Forró no Parque com Zelito Miranda e convidados

A Praça Quincas Berro d´Água, Pelourinho vai voltar a viver o forró. Isso porque no próximo dia 28 de abril, domingo, acontece mais um show do projeto Forró no Parque. Com Zelito Miranda como …





Vinho com menu exclusivo todo penúltimo sábado do mês


Stefano Bof e Maria dos Santos. Em foto divulgação de Tati Freitas

Vino Veritas, o mais novo projeto da Casa di Vina, elaborado para quem aprecia uma noite gastronômica regada a um bom vinho, vai acontecer todo penúltimo sábado do mês, a partir do dia 23 de março, às 20h, na varanda da casa que foi do poetinha Vinicius de Moraes, em Itapuã. Na noite de estreia, a vinícola convidada é a gaúcha Torcello, que lançará o vinho Casa di Vina, criado especialmente para o restaurante e já carinhosamente apelidado de vinho poético da Torcello. O lançamento vai contar com a presença de Rogério Valduga, sommelier e proprietário da vinícola que, em Salvador, é exclusiva da Casa di Vina.

A ideia é oferecer ao público um jantar harmonizado com o melhor do vinho nacional e internacional acompanhado sempre de um menu especial à la carte. Inspirado na expressão “in aqua sanitas, in vino veritas”, o projeto sugere que a saúde se encontra na água, mas a verdade e a liberdade, no vinho. A cada edição, uma nova vinícola e um novo menu, criado pela chef Maria dos Santos, serão apresentados aos clientes, que precisarão reservar mesa, já que o cardápio e os vinhos são selecionados exclusivamente para cada noite.

“Com este projeto, queremos mostrar ao público baiano que o vinho nacional tem qualidade e deve ser mais valorizado. Ainda há procura por vinhos estrangeiros no restaurante, mas tem crescido, na Bahia, o consumo do vinho de uma forma geral, inclusive o nacional”, garante o sócio e responsável pela carta de vinhos da Casa di Vina, Stefano Bof.

As vagas para o Vino Veritas são limitadas e as reservas devem ser feitas pelo 71 3014.8730. O jantar com vinhos, couvert, entrada, primeiro prato, segundo prato e sobremesa sai por R$ 169 por pessoa, incluindo água com gás ou sem. O pagamento de 10% pelo serviço é opcional.

Casa di Vina – Construída nos anos de 1970 em frente ao mar de Itapuã, a casa onde Vinicius de Moraes e a atriz baiana Gessy Gesse viveram sua história de amor é hoje o premiado restaurante Casa di Vina (rua Flamengo, 44, farol de Itapuã) que, além de comida mediterrânea e baiana, oferece também uma programação cultural animada. Tem o memorial onde estão expostos objetos que pertenceram ao poetinha e que podem ser visitados pelo público de segunda a sábado, das 12h às 23h30, e domingo, das 12h às 22h, com entrada gratuita.

Com curadoria da atriz e sócia Luisa Proserpio, tem também o projeto musical Noite di Vina, em que um artista diferente se apresenta na casa todo último sábado do mês. Já passaram por lá, Mariene de Castro, Xangai, Ganhadeiras de Itapuã, Cláudia Cunha, Gereba e Divina Valéria, dentre outros. Tudo isso acompanhado por uma gastronomia criada especialmente para os frequentadores do restaurante.

Divulgação

Torcello – Fundada no ano 2000, a vinícola tem como principal objetivo desenvolver um projeto de elaboração de vinhos de elevada qualidade no Vale dos Vinhedos, em Bento Gonçalves (RS). A ideia é aproveitar as excelentes condições geológicas e climáticas da região, respeitando, ao mesmo tempo, a história, a riqueza e o ambiente natural e único do Vale.

Seu nome lembra uma pequena ilha italiana, próxima à Veneza e, atualmente, a Torcello conta com uma gama de 15 produtos, entre vinhos finos tintos, brancos, rosés, espumantes e sucos de uva. A quantidade de garrafas elaboradas por ano é limitada e exclusiva, girando em torno de 20 mil unidades do tinto, 15 mil de espumantes e 60 mil de sucos de uva. Os outros produtos são elaborados apenas em anos específicos, já que é preciso levar em consideração a disponibilidade e a qualidade das uvas.

“Raramente, um vinho é fruto do acaso, a experiência nos leva a crer que ele reflete a natureza da terra que o viu nascer e é a expressão de quem o produz. Fazer brilhar todo o potencial natural, bem como sua história, cultura e religiosidade, deixadas no Rio Grande do Sul pelos nossos antepassados, nos motiva a criar e reinventar cada vinho, e isto é muito mais do que um trabalho, é um estado de espírito”, narra Rogério Valduga.

 Vino Veritas

Quando: 23 de março às 20h

Onde: Casa di Vina – rua Flamengo, 44, farol de Itapuã – casa de Vinicius de Moraes

Valor: R$ 169 por pessoa

vendas: 71 3014.8730


Carnaval de 2020 terá mais atrações no Campo Grande


Foto divulgação Jefferson Peixoto (Secom)

O Carnaval 2019 já é considerado um legado para Salvador: foi a folia com o maior participação popular – incluindo o recorde de 850 mil visitantes – de toda a história da cidade. Além da garantia da manutenção do número de dias da festa, sendo quatro de pré-Carnaval e seis oficiais, alguns pontos serão melhorados para a edição 2020, afirmou o prefeito ACM Neto durante coletiva final de balanço.As duas principais mudanças para 2020 serão o fortalecimento das atrações no Circuito Osmar (Centro) e avanços na área de mobilidade para dar conta da explosão do número de veículos que tentaram acessar principalmente o Circuito Dodô (Barra/Ondina).

Com investimento total de R$55 milhões, sendo R$27 milhões da iniciativa privada, a quantidade de dias da folia soteropolitana chegou ao limite ideal, de acordo com ACM Neto, que participou da coletiva ao lado do vice Bruno Reis, do secretário municipal de Cultura e Turismo, Cláudio Tinoco, do presidente da Saltur, Isaac Edington, e de todos os dirigentes envolvidos com a realização da maior festa de rua do planeta.

Consolidação – Para o prefeito, diante dos resultados positivos conquistados em 2019, o desafio é aproveitar o momento do Carnaval para consolidar a cidade como importante destino turístico no Brasil, movimento esse que considera irreversível.

Para isso, além dos investimentos feitos desde 2013 e que resultaram nessa procura pela capital baiana como destino turístico mundial, também haverá, em 2019, a entrega de equipamentos como o Centro de Convenções, a requalificação do Centro Histórico e continuidade das obras na orla, além da promoção da cidade para o mundo, dentre outras ações.

ACM Neto afirmou que o objetivo principal do Carnaval é a movimentação da economia da cidade. Na folia deste ano, foram gerados 250 mil empregos diretos e indiretos, que beneficiam desde a rede hoteleira, passando pela infraestrutura até chegar à população mais pobre, que aproveita para ganhar uma renda como ambulante – em 2019, foram 10 mil trabalhadores contemplados no setor informal pela Prefeitura. Quando à rede hoteleira, a ocupação média foi de 96,3% dos leitos durante o período da festa – o maior número registrado pela cidade nos últimos anos.

Folia no Centro – Para garantir o equilíbrio da festa no próximo ano, o último da atual gestão, o Circuito Osmar será alvo de conversas com empresários, artistas, entidades e Conselho Municipal do Carnaval para que as grandes atrações voltem a se apresentar também no Centro.

Isso porque os blocos de trio migraram praticamente para o Circuito Dodô, o que gera uma sobrecarga de foliões à Barra/Ondina atrás dos artistas de renome.

Mobilidade – O prefeito também salientou a necessidade de melhorar a mobilidade nos acessos aos circuitos, devido ao grande volume de veículos, principalmente de motoristas de aplicativos, o que gerou congestionamentos como os registrados na Avenida Centenário, um dos principais acessos ao Circuito Dodô.

Agradecimento – Na coletiva, o prefeito também ressaltou que o esquema municipal, mesmo tendo sofrido alguns ajustes durante a folia, transcorreu de forma a garantir um Carnaval tranquilo. Ele aproveitou ainda para agradecer a toda a equipe e à imprensa pelo esforço e contribuição para fazer deste o maior Carnaval da história de Salvador. “O diferencial realmente é a nossa gente. O sentimento é de dever cumprido. Não somos perfeitos, não fizemos tudo certo, mas certamente fizemos o melhor”, finalizou.


Ainda tem bailinho de Carnaval para a garotada


O Carnaval terminou oficialmente, mas o Center Lapa ainda está no clima e vai esticar a festa no final de semana. A partir das 15h deste sábado (09), na praça de eventos, o empreendimento realiza o “Baile Infantil com a turma da Casinha do Brinquedo”. Com entrada gratuita, as crianças poderão abusar da imaginação com fantasias coloridas e muita animação. O baile é a atração especial que marca o retorno do Sábado da Criançada ao shopping.

O Sábado da Criançada faz parte da programação infantil do Center Lapa e acontece todos os sábados, sempre com atividades lúdicas como contação de histórias, oficinas de pintura facial, teatro infantil e brincadeiras que promovem a imaginação e interação em grupo. Estes encontros também têm entrada gratuita.

Baile Infantil com a turma da Casinha de Brinquedo

Quando: sábado, 9 de março, às 15h

Onde: Shopping Center Lapa

Quanto: Gratuito


Camiseta solidária na pipoca com Irmãos Macêdo


Fotos Felipe Oliveira

Uma das melhores pipocas do Carnaval de Salvador conta com uma ação solidária. A partir de sábado, dia 2, quem quiser participar da festa de 45 anos dos Irmãos Macêdo pode fazer uniformizado e praticar o bem. Isso porque, desde 2003 a banda criou o Abadado. Um projeto social no qual os fãs da banda troca a camiseta por uma lata de leite em pó.

Após o Carnaval as latas arrecadas são entregues para instituições que cuidam de crianças e idosos. Para o Carnaval de 2019, o Abadado traz em sua arte elementos que convidam as pessoas a revisitar a obra musical dos Irmãos Macêdo. Estampado com as 16 capas dos discos do grupo, o projeto Abadado 2019 remete aos 45 anos da Banda Armandinho, Dodô e Osmar e sua música trieletrizada. Abadado para pular com o Trio Elétrico Armandinho, Dodô e Osmar, uma vez que é um trio sem cordas desde sempre.

Quem quiser estar uniformizado no Carnaval os pontos de troca são, Bar Velho Espanha (Rua General Labatut, 38 – Barris), Sorveteria da Ribeira (Rua da Penha, 87 – Ribeira), Grandes Mestres Pré-Vestibular (Praça da Piedade, S/n – Centro), CELL – Centro de Exercícios Físicos, Rua Alberto Pasqualini e Panificadora Panvida (Largo do Santo Agostinho – Matatu).

Em 2019, a folia começa no sábado, dia 2. Do circuito do Campo Grande, batizado de Osmar, pai dos irmãos, o trio Fobicão sairá ao som de clássicos como Pombo Correio, Frevo do Trio Elétrico, Viva Dodô & Osmar, Vida Boa, Zanzibar e o hino Chame Gente. No domingo, dia 3, descem para Barra e tocam no circuito batizado de Dodô na segunda e terça-feira.

Os Irmãos Macêdo com sua Música Trieletrizada são uma marca registrada na Bahia, a história viva do carnaval de Salvador que toca sem cordas para o povo, mantendo um compromisso, uma tradição cultural com a raiz de um povo. Por isso, além das canções já citadas, este ano o repertório também contará com Aí eu liguei o Rádio, Viva o Povo Brasileiro, Aquidabã, Frevo da Lira, Frevo dobrado n°3 e Granadino, revisando a trajetória da banda.

 


Samba-reggae e resistência negra feminina marcam Carnaval da Bahia


Divulgação

Quando o Carnaval da Bahia começar, as batidas do tambor vão ecoar fortes, mais uma vez, na avenida. E entre múltiplos ritmos, trios, arranjos, misturas e batuques, típicos da folia momesca, baianos e turistas vão “abrir alas” e se render ao som fascinante, inconfundível, único e, notadamente, percussivo das bandas femininas Didá e A Mulherada. As duas instituições foram selecionadas pelo Edital Carnaval Ouro Negro, projeto do Governo do Estado, através da Secretaria da Promoção da Igualdade Racial (Sepromi) e da Secretaria de Cultura da Bahia (SecultBA).

A Mulherada – Celebrando 18 anos, as percussionistas do Bloco A Mulherada se preparam para sair na quinta-feira (28) de Carnaval com uma novidade: a Ala de Canto formada por duas mulheres. Com o tema “Mistérios da África – as yabás, orixás, mães e rainhas”, o bloco vai percorrer o Circuito Osmar (Campo Grande), a partir das 17h, homenageando as raízes ancestrais das mulheres negras. Yabás são entidades femininas que, nestes desfiles, serão representadas pelas orixás Iansã, Iemanjá, Oxum e Nanã, com decoração do Mini Trio sob o comando das cores azul, vermelha, amarela e lilás, que simbolizam as divindades.

O Bloco A Mulherada nasceu de um projeto social que tem como finalidade a defesa dos direitos da mulher negra a partir de ações de combate à discriminação racial e de gênero e estímulo à autoestima e defesa dos direitos civis destas mulheres.  As mulheres que embalam as diversas alas são oriundas de oficinas de capacitação realizadas pelo próprio bloco ao longo do ano.

Ao todo serão 60 percussionistas, 30 baianas, 40 rainhas afro, 30 mulheres compondo a Ala Feminista, além de carro alegórico em homenagem às YABÁS, e um conjunto de 100 dançarinas. O desfile das mulheres será aberto com coreografia das ginastas do Grupo G.R., seguidas das Alas das Baianas, Ala Yabás, Orixás, Mães e Rainhas, a Ala Yabás Contemporâneas, composta por jovens e mulheres negras oriundas das comunidades do Pelourinho.

Haverá ainda mais cinco Alas Performáticas, representadas por dançarinas com figurinos que representam as águas e seus milagres, demonstrando relação de cada uma delas com a dança das águas.

Didá em foto divulgação de André Frutuôso

Didá – Conhecidas como “Rainhas que tocam tambor”, as integrantes que formam a primeira banda só de mulheres a tocar samba-reggae no mundo, a Didá, completam 25 anos de história e contagiam com a mistura do samba de raiz e batida africana. Em cima do trio, 18 mulheres farão a harmonia entre teclado e percussão, sob comando das cantoras Carla Lis e Madá Gomes, ex-aluna e percussionista, que fará seu primeiro carnaval como vocalista da Didá. No chão, serão 80 ‘rainhas’ tocando e levando, em várias alas, homenagens às baianas, à Princesa Anastácia e a Neguinho do Samba, além de uma ala de dança mostrando a Didá, desde o surgimento até os dias atuais. 

 Este ano relembrando toda a trajetória dessas mulheres, em sua maioria moradoras da periferia e guerreiras, a Banda Didá desfilará no sábado e segunda-feira, às 12h, com cerca de 1000 participantes (mulheres e crianças), celebrando seus 25 anos e levando para as ruas indumentárias em tons de prata e branco, levantando, do Campo Grande à Praça da Sé, o lema “Didá, 25 anos de Samba-Reggae e Resistência Negra Feminina”.

 “Estar na Didá representa uma descoberta de nós, mulheres. Fico feliz de darmos oportunidade a essas mulheres de comunidades carentes poderem se divertir, tanto quanto em outros blocos, que são pagos, doando alimentos. Elas se divertem e ainda ajudam centenas de pessoas”, descreve Débora Souza, 41, presidente da instituição e filha de Antônio Luís Alves de Souza, o Neguinho do Samba, criador da Didá

 Ela conta que participam do bloco mulheres moradoras da periferia de Salvador que ingressam na Didá mediante o fornecimento de 2 kg de alimentos não perecíveis, um produto de limpeza e Xerox do RG. Os alimentos e produtos, revela Débora, são doados sempre no dia 8 de março, Dia Internacional da Mulher, a instituições como o Núcleo de Apoio ao Combate do Câncer Infantil (NACCI) e Lar Irmã Maria Luiza, entre outras.

 Ouro Negro – Chegando à sua 12ª edição, o Ouro Negro oferece importantes subsídios para o apoio a agremiações de matrizes africanas e tradicionais dentro dos circuitos do Carnaval de Salvador. Desta forma, é promovida a preservação e valorização a presença destes blocos, com o desfile em alas e indumentárias tradicionais, assim como a maior participação da juventude, transmitindo o legado para as novas gerações. Dentro de suas comunidades, estas entidades contribuem para o desenvolvimento social através de projetos que estimulam a construção de uma cultura cidadã.

 Carnaval da Cultura – É o carnaval dos blocos afro, de samba, de reggae e dos afoxés, apoiados por meio do Edital Ouro Negro para desfilar nos três principais circuitos da folia: Batatinha, Dodô e Osmar. É a folia animada, diversa e democrática do Carnaval do Pelô, que abraça o carnaval de rua, microtrios e nanotrios, além de promover nos palcos grandes encontros musicais e variados ritmos numa ampla programação. Tem Afro, Reggae, Arrocha, Axé, Antigos Carnavais, Samba, Hip-hop e Guitarra Baiana, além de Orquestras e Bailes Infantis. E é também a preservação do patrimônio cultural, com o apoio ao carnaval tradicional dos mascarados de Maragojipe. Promovido pelo Governo do Estado, através da Secretaria de Cultura (SecultBA), o Carnaval da Cultura é da Bahia. O Mundo se Une Aqui!