Devotos festejam São Jorge com tríduo, missa e procissão


A Festa de São Jorge promovida pela Devoção a São Jorge no Centro Histórico de Salvador, na  Igreja São Pedro dos Clérigos (ao lado da Cantina da Lua), Largo do Terreiro de Jesus, neste ano,  tem como tema central “São Jorge, um cristão leigo, a serviço de fé, da esperança e da paz!” e o lema é ” Escuta, aprende, anuncia e defende com alegria, o reino de Deus!“. Serão quatro dias de devoção, com o tríduo nos dias 20, 21 e 22 e a grande comemoração no dia dedicado ao santo, 23, será com alvorada, café da manhã, adoração ao santíssimo sacramento, missa solene e procissão.

Os membros da devoção  convidam todos os devotos e devotas de São Jorge para participar  das celebrações do glorioso guerreiro, pois sinalizam que é o momento de renovação da fé em Deus com a intercessão de São Jorge.

Programação

Tríduo: 20,21 e 22 de abril, às 18 horas

Solenidade: 23 de abril
6h – alvorada com fogos e repiques de sinos
7h – café partilhado
8h – Adoração do Santíssimo sacramento
9h – Missa solene
10h – procissão nas ruas do centro histórico


Salem estreia espetáculo #onovobaiano


Foto divulgação Genilson Coutinho

O ator carioca Luiz Salem fez as malas, escolheu Salvador para morar e estrear seu mais novo espetáculo #onovobaiano, uma bem humorada resenha das venturas e desventuras dos que buscam novos rumos e diretrizes na vida. A montagem fica em cartaz às quintas-feiras de abril (12, 19 e 26) no Café-Teatro Rubi, Wish Hotel da Bahia (ex-Sheraton), às 20h30.

#onovobaiano é dirigido pela atriz Stella Miranda e fala de um migrante carioca recém-radicado em Salvador e de um emigrante baiano domiciliado na Finlândia. Juntos, ainda que geograficamente distantes, os dois personagens, por meio de suas experiências equidistantes, conduzem a plateia ao hilariante universo dos forasteiros.

As dificuldades de comunicação, a adaptação ao paladar local, as mancadas, os tropeços e deslizes nas abordagens verbais, sexuais e até policiais, são pretextos para esta comédia autobiográfica ficcional. No palco, tudo é entremeado ao som de músicas executadas ao vivo.

Luiz Salem é autor, ator e militante da comédia, conhecido do grande público por inúmeros trabalhos na TV e por sua participação no grupo cômico-musical Subversões, ao lado de Stella Miranda, Márcia Cabrita e Aloísio de Abreu.

#onovobaiano surge como ideia e projeto, não só pela migração de Salem para a cidade de todos os santos, mas também por seu desejo de reviver o personagem, escrito e interpretado por ele em “Über a Comédia”, de 2009.

A direção de Stella Miranda celebra mais uma parceria da dupla, que já trabalha junto há mais de 15 anos. “Salvador sempre foi muito presente em minha vida, a primeira cidade que conheci e me apaixonei, ainda garoto, trazido por minha mãe nos longínquos anos de 1970. Não é à toa que escolhi este lugar para viver e ser feliz”, avisa Salem.

Depois de tantas idas e vindas, carnavais, verões e muitas apresentações teatrais, sempre como visitante, esta é a estreia do humorista como cidadão local, contribuinte fiscal, pagador de IPTU e votante com título transferido, como ele costuma dizer. “A ansiedade é grande para apresentar #onovobaiano nesta que, agora, é minha cidade, minha casa, meu lugar. Ajayô!”, festeja o ator.

Luiz Salem – #onovobaiano

Quando: 12, 19 e 26/4/18 (quinta-feira)
Horário: 20h30
Onde: Café-Teatro Rubi
Quanto: Couvert artístico – R$ 60

Compra

Bilheteria: Café–Teatro Rubi
Tel: (71) 3013-1011
segunda a sábado, das 14h às 19h (em dias de apresentação, até às 20h30)
Site: www.compreingressos.com
Call Center: (71) 2626-0032


“Voz e Guitarra e Mais Coisa” com Clarice Falcão


Foto do site da artista

Com o novo show “Voz e Guitarra e Mais Coisa”, Clarice Falcão, revelada nacionalmente no grupo de humor Porta dos Fundos, se apresenta no dia 15 de abril (domingo), às 18h, na Sala Principal do Teatro Castro Alves. Inédito, o espetáculo traz a artista acompanhada por somente um músico, o guitarrista João Erbetta, e reinventa o repertório autoral com arranjos sucintos e rebuscados, dando uma nova luz às canções dela.

O mote está na crença de que composições brilhantes não dependem de arranjos brilhantes. Por mais que produções cuidadosas transformem boas ideias em canções inesquecíveis, a essência de uma faixa independe daquilo que a cobre. A espinha dorsal de uma música é a sua verdade, sua vulnerabilidade, o sentimento bruto de um artista entregue.

Com direção geral do pai da cantora, o renomado diretor e roteirista João Falcão, e direção musical de João Erbetta, “Voz e Guitarra e Mais Coisa” é, em pouco mais de uma hora, o passado, o presente e o futuro musical de Clarice Falcão. Despidas dos arranjos sofisticados de “Monomania” (2013), seu aclamado álbum de estreia, e da versatilidade sonora do sucessor “Problema Meu” (2016), as composições de Clarice reluzem mais nos novos arranjos, construídos sob camadas de guitarras, elementos eletrônicos e, a cargo da própria Clarice, percussão.

Dinâmico, o novo formato traz nitidez à esperteza confessional das canções, conhecidas pelos versos ora tristes, ora bem-humorados, mas que sempre revelam novos sentidos a cada verso. Além das faixas já conhecidas, como “Monomania”, “Vagabunda” e “Eu Me Lembro”, o show ainda traz a estreia de três canções inéditas, escritas para o terceiro álbum, que tem lançamento previsto para 2019. Densas e reflexivas, as novas composições mostram uma faceta mais corajosa da Clarice-compositora, em que ela discorre sobre a própria intimidade em versos tocantes e doloridos. Uma das inéditas, ainda sem nome, é uma parceria com Tim Bernardes, líder do grupo paulistano O Terno. Integram o repertório do show versões de “Que Loucura”, clássico de Sérgio Sampaio, e “Marli”, frevo assinado por João Falcão.

Clarice Falcão

Quando: 15 de abril (domingo), 18h

Onde: Sala Principal do Teatro Castro Alves

Quanto:

R$ 100 (inteira) e R$ 50 (meia), das filas A a W

R$ 80 (inteira) e R$ 40 (meia), das filas X a Z11

Desconto sobre a inteira:

30% para assinantes do Clube Correio*

Classificação: 12 anos


Samba Piatã 2018, maior festival do gênero, neste domingo


Péricles está dentre as atrações

O maior festival de samba, o Samba Piatã 2018, acontece em abril com mais de 10 atrações do samba e pagode nacional, consolidando-se como uma das festas mais desejadas da cidade. A grade tem mais de dez atrações do segmento popular mais querido do país. O evento acontece dia 8 de abril, a partir das 13h, no Parque de Exposições, na Avenida Paralela.

A quarta edição do Samba Piatã terá como atrações Sorriso Maroto, Dilsinho, Ferrugem, Léo Santana, Harmonia do Samba, Belo, Mumuzinho, Thiaguinho, Chininha e Príncipe, Imaginasamba, e É O Tchan. Além das participações dos cantores Péricles, Vitinho e do grupo Tá Na Mente.

Os ingressos podem ser adquiridos em todos os Balcões de Ingressos dos shoppings, na TicMix e Line Bilheteria, com setores que variam entre R$ 60,00 e R$ 380,00.

Samba Piatã 2018
Data: 8 de abril
Local: Parque de Exposições de Salvador

Atrações: Sorriso Maroto, Dilsinho, Ferrugem, Chininha e Príncipe, Imaginasamba, o Léo Santana, Harmonia do Samba, Belo, Mumuzinho, Thiaguinho, É O Tchan e participações de Péricles, Tá Na Mente, Vitinho.

Ingressos: Pista: R$ 120,00 (inteira) / R$ 60,00 (meia)

Casadinha: R$100,00

Camarote: R$ 380,00 (inteira) // R$ 190,00 (meia)


1º Festival da Caipirinha da Bahia vai até Domingo de Páscoa


Com a cachaça brasileira é feito o coquetel mais famoso do mundo, a caipirinha e no centenário desta bebida está sendo realizado o 1º Festival da Caipirinha da Bahia, de 15 de março a 1º de abril (Domingo de Páscoa), em diversos bares e restaurantes de Salvador e região que vão apresentar suas versões da bebida famosa que existe só no Brasil. Em outros países, as bebidas semelhantes à cachaça, devido ao teor alcoólico, são: vodka, na Rússia; tequila no México; saquê no Japão e gim na Inglaterra.

Com a proposta de divulgar a Cachaça baiana, a Caipirinha e a gastronomia regional, o festival será uma oportunidade de conhecer um pouco mais. “A caipirinha é um conceito que já extrapolou o limão. Desculpem os mais ortodoxos, mas a proposta do festival é que cada estabelecimento reveja os conceitos da caipirinha com limão e açúcar e crie novas sensações e novas experiências a seus clientes, usando exclusivamente a cachaça em sua produção”, informa o realizador do festival, Raimundo Freire.

O projeto é uma realização da Kikaxassa em parceria com a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel-Ba). Os drinques terão um preço fixo de R$ 10,00 e o evento pretende aumentar o fluxo de clientes nos estabelecimentos e contribuir para a divulgação de produtos e serviços que oferecem. A venda é proibida para menores de 18 anos.

Caipirinha – Parece simples fazer uma caipirinha. É só cortar o limão, uma boa cachaça, açúcar e misturar ao gelo. Porém, com o passar dos anos, a caipirinha ganhou diversas variações nas mãos de conceituados bartenders. “Há quem defenda ferrenhamente a receita tradicional, mas num país com tanta riqueza de frutas e cachaças de variados aromas, é desperdício ficar só na básica”, diz Freire.

História – Bebida típica do Brasil, ela foi criada por volta de 1918 no interior de São Paulo, e hoje é conhecida no mundo todo. Pesquisadores indicam que a caipirinha, como é conhecida, teria sido criada a partir de uma receita popular feita com limão, alho e mel e seria indicada para os doentes da gripe espanhola. A cachaça foi colocada porque na época era comum um pouquinho de álcool em todo remédio caseiro, a fim de acelerar o efeito terapêutico.

Com o tempo foi retirado o alho e o mel e acrescentado umas colheres de açúcar para adoçar a bebida. O gelo veio em seguida. Outros pesquisadores dizem que a bebida foi criada por fazendeiros para festas de alto padrão, sendo um reflexo da forte cultura canavieira na região.

Para proteger a autenticidade do drink nacional, considerado um patrimônio brasileiro, o decreto de lei número 4.851 foi assinado em 2003 pelo governo para garantir a propriedade intelectual sobre as marcas Caipirinha e Cachaça na legislação internacional.

A receita tradicional é diretamente preparada no copo, no qual o limão deve ser levemente macerado com o açúcar, posteriormente acrescentar o gelo e, na sequência, a dose de Cachaça. Deve-se mexer levemente para misturar os sabores. A cachaça oficial do festival é a premiadíssima Rio do Engenho, produzida na cidade de Ilhéus, localizada na região sul do estado.

Ingredientes como sorvete, abacaxi, manga, morango, jabuticaba, Bacupari, cupuaçu, hortelã, maracujá e anis estão em receitas de restaurantes participantes do festival como Origem, Boteco Di Janela, Rua 15, Pedra Puã Restaurante, La Pulperia, Bar Quintal Raso da Catarina, AR Casa de Chá, Gattai, Restaurante Yemanjá (Armação e Shopping Barra), Bottino, La Parrilla Porteña, Ki-Mukeka Armação e Espaço Cultural Casa da Mãe.

1º Festival das Caipirinhas da Bahia

Quando: A partir de 15 de marco a 1º de abril
Onde: Nos melhores estabelecimentos de Salvador
Bahia – Brasil
Valor: drinques preço fixo de R$ 10,00
Venda é proibida para menores de 18 anos