Converse com Camila Pitanga em “Mulher com a Palavra”


O Mulher com a Palavra encerra o ciclo de encontros em 2017 recebendo a atriz e diretora Camila Pitanga, no dia 23 de novembro, quinta feira, às 20h, na Sala Principal do Teatro Castro Alves. Com o tema “Negra, Sim!”, o evento vai discutir em plena semana da Consciência Negra sobre a diversidade da negritude no Brasil, trazendo um olhar direcionado para as questões de gênero.

No formato de uma entrevista aberta ao público, o Mulher com a Palavra promoverá uma conversa sobre a trajetória da atriz, com mais de 20 anos de carreira na TV, cinema e nos palcos. Na oportunidade, será possível refletir sobre temas como identidade racial e sua multiplicidade, os enfrentamentos das mulheres negras no Brasil e diversidade.

O Mulher com a Palavra tem a apresentação da comunicadora baiana Rita Batista, conduzindo a entrevista e conversa com o público. A direção artística é assinada por Fernanda Bezerra e Dayse Porto, com roteiro de Dayse Porto e Paula Janay.

O projeto encerra o segundo ano de atividades com realização da Maré Produções Culturais, em parceria com a Secretaria de Políticas para as Mulheres do Estado da Bahia, patrocínio da Bahiagás e Instituto Avon. Já participaram do projeto nomes como Taís Araújo, Marina Lima, Zélia Duncan, Márcia Tiburi, Elza Soares, Preta Gil, Elisa Lucinda e MC Carol.

Mulher com a Palavra – Uma conversa com Camila Pitanga
Quando:23 de novembro (quinta-feira), 20h
Onde: Sala Principal do Teatro Castro Alves
Quanto:
R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia), das filas A a Z11


Quarteto em Cy e CyB4 apresentam show “Nada será como antes”


O Quarteto em Cy e o CyB4 fazem dois shows nos dias 17 e 18 de novembro, às 20h30, no Café-Teatro Rubi – espaço situado dentro do Sheraton da Bahia Hotel (Campo Grande). “Nada será como antes”, é o nome do espetáculo que traz o fervor vivenciado nos Anos 60 e 70, em comunhão com a magia do momento presente.

Nesse show em que estão trabalhando juntos, os dois grupos relembram canções que marcaram as suas trajetórias. Dentre elas, composições de: Chico Buarque, Vinícius, Tom Jobim, Sidney Miller, João Bosco, Aldir Blanc, Ernesto Nazareth, Gonzaguinha, Milton Nascimento, Ronaldo Bastos, e muitos outros. Sambas, choros e bossa nova fazem parte do roteiro dinâmico, que promete revisitar músicas com novos arranjos, e que irão mexer com as emoções de um público sedento de boa música.

O Quarteto em Cy é um grupo vocal cujas origens remontam a 1964, na Bahia, com 53 anos de carreira e mais de 30 discos, formado atualmente por Cyva, Cynara, Sônia e Corina. No repertório, músicas de Toquinho, Dorival Caymmi, Chico Buarque, Tom Jobim, além de Vinicius, considerado o padrinho delas. Com o apoio de Vinícius de Moraes, iniciaram a carreira em 1964 com apresentações em boates do Rio de Janeiro. A história do Quarteto em Cy é a de uma vida dedicada à música de qualidade. Gravaram em 2016 o CD “Janelas Abertas”, pela gravadora Fina Flor, com produção de Ruy Quaresma, seu mais recente trabalho em estúdio.

O CyB4 entrou em cena em setembro deste ano de 2017, na cidade do Rio de Janeiro (RJ), e já nasceu com muita musicalidade no DNA e a missão de continuar produzindo um legado de qualidade para a música brasileira. Com formação mista que, além das duas cantoras do Quarteto em CY, Cyva e Cynara, inclui Ruy Faria – integrante da formação original do MPB4, grupo fluminense do qual se desligou em 2004 – e Chico Faria (filho de Ruy com Cynara, que representa a nova geração de músicos/cantores, com dois CDs solos já lançados).

Nesse projeto, o CyB4 rebobina algumas músicas do espetáculo Cobra de Vidro e de outros shows de sucesso, com obras de compositores que marcaram suas apresentações, como Tom Jobim, Vinícius de Moraes, Chico Buarque, Sydney Miller, João Bosco, Aldir Blanc, Milton Nascimento, Gonzaguinha, Baden Powell e Ernesto Nazareth.
Talento, sucesso, união e, na bagagem, grandes momentos da história da música brasileira. Esses são os principais elementos que compõem o CyB4.

Show do CyB4 e Quarteto em Cy – Nada Será Como Antes
Quando: 17 e 18/11 (sexta e sábado)
Horário: 20h30
Onde: Café-Teatro Rubi – Sheraton da Bahia Hotel
Endereço: Av. Sete de Setembro, 1537 – Campo Grande
Quanto: Couvert artístico – R$ 80,00
Vendas:
– Bilheteria: Café Teatro Rubi
De segunda a sábado, das 14h às 19h (em dias de apresentação, até às 20h30)
Tel: (71) 3013-1011
Site: Compre Ingressos http://www.compreingressos.com/espetaculos/9329-cyb4
– Comprar pelo telefone de segunda a sábado das 11h às 19h
Call Center: (71) 2626-0032
Proibida a entrada depois do início do show


“Concha Negra” com Ilê Aiyê, Daniela Mercury e Criolo


A terceira edição do projeto “Concha Negra”, acontece no dia 18, com o Ilê Aiyê que convida Daniela Mercury, Criolo e a abertura é com o Bando de Teatro Olodum, às 18 horas na Concha Acústica do teatro Castro Alves.

No palco o Ilê Aiyê, primeiro bloco afro da Bahia, que nasceu no Curuzu – Liberdade, bairro de maior população negra do país. Ao longo de 43 anos de sua trajetória, “o mais belo dos belos” vem homenageando países africanos, revoltas negras, personalidades e estados brasileiros que contribuem para o processo de identidade étnica e autoestima do povo negro. A entidade é um marco no processo de reafricanização do Carnaval da Bahia. Neste show, seus convidados são a rainha do Axé Daniela Mercury e o rapper paulistano Criolo. Na abertura, o Bando de Teatro Olodum.
Horário: 18h
Quanto: Arquibancada: R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia)Concha


Viaje pela Baía de Todos-os-Santos ao som de bossa-nova


Já está tudo pronto. O repertório da bossa-nova na ponta da língua e nas cordas do violão. Dia 24.11, sexta-feira, volta ao mar o Barco da Bossa, com Ana Mota cantando as mais belas bossas acompanhada do violão virtuose de Roberto Sousa.

O Barco da Bossa, um projeto da ONG Anjos do Mar, sai às 20h30 do Terminal Marítimo de Salvador (Comércio). O trajeto é : Forte São Marcelo, Museu de Arte Moderna da Bahia, na Gamboa de Baixo, Iate Clube e Porto da Barra, onde o barco para e depois retorna ao Terminal Marítimo.

A viagem dura cerca de três horas. Os ingressos custam R$ 120,00 por pessoa, com comida e bebida incluídos – refrigerante, cerveja, água, salgados, doces e caldos. Para reservar basta ligar para 99170-4041 / 99994-6956 (whatsApp) ou entrar em contato pelo e-mail [email protected]

Barco da Bossa
Quando : 24.11, às 20h30
Onde : Saída do Terminal Marítimo de Salvador (Comércio)


Cantora cubana Omara Portuondo participa do PercPan no Rio Vermelho


SONY DSC

O Panorama Percussivo Mundial (PercPan) em sua 22ª edição acontece neste ano no tradicional Largo da Mariquita, no bairro do Rio Vermelho. E entre as atrações estará uma das vozes mais representativas da música cubana, conhecida pela participação no grupo Buena Vista Social Club: a cantora Omara Portuondo, no sábado (4), às 22 horas.

Primeira noite – A Banda de Gaitas Brazilian Piper abre a primeira noite de música do festival, no dia 3 (sexta-feira), às 19h30. É mais uma oportunidade de conhecer o talento dos gaiteiros, que se uniram como resultado de um projeto social sem fins lucrativos, fundado pelo Maestro Piper Major Fuzileiro Naval José Paulo, em 1999.

Com 30 integrantes ativos, a Brazilian Piper é uma das maiores bandas de gaitas de fole do Brasil. Através da música, seu objetivo é educar jovens carentes da periferia, utilizando a cultura escocesa e as gaitas de fole como instrumento não apenas musical, mas de inclusão social.

Em seguida, sobe ao palco o rapper soteropolitano Baco Exu do Blues, nome artístico de Diogo Moncorvo, 21 anos, que acaba de lançar Esú, álbum de estreia muito esperado desde que o artista teve o nome projetado na cena do rap nacional. Dono de uma escrita contundente, com letras que falam das próprias vivências, Baco traz os batuques do maracatu, solos de guitarra baiana, cânticos em iorubá e os atabaques do candomblé.

Orkestra Rumpilezz em foto divulgação

O encerramento do dia ocorrerá ao som de uma parceria musical das mais aplaudidas nos últimos anos: Letieres Leitte & Orkestra Rumpilezz e Lenine. O concerto apresentará um repertório misto de composições de Lenine, arranjadas pelo maestro e executadas pela Orkestra Rumpilezz, a exemplos de “Leão do Norte”, “Relampeando”, “Do It” e “Paciência”, e repertório autoral da Orkestra, incluindo composições do disco recém-lançado e premiado, “A Saga da Travessia”.

Segunda Noite – O som forte dos tambores afrobaianos do respeitado bloco Ilê Aiyê abre a segunda noite do 22º PercPan, dia 4 (sábado), às 19h. Com músicas que se tornaram hinos da Bahia e do Brasil, a apresentação promete deixar a marca emblemática da percussão desta entidade cultural que representa a afirmação da cultura negra na Bahia e no mundo há 44 anos.

Já a atração seguinte, Dão e a Caravana Black, mostrará o resultado de um irresistível e dançante garimpo da black music contemporânea. Com uma mistura de ritmos brasileiros e africanos que contagia a todos, Dão revela porque vem despertando o interesse de amantes da música no mundo todo. Hoje considerado um pesquisador do balanço, Dão é um artista literalmente comprometido com ritmos pulsantes, que se apropria de diversas referências para compor um universo musical próprio.

A terceira atração vai ser um presente de Pernambuco para o público baiano. O grupo Bongar apresenta cantos tradicionais do cancioneiro através de seis percussionistas e cantores que fazem parte da Nação Xambá, localizada em Olinda (PE). Ao revezar instrumentos como a alfaia, ganzá, agbê, caixa, congas, ilus e tabicas, os músicos realizam um trabalho de resgate e divulgação da cultura e religião locais. Na apresentação do PercPan 2017, o grupo recebe no palco os músicos da Santería, uma religião afrocubana, cuja música é tocada com os tambores batas, que têm muitas semelhanças estéticas com as cerimônias religiosas da Nação Xambá.

Às 22h, todas as atenções voltam-se para este que promete ser o mais esperado show. Aos 87 anos, Omara Portuondo fará apresentação de encerramento do festival. Vozes das mais representativas da música cubana e comparada inclusive com nomes mundiais como Billie Holliday e Edith Piaf, Portuondo foi a única mulher a integrar o grupo original do projeto Buena Vista Social Club (1997), dando voz à canção “Veinte Aos”, do álbum que vendeu mais de 1,5 milhão de cópias. A cantora, no entanto, já tinha nesse momento uma carreira próspera com o grupo Cuarteto Las d’Aida.

Sobre o PercPan

Criado pela socióloga baiana Elisabeth Cayres – com edições já realizadas também no Rio de Janeiro, São Paulo, Recife e Paris – o 22º PercPan acontece no dias 1º, 3 e 4 de novembro, convidando o público a reverenciar,

O evento tem curadoria e direção musical do produtor paulista Alê Siqueira, que atua como colaborador de influentes nomes da MPB, e consultor artístico do jornalista e crítico musical baiano Hagamenon Brito. Já o cantor, compositor, arranjador e produtor musical pernambucano Lenine participa como mestre de cerimônia e faz um dos shows mais esperados do festival, ao lado de Letieres Leitte & Orkestra Rumpilezz.

Com patrocínio da Petrobras e Prefeitura de Salvador, através da Empresa Turismo (Saltur), o 22º PercPan realiza programação socioeducativa no dia 1º de novembro (quarta-feira). Nesse dia, acontecem a mesa redonda “Ética e Integração Cultural na Música”, às 11h, no auditório da Faculdade de Comunicação da UFBa, em Ondina; e o workshop de Produção Musical com as crianças da Rumpilezzinho, com Alê Siqueira, a partir das 16h, na sede da Orkestra Rumpilezz, no Pelourinho.