Site sobre filarmônicas baianas entra no ar

Os produtores culturais Laerte Santos e Simone Carrera lançam no próximo dia 12, segunda-feira, o site www.filarmonicaeferrovia.com.br, onde estão disponibilizados todos os produtos resultantes do …



Vila do Bem reabre as portas

Com o retorno escalonado das atividades econômicas em Salvador, o projeto gastronômico da Oquei Entretenimento reabre na quarta, dia 07 de abril A espera acabou! …



Shopping homenageia o aniversário de Salvador com exposição digital


Bahia Marin. Foto Roberto Abreu/Divulgação

Uma das cidades mais lindas e cheias de encantos do mundo completa 472 anos no próximo dia 29 de março e seu aniversário não poderia passar em branco. Para celebrar a data à altura, o Shopping Itaigara fará uma homenagem a partir de hoje, 26, com uma exposição fotográfica digital que estará disponível nos perfis do Itaigara no Instagram e Facebook.A mostra contará com imagens de diversos locais de Salvador, desde os mais famosos e visitados até aqueles que com forte significado para algumas pessoas, mas ainda pouco explorados. Os registros são do fotógrafo Roberto Abreu.

“Salvador é uma fonte inesgotável de inspiração. Por mais que já tenha sido tão fotografada ao longo da sua história, a capital da Bahia consegue sempre nos surpreender com paisagens exuberantes e cenários distintos.”, ressaltou Gilson da Hora, gerente de Marketing do shopping.

Para selecionar os locais fotografados, o Itaigara convidou um grupo de pessoas apaixonadas pela cidade, entre elas o cantor, compositor e artista plástico Carlinhos Brown, o beauty artist Fernando Torquatto e a jornalista Jessica Senra. Pontos turísticos consagrados como ícones de Salvador, a exemplo do Farol da Barra, Praça Castro Alves e Ponta de Humaitá, dividem espaço com outros locais como a fachada do Guetho Square, Casa dos Sete Candeeiros, Santo Antônio Além do Carmo, entre outros cheios de cultura e beleza da cidade.


Mulher é homenageada no seu mês com Sarau Poetisa


Atriz e poetisa Elisa lucinda. Divulgação

O mês de março, considerado um símbolo na luta das mulheres por direitos de igualdade de gênero e pelo fim da violência, será celebrado durante o Sarau Poetisa, que acontecerá na sexta-feira (26), às 19 horas. A ação, desenvolvida pelo Grupo Educacional ACBEU em parceria com o Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas da Universidade Federal da Bahia, é uma continuidade do projeto Sexta Cultural, iniciado no ano passado. A apresentação é gratuita e on-line.

O sarau conta com a presença de Brenda Urbina (México), Lucy Castro (Bahia) e Patrícia Ragazzon (Rio Grande do Sul), estudantes da ACBEU e do Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas da Universidade Federal da Bahia. Com poemas recitados, cantados e vídeo-performances, as artistas vão apresentar ao público escritoras e compositoras, retratando as suas particularidades que contribuem para o enriquecimento da diversidade feminina no meio artístico. No repertório do espetáculo estão personalidades como Clarice Lispector, Elisa Lucinda, Conceição Evaristo, Alejandra Pizarnik e Sylvia Plath.

O evento poderá ser acompanhado através do canal da ACBEU no YouTube (www.youtube.com/acbeubahia). Após a apresentação será aberto o espaço de perguntas para interação com o público.

Sarau Poetisa
Quando: sexta (26), às 19 horas
Onde: Canal da ACBEU no YouTube (www.youtube.com/acbeubahia)

 


Shopping lança documentário “Salvador, Mulheres e Histórias”


Divulgação

Em homenagem ao mês da Mulher e ao aniversário de 472 anos da capital baiana, o Shopping Piedade lançou o documentário “Salvador, Mulheres e Histórias”, que traz a trajetória e os propósitos de vida de grandes mulheres de Salvador. São elas: Negra Jhô, Conceição Macedo, Daniele Nobre, Carla Lis, Tânia Toko, Aldaci dos Santos e Rita Cliff Conceição.

Para conhecer essas histórias ímpares que vão ressignificar concepções sobre o que é ser mulher e ser mulher em Salvador, é só acessar o site salvadormulheresehistorias.com.br/ ou o Youtube do Shopping Piedade (https://www.youtube.com/watch?v=fnNBMiifECo). No Instagram e no Facebook do shopping serão publicados os depoimentos individuais de cada personagem.

 O documentário

 São Salvador da Bahia, cidade histórica, berço de guerras e batalhas ao longo de 472 anos, representando em muitas passagens resistência, perseverança, inovação, berço de uma cultura ímpar e sempre se destacando pela sua beleza, alegria, leveza e uma gastronomia de lamber os “beiços”.

Poderíamos estar falando da história de uma mulher, de dezenas de centenas delas, muitas que habitam esta capital cheias de “encantos e axé”. Estas histórias se cruzam. Salvador é forjada por muitas Joanas, Quitérias e Filipas, todas de fibra, de perseverança, de dança, de afeto, de encanto, de luta, de resistir para existir.

Desde a fundação da cidade, a participação feminina sempre foi ativa, principalmente com mulheres do povo.

As Mulheres

Negra Jhô: Filha da terra do dendê e de uma cultura ancestral sagrada, Valdemira Telma de Jesus Sacramento, Negra Jhô. Suas mãos carregam o dom do resgate histórico através da estética e da emancipação da autoestima, a partir do òri (cabeça). Trancista desde os anos 70, ela fortalece os seus a partir da estética negra e de suas ações no Pelourinho. Trilhando caminhos e difundindo conhecimentos, a filha de Ogum e Oyá, Negra Jhô, carrega em si a essência que sempre foi negada, a sua ancestralidade.

Conceição Macedo: Responsável por criar, há mais de 30 anos, uma instituição que acolhe e busca integrar famílias de pessoas portadoras do vírus HIV (IBCM), Tia Conça, carinhosamente conhecida pelos seus voluntários e pacientes, é auxiliar de enfermagem aposentada e um verdadeiro exemplo de empatia e solidariedade para todos(as). Com suas ações voltadas a prostitutas, travestis e até mesmo crianças soropositivas que ao longo de 3 décadas se tornaram sua família. Tia Conça nos ensina a importância do cuidado e do afeto sem julgamento e com muito carinho.

 Daniele Nobre: Filha das matas e de uma beleza de rainha. Uma Deusa do Ébano! Empreendedora, secretária executiva pelo Centro Universitário Estácio da Bahia, dona de si. Quando criança não imaginava que sairia no maior bloco afro do Brasil, do Ilê Aiyê, iria torná-la uma representação para milhares de mulheres. O seu sonho tornou- se, além de possível, um caminho a ser trilhado. Daniele se tornou a Deusa do Ébano em 2019 e carrega em si uma força matriarcal que a faz guiar outras Danieles a outros títulos.

Carla Lis: Cantora, mãe de Zaion, uma voz em ação por onde passa. Desde a infância encanta a todos com sua voz marcante e contagiante. Vocalista da Banda Didá desde 1998, Carla é destaque baiano e por onde ela passa leva multidões com sua melodia, alegria e potência. Com formação inicial e técnica em música na Universidade Federal da Bahia, e posteriormente em Recursos Humanos pela Universidade Dom Pedro, Carla trabalha desde cedo a importância do estudo da música e do que ela representa.

Tânia Toko: Atriz, arte educadora, produtora, diretora e cheia de arte, Tânia Toko, nascida e criada na comunidade de Vila Rui Barbosa, Cidade Baixa, traz em seus mais de 30 anos de carreira nas artes cênicas, o sorriso largo e um olhar marcante. Graduada em Artes Cênicas pela Universidade Federal da Bahia, Tânia integrou grupos teatrais de referências nacionais, mas foi a partir do Filme “Ó Paí Ó” com a personagem “Neuzão” que ela ganhou ainda mais destaque nacional. Seu extenso currículo consta desde novelas globais a mais de 20 espetáculos teatrais. Tânia é uma profissional de tirar o chapéu. Uma baiana retada que “não come reggae” de ninguém.

Aldaci dos Santos, carinhosamente conhecida como Dona Dadá: Desde cedo precisou trabalhar para garantir o sustento da sua família. Sua vida, assim como a de muitas mulheres negras e pobres de Salvador, não foi fácil. Passou por grandes processos de violências e de perdas, mas isso não tirou suas maiores marcas, o sorriso e o dom de cozinhar. Sua arte nasceu em um “cantinho” na Federação, lá no Alto das Pombas, mas ganhou o mundo com os seus sabores de “lamber os beiços”. Referência na culinária baiana há mais de 30 anos, Dona Dadá, hoje no Pelourinho carrega em seus cardápios muitos ingredientes, mas os principais são o amor, humildade e afeto.

Rita Cliff Conceição: Ativista comunitária, candomblecista, descendente direta da irmandade da Boa Morte, antropóloga, fotógrafa, estudante de pedagogia da Universidade Federal da Bahia e fundadora da primeira ONG para meninas negras de Salvador, a Bahia Street. Em 2008, Rita recebeu da UNESCO, na sede das Nações Unidas em Nova York, o título de Dra. Honoris Causa, pela sua obra humanitária realizada através de sua ONG. Uma das precursoras da fotografia negra em Salvador. Uma potência ancestral em terra.


Arte e Identidade: Festa de Arte e Literatura Negra Infanto Juvenil


Foto Edcleuza Sena/Divulgação

Com o objetivo de promover e incentivar a literatura negra desde a infância acontece, de 30 de março a 1º de abril, das 9h às 19h, a primeira edição da Arte e Identidade, Festa de Arte e Literatura Negra InfantoJuvenil. Em formato digital, reunirá gratuitamente escritores, artistas, educadores, pais, crianças e adolescentes, com acesso por meio das redes sociais e canal do youtube do evento.

A festa literária promoverá a difusão da literatura e da leitura infantojuvenil, com obras com protagonismo negro, e bate papos acerca da formação da identidade e desenvolvimento da autoestima da criança e adolescente negro.

Com tradução simultânea em libras, o evento on-line, contará com rodas de conversa e mesas literárias, contação de histórias, atividades lúdicas, apresentações culturais de artes integradas, oficinas, encontro com autor, lançamento de livros e feira de livros e brinquedos afirmativos.

A Arte e Identidade pretende democratizar o acesso aos livros de literatura negra infantil, despertar o gosto pela leitura do público alvo, incentivar a diversidade, além de fortalecer a cadeia criativa em torno da literatura do segmento.

A Festa de Arte e Literatura Negra InfantoJuvenil é uma realização da EdCarlão Eventos, com a autoria e produção executiva de Cris Santana e a curadoria de Mazé Lúcio, Cássia Valle e Carol Adesewa.

O projeto tem apoio financeiro do Estado da Bahia por meio da Secretaria de Cultura e Fundação Pedro Calmon (Programa Aldir Blanc Bahia) via Lei Aldir Blanc, direcionada pela Secretaria Especial da Cultura do Ministério do Turismo, Governo Federal.

Primeira edição da Arte e Identidade, Festa de Arte e Literatura Negra InfantoJuvenil
Onde: Transmitido pelas redes sociais e canal do youtube do evento
Quando: 30 de março a 1º de abril
Horário: das 9h às 19h
Quanto: Gratuito.

Redes Sociais

Instagram:https://www.instagram.com/arteeidentidadeoficial/


Baile Banzé comemora aniversário on-line


Uma semana antes dos decretos de quarentena devido ao covid-19, o Baile Banzé realizou sua segunda edição e, um ano depois, o evento está de volta com uma edição de comemoração de aniversário da cultura Ballroom em Salvador. Contando com quatro oficinas de artistas da cena nordestina, dois vídeos-performances e uma ball on-line, o projeto com foco na comunidade LGBTQI+ e negra faz seu retorno de forma on-line com muita moda, vogue e performances.

No dia 6 de março, o projeto inicia com a oficina de “Face”, ministrada por Rany Hilston (PE) da House Pussytivismo, no dia 7, terá a oficina de Hands Performance, com Ian Morais (SSA) da House of Tremme, que promove o evento. Na semana seguinte, acontece a oficina de “Runway”, com Fênix Zion (AL) da House of Zion, no dia 13, e, no dia 14, a oficina de Vogue Femme, com a pioneira da cena Ballroom do Ceará, Yagaga Kengaral.

Durante o mês de março, ainda serão divulgados dois vídeos-performances no instagram do Baile Banzé e um mini-documentário, contando um pouco da produção do projeto e da história da House of Tremme. No dia 15 de março, serão abertas as inscrições para a edição on-line do Baile Banzé: Aniversário, que contará com as categorias Face, Runway, Hands Performance e Vogue Femme. A competição acontecerá até o dia 28 de março, com o anúncio dos primeiros e segundos lugares que serão premiados com R$600 e R$200 reais, respectivamente.

O projeto tem apoio financeiro do Estado da Bahia, através da Secretaria de Cultura e da Fundação Cultural do Estado da Bahia (Programa Aldir Blanc Bahia), via Lei Aldir Blanc, direcionada pela Secretaria Especial da Cultura do Ministério do Turismo, Governo Federal.

A cultura Ballroom

As balls são eventos que ganharam notoriedade mundial, a partir do lançamento do documentário Paris em Chamas (1990), que trata da cultura Ballroom, uma prática que foi iniciada pela comunidade negra e latina LGBTQI+, principalmente as pessoas trans e travestis, em Nova York, que começaram a se agrupar em “houses / casas” e competir por troféus, performando tudo o que era usado como opressão no cotidiano. O Baile Banzé tem a intenção de fortalecer essa ferramenta de resistência em Salvador.

As “casas”, antigamente, eram formadas por pessoas que eram expulsas de casa, em situação de rua, desempregadas e coagidas às periferias sociais que, ao se juntarem, formavam uma uma nova família e chegavam a morar em um mesmo lugar. Hoje em dia, não é tão comum dividirem a mesma locação, mas essas redes de apoio ainda são perpetuadas e grandes houses se estabeleceram em vários lugares do mundo, como a House of LaBeija, House of Ninja e House of Extravaganza.

Nas balls, a competição gira em torno de categorias, podendo elas serem de desfile ou runway, como Face, Corpo e Realismo em performar heteronormatividades ou de vogue, dança inicialmente inspirada em capas de revistas de moda, ficando popularmente conhecida após o lançamento da música homônima da cantora Madonna, em 1990, e que possui três estilos: Old Way, New Way e Femme. Nas batalhas, é preciso apresentar exuberância, precisão, criatividade e elegância para jurados que avalia o cumprimento dos requisitos e quem recebe nota dez de toda a banca, leva o troféu.