância da atividade turística para o desenvolvimento econômico e social da comunidade.

O objetivo é a identificação de atrativos culturais e naturais que levem a uma roteirização específica para a diversificação do turismo étnico-indígena, promovendo a integração entre as aldeias.

A iniciativa da Superintendência de Serviços Turísticos da Setur visa principalmente despertar o olhar empreendedor sobre as atividades oferecidas aos visitantes, a fim de que a visitação turística se converta em vetor de desenvolvimento social e econômico, sem deixar de lado a valorização das tradições mantidas pelas tribos indígenas.


Confira as principais festas populares que marcam o calendário festivo de Salvador


Em dezembro começa o ciclo das festas de largo e lavagens em Salvador, a primeira é a de Santa Bárbara, no dia 4, logo a seguir, dia 8, a da Conceição da Praia e segue o calendário de festejos até fevereiro, antes do Carnaval, com muita devoção, música, alegria, comida e bebidas típicas! (Noemi Flores)

As festas de largo são homenagens prestadas aos santos do dia pelos católicos na sua respectiva Igreja e também pelos seguidores do Candomblé, pois cada santo representa um orixá para estes adeptos.

Geralmente os festejos dos católicos são com novenas ou tríduos, missas, procissões e quermesses. Mas paralelo a isto, outros organizadores realizam a festa profana com barracas instaladas nas proximidades do largo das igrejas com shows, comidas e bebidas típicas.

Algumas festas têm a chamada Lavagem acrescentando-se o nome do santo, exemplo Lavagem do Bonfim, porque de acordo com historiadores, na colonização portuguesa estas devoções vieram com estes colonizadores, quando havia uma festa do santo, antes da celebração, os escravos eram incumbidos de lavarem as igrejas e as escadarias.Como vieram da África e acreditavam nos orixás, foram identificando com os santos católicos e colocando nomes nestes santos em ioruba, conforme o que representavam para eles, a exemplo de Santa Bárbara, chamada Iansã, a Senhora dos Ventos da Tempestade, cuja saudação é Eparrei!. E muitos se converteram no catolicismo definitivamente.

Santa Bárbara

O calendários das festas de largo se inicia no dia 4 de dezembro com Santa Bárbara na Igreja do Rosário dos Pretos, localizada na Ladeira do Pelourinho. Foi construída na época do Brasil Colônia (1780) pelos negros escravos e alforriados devotos de Nossa Senhora do Rosário, São Benedito, Santa Efigênia e Santo Elesbão.

Esta festa é muito comemorada com procissão até pelo centro Histórico em direção ao Corpo de Bombeiros, localizado na Ladeira da Praça, cuja a santa é a protetora destes militares. Aí mescla as duas crenças, pois geralmente tem missa na corporação e também é oferecido um caruru, segundo os adeptos, o prato da orixá Iansã.

Conceição da Praia

Já no dia 8 de dezembro acontece a famosa festa de Nossa Senhora Conceição da Praia, localizada na Cidade baixa, Comércio, logo na descida do Elevador Lacerda, à esquerda. Nos dias que antecedem a festa, os comerciantes armam barracas de comidas, frutas e bebidas, se preparando para o grande dia.

A festa profana é tradicional, há décadas passadas teve seu auge, mas com o tempo foi decaindo muito. E, nos últimos anos, vem retomando o seu destaque entre as principais festas do calendário. Geralmente, um palco é armado nas proximidades do Mercado Modelo com várias atrações musicais com ostensivo policiamento.

Santa Luzia

No dia 12 a homenagem é para Santa Luzia, Protetora dos Olhos e da Visão, na igreja localizada no Pilar, também no Comércio. Lá  tem uma fonte de água em que os fiéis com problemas nos olhos no dia fazem fila para encher potes e levar para banhar os olhos, pois dizem se milagrosa. Os devotos percorrem as ruas do Comércio até  a igreja da Conceição em procissão e retornam a igreja. Embora esta festa seja mais para devotos, há instalação de barracas, na rua da igreja, com comidas e bebidas típicas.

Boa Viagem

Após Santa Luzia, as festas de largo só acontecem no outro ano, em janeiro, exatamente no dia 1º com a Festa da Boa Viagem e do Bom Jesus dos Navegantes, na igreja e bairro da Boa Viagem. É muito linda porque a santa sai da Igreja da Conceição da Praia, pela manhã, levada no dia anterior (31), na embarcação chamada Galeota Gratidão do Povo, construída em 1891, acompanhada por inúmeros barcos, que percorrem a Baía de Todos-os-Santos em direção a igreja na Praia da Boa Viagem.

Geralmente acompanhada pelo arcebispo, Dom Murilo krieger, que celebra uma missa campal na Praia da Boa Viagem, em frente a igreja que também segue com programação de missa o dia todo. Já quem vai somente para diversão na festa, encontra barracas montadas, na praia e em ruas próximas da igreja, com sons musicais, comidas e bebidas típicas.

Festa do Bonfim

Já na segunda quinta-feira do mês, a Festa de Nosso Senhor do Bonfim, uma das mais tradicionais da Bahia, em que a devoção é tanta que os fiéis saem da Igreja da Conceição da Praia, no Comércio, pela manhã, e seguem em cortejo até a Igreja do Bonfim, localizada na Península de Itapagipe, caminhando cerca de 7 quilômetros.

Lá tem a tradicional Lavagem das baianas vestidas a rigor, com as cores de Oxalá (azul e branco), que representa a divindade, o mesmo para os católicos, pois Nosso Senhor do Bonfim é Deus e Jesus Cristo.

Paralela às manifestações religiosas, a festa profana se desenvolve nas barracas, bares e restaurantes, próximos à igreja, com muita música, atrações musicais, comidas e bebidas típicas.

Quem não aguenta  percorrer os 7 quilômetros pode ficar no bairro do Comércio, onde após a passagem da procissão, desfilam minitrios, levando música e alegria para a galera, em meio a várias barracas instaladas e vendedores ambulantes no local.

Festa de Iemanjá

É a única festa exclusivamente dedicada a um orixá, Iemanjá, a Rainha do Mar, cuja a saudação é: Odoyá! Comemorada no dia 2 de fevereiro, no bairro boêmio do Rio Vermelho, na praia do mesmo nome, onde os pescadores construíram uma casa exclusiva para a orixá. Lá, durante todo o dia até por volta das 16 horas, são colocadas as oferendas dos devotos em balaios para serem lançadas ao mar pelos organizadores da festa, pertencentes a Colônia de Pesca do Rio Vermelho.

Esta festa tem uma magia muito forte, além das barracas instaladas em quase todo o bairro, os bares, restaurante, hotéis e pousadas realizam pacotes para os festejos, geralmente para quem quer ficar em um ambiente mais tranquilo, não se expondo ao sol e a multidão. Inclusive com direito a oferendas também, pois colocam balaios e posteriormente, auxiliados por pescadores, lançam ao mar.

Lavagem de Itapuã


Esta festa acontece uma semana antes do Carnaval, é a última do calendário antes da festa momesca. Começa na madrugada pelo Bando Anunciador, formado por um grupo de percussionistas e pelos organizadores, que percorrem o bairro anunciando a festa.O cortejo geralmente sai por volta das 10 horas com a participação de baianas que saem da Praia de Placaford até a Igreja de Nossa Senhora da Conceição de Itapuã, na praça Dorival Caymmi, onde lavam as escadarias.

Conta com a participação do bloco-afro  Malê Debalê, fundado  em 23 de março de 1979 por um grupo de moradores de Itapuã que sonhavam que seu bairro participasse do Carnaval de Salvador e isto se transformou em realidade. E hoje, o bloco possui uma das melhores percussões da Bahia, pois foi um dos escolhidos para representar o Brasil na programação do New Orleans Jazz & Heritage Festival, em New Orleans, nos EUA, em 2013 e já conquistou mais de 5 vezes o prêmio de  ‘Melhor Bloco Afro do Carnaval’, ganhando o Troféu Castro Alves.