Cultura negra em foco no Pelô

Com o objetivo de promover e fomentar os debates e manifestações culturais no mês da consciência negra, a Secretaria de Cultura do Estado da Bahia …






Larissa Luz se apresenta no FLIN


Divulgação

Cantora, compositora e atriz, Larissa Luz fará um pocket show no dia 14, a partir das 20h30, no Ginásio Poliesportivo de Cajazeiras. A apresentação da artista faz parte da programação do Festival Literário Nacional: Diversas Leituras & Novos Caminhos, que começa hoje(12) e segue até sexta-feira (15), levando nomes notórios da literatura local e nacional para o bairro de Cajazeiras.

Em um dia dedicado às mulheres, Larissa vem se tornando uma grande representante da música negra contemporânea da Bahia. Atualmente em cartaz vivendo Elza Soares no musical ELZA, que estreou em 2018, a soteropolitana concilia carreira de atriz e de cantora.

Ano passado encerrou a turnê Território Conquistado, do disco homônimo lançado em 2016, que contou com a participação de Elza e foi indicado ao 17º Grammy Latino. Com esse disco, além do Grammy, Larissa concorreu ao Prêmio da Música Brasileira, como melhor álbum no Women’s Music Even, conquistou o prêmio de melhor Videoclipe no Prêmio Caymmi de música e revelação no Prêmio SIM DA Música.

Cabeça inquieta e atuante, Larissa faz da sua arte ferramenta política e tá sempre pensando em parcerias e projetos para mexer com estruturas. Em 2018, levou Emicida e Baco Exu do Blues para participarem do seu trio no carnaval de Salvador. No ano seguinte, lançou o Projeto AYA BASS, ao lado das cantoras Xênia França e Luedji Luna, onde assinou a direção musical e artística.

Sempre trazendo a tona temas sociais necessários, no palco não perde a comunicação com o público e busca fazer uso de outras linguagens artísticas como a dança e a literatura. A cantora, que também já dividiu palco com Otto, Paula Lima, Baiana System, Mariene de Castro, Gabi Amarantos, gravou recentemente uma participação no disco de Pitty que sairá no fim de abril.

Dona de uma personalidade forte e um desempenho marcante carimbou festival e palcos em Brasília, Salvador, Rio de janeiro, Natal, Recife, Goiás, São Paulo, Florianópolis e Medellin/Colômbia.

Para saber mais sobre o Festival, clique aqui.

Flin é abreviação do Festival Nacional Literário (Flin): Diversas Leituras & Novos Caminhos – projeto realizado pelo Governo do Estado da Bahia e coordenado pela Secretaria de Cultura (SecultBA), através da Fundação Pedro Calmon (FPC/SecultBA). O Festival conta com a parceria das secretarias de Administração (SAEB), através da Superintendência de Atendimento ao Cidadão (SAC); de Comunicação (SECOM); de Educação (SEC); de Meio Ambiente (SEMA); de Saúde (SESAB), através da Fundação de Hematologia e Hemoterapia do Estado da Bahia (HEMOBA); de Trabalho, Emprego, Renda e Esporte (SETRE), através do Serviço de Intermediação para o Trabalho (SINEBAHIA) e da Superintendência dos Desportos do Estado da Bahia (SUDESB); de Políticas para as Mulheres (SPM); de Promoção da Igualdade Social (SEPROMI); de Tecnologia e Ciência (SECTI); de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social (SJDHDS), através da Superintendência de Proteção e Defesa do Consumidor (PROCON) e de Turismo (SETUR),através da Superintendência de Fomento ao Turismo do Estado da Bahia (Bahiatursa), além da Defensoria Pública do Estado da Bahia; da Empresa Gráfica da Bahia (EGBA)do Ministério Público do Estado da Bahia (MPBA) e da Fundação Cultural do Estado da Bahia (FUNCEB).

Mais informações
www.flin.ba.gov.br
www.instagram.com/flinoficial

I Festival Literário Nacional – FLIN
Quando: 12 a 15 de novembro (terça-feira até sexta-feira)
Horário: a partir das 8h30min
Onde: Ginásio Poliesportivo de Cajazeira
Endereço: Estr. do Coqueiro Grande, 127 – Fazenda Grande 2, Salvador – BA, 41340-050

Programação:
Quando: 14/11(quinta-feira)

Espaço Infantil

08h30 – Teatralização de História
10h – Show conto de Casa
14h – Contação de Histórias – Canela Fina
16h- Espetáculo Saltimbancos

Tenda Cultural

10h30 mesa 4: Intervenções femininas: o meu lugar nas periferias do mundo
15h mesa 5: Linhas de afeto na zona de batalha zeferina

19h mesa 6: Fronteiras do corpo, reconfigurações da alma
20h30 Apresentação Larissa Luz

Espaço Futura

09h bate-papo 5: A palavra com as mina com as mina de palavra
14h bate-papo 6 | É na voz da quebrada que reluz a minha força
17h Apresentação Rapadura

Encontro com autores

Espaço I (Tenda Cultural)

11h00 – Jarid Arraes e Paloma França
15h30 – Mel Duarte, Lívia Natália e Ryane Leão
19h00 – Amara Moira e Regina Navarro Lins
Espaço II (Arena Leia e Passe Adiante)
10h30 – Emília Nuñez
14h00 – Anderson Shon
15h30 – Anna Beatriz Novaes Santana
Serviços
08h30 às 17h
Doação de Mudas
Sine Móvel
Procon Móvel
Centro de referência Milton Santos
Unidade móvel de atendimento às mulheres
Onde: Ginásio Poliesportivo de Cajazeira
Aberto ao Público

 

 


Banda Clap Bum faz show gratuito no Pelô


Diggo, da Clap Bum. Divulgação

A banda Clap Bum acaba de confirmar que vai realizar mais uma apresentação na capital baiana. Será nesta sexta-feira, dia 15 de novembro, feriado nacional. Na ocasião, o grupo fará um super show no Largo Pedro Arcanjo, no Pelourinho, a partir das 15 horas. A festa “Proclama Mix”, que terá entrada GRATUITA, contará com o show de abertura da banda Burungundun. Novidade no cenário musical baiano, a Clap Bum, que tem por premissa ser “a banda do povão”, promete levar para o evento o melhor da música da Bahia, com destaque para o ritmo da arrochadeira. Por lá, apresenta ao público um repertório escolhido a dedo e bastante eclético. Além disso, vai mostrar sua atual música de trabalho “Ao som da Clap Bum”.

Proclama Mix – Clap Bum + Burungundun

Largo Pedro Arcanjo, Pelourinho.

Sexta, 15 de novembro de 2019, a partir das 15 horas

Entrada franca!


Saulo no Parque da Cidade neste domingo


Divulgação

Saulo se apresenta domingo, 10/11, às 10 horas no Parque da Cidade, dentro da programação da Virada Sustentável, http://oquefazernabahia.com/2019/10/30/virada-sustentavel-com-programacao-gratuita/, que acontece neste final de semana na cidade. Com quase 20 anos de carreira, o músico, cantor e compositor traz toda a sua poesia e alto astral para o Anfiteatro Dorival Caymmi, que em mais um ano é palco para grandes atrações durante a Virada.

Saulo Fernandes
Saulo Jorge Fernandes Navarro de Oliveira é um cantor, compositor, instrumentista e produtor brasileiro. Começou a carreira cantando na banda Chica Fé, saiu para comandar a Banda Eva no lugar da cantora Emanuelle Araújo, onde ficou 11 anos até a sua saída no carnaval de 2013, seguindo em carreira solo. Em 2017 Saulo lança seu terceiro trabalho solo intitulado “O Azul e o Sol”. produzido pelo músico Adriano Gaiarsa e realizado pela Rua 15 Produções, “O Azul e o Sol” é um álbum de textos e livro de música. Gravado em Salvador com toda musicalidade e possibilidades da infinita riqueza musical da Bahia.


MUDEIdeNOME faz show na 1ª Feijoada do Amor do GACC


Foto Antônio Chequer/ Divulgação

O Movimento Musical MUDEIdeNOME, formado por Ricardo Chaves, Ramon Cruz, Magary Lord, Jonga Cunha e Andrezão Simões, vai se apresentar na 1ª Feijoada do Amor, promovida pelo Grupo de Apoio à Criança com Câncer – Bahia (GACC-BA). O evento, realizado no dia 9 de novembro, sábado, às 12h, no Lounge Premium da Itaipava Arena Fonte Nova, contará também com shows completos da cantora Ju Moraes e do grupo Mudernin. Além de desfrutar de uma tarde com muita música, comida boa e diversão, quem for à feijoada terá a oportunidade de contribuir com as obras assistenciais do GACC-BA. Toda a renda arrecadada com a venda dos ingressos apoiará a reforma dos apartamentos que acolhem os pacientes e acompanhantes durante o tratamento do câncer.Assinado pela promoter Licia Fabio, a festa também oferecerá ao público sorteio de brindes, ações promocionais e programação exclusiva para as crianças. Os ingressos, que custam R$ 120, estão à venda na sede do GACC-BA, no Sympla ou através do telefone 3399-2010.

“Para nós é um prazer fazer parte de eventos grandiosos como esse. É uma tradição do MUDEIdeNOME abraçar grandes causas. Participamos de uma campanha do Outubro Rosa e também fizemos uma ação junto com as obras assistenciais de Irmã Dulce. É um prazer imenso para todos nós poder contribuir para esse evento do GACC”, disse o cantor Ricardo Chaves – integrante do projeto musical. No repertório para esse evento, canções que exaltam a felicidade e refletem o espírito de coletividade e espontaneidade dos integrantes. Composições autorais e sucessos que marcaram a história da música baiana não vão faltar na festa. “No show, a intensão do MUDEIdeNOME é transmitir um clima de alegria e confraternização, através das músicas que fizeram sucesso nas nossas carreiras, buscando a memoria afetiva do público”, completa Ricardo Chaves.

1ª Feijoada do Amor

Atrações: MUDEIdeNOME, Ju Moraes e Mudernin.

Quando: 09 de novembro, sábado, às 12h

Onde: Lounge Premium da Itaipava Arena Fonte Nova

Ingressos: R$120. Crianças até 10 anos não pagam.

Vendas: No Sympla ou na sede do GACC-BA.

Endereço GACC: Av. Oceano Pacífico, 210. Recanto das Ilhas.

Mais informações: (71) 3399-2010


Os Sons que Vêm da Cozinha no Café Rubi


Fotos divulgação

Espetáculo musical aborda importância de músicas consideradas ‘bregas’ que fizeram enorme sucesso nos anos 1960 e 70. Protagonizado pelos atores Kaika Alves, responsável também pelo roteiro e direção, e Sandro Rangell, “Os Sons que Vêm da Cozinha” chega ao Café Rubi, no Wish Hotel da Bahia, para quatro apresentações, nos dias 15, 16, 22 e 23 de novembro, às 20h30. Em formato de documentário, o espetáculo conta sua história, seus intérpretes, curiosidades e os principais sucessos, todos cantados ao vivo.

Tendo como principal referência o livro “Eu Não sou Cachorro Não”, do escritor baiano Paulo Cesar de Araújo, a peça aborda a produção da música brasileira denominada ‘brega’ e que era consumida, na sua grande maioria, pelas empregadas domésticas e trabalhadores, de uma forma geral, com baixa escolaridade.

Dois atores e cantores contam essas histórias, vivem os personagens e interpretam as principais músicas que fizeram imenso sucesso nas vozes de cantores como Waldick Soriano, Odair José, Fernando Mendes, Paulo Sérgio, Agnaldo Timóteo e muitos outros.

Apesar de se constituir um patrimônio afetivo de grande parte da população brasileira, o trabalho desses cantores e compositores é completamente ignorado pelos registros oficiais que guardam a história da nossa música. Quando citados, vêm sempre com uma abordagem pejorativa, recebendo o rótulo de “cantores de empregadas domésticas”.

Afinal, que memória da música popular tem sido construída em nosso país? Por que assistimos à exclusão de uma vertente musical que serve de referência para milhões de brasileiros?

Esse repertório se confunde com a história de muitos e tem o poder de despertar a memória afetiva, não só de empregadas domésticas, pedreiros, porteiros, balconistas, motoristas, mas também de todos nós. “Os Sons que vêm da Cozinha” é uma grande homenagem a este estilo e seus principais artistas.

Os Sons que Vêm da Cozinha

Quando: 15, 16, 22 e 23/11 (sexta e sábado)
Horário: 20h30
Onde: Café Rubi
Quanto: Couvert artístico – R$ 50

Compra

Bilheteria: Café Rubi – 71 3013-1011
segunda a sábado, das 14h às 19h (em dias de apresentação, até às 20h30)
Vendas online: https://couvertartistico.caferubi.com.br/