Exposição, cinema, oficina, teatro, sarau e festival no Mês da Consciência Negra


Espetáculo “O Caminho de Volta” em foto divulgação de Dan Rammirez

No Mês da Consciência Negra o Gamboa Nova busca formas de dialogar com este marco com programação variada como exposição, cinema, oficina, teatro e festival , no período de 1º a 30 de novembro, no Gamboa Nova, Rua Gamboa de Cima, 3, Aflitos.

O negro consciente de si, de seu intenso tempo, beleza, sua voz e participação em todas as esferas culturais e sociais, mesmo diante da brutal adversidade racial por todo o mundo. De acordo com os organizadores: “Estar atento diante das constantes senzalas, onde o preconceito, o retrocesso e a ausência de direitos reais teimam em querer nos aprisionar com o tapume da intolerância.Sim, estamos aqui e somos lindos”.

Cine
Mostra de Curtas Ouriçado Produções

1º a 30/11 (quarta a domingo)
antes das apresentações com autorização prévia das produções – GRATUITO
Canal de humor negro (essencialmente feito por negros) que para além do humor lança mão do audiovisual para discutir questões como representatividade, racismo e preconceito.

Exposição
10 anos de Boa Nova – Galeria Jayme Fygura

1º a 30/11
quarta a sábado das 16h às 20h e domingo das 15h às 17h – GRATIS
Imagens diversas, com conteúdo afetivo e visual da história do projeto Gamboa Nova, através da colaboração de diferentes artistas que ilustraram as capas das programações do teatro nos últimos anos.

Oficina
Turbantes para Cerimoniais – Tulany
13/11 (segunda) – 15 às 17h – Valor R$ 50 (inscrição no dia – levar tecido a partir de 1m/lotação 30 pessoas)
Aristóteles Guerra Filho, conhecido como Tulany – nome de origem africana ‘aquele que tira raízes e abre caminho’ – é artista plástico, educador, artesão e agente de mudanças sociais há mais de 40 anos no Centro Histórico de Salvador. Oferece esta oficina como resgate e preservação da cultura afro-brasileira, com ênfase na reconstrução da identidade étnico-cultural.

Teatro-Performance
Rosas Negras- Nata (Núcleo Afro-brasileiro de Teatro de Alagoinhas)
01, 02, 03, 08, 09 e 10/11 (quartas, quintas e sextas) – 20h – R$20 (inteira)/ R$10 (meia)
sessão extra dia 10 (sexta), 16h, apresentação gratuita para escolas
Espetáculo solo de Fabíola Nansurê, com direção de Diana Ramos, que integra o Natas em Solos – Seis Olhares sobre o Mundo, projeto artístico-investigativo que ambiciona contribuir com o empoderamento da mulher negra.
Classificação: Livre

Coisa de Viado – ONG Bumbá Escola de Formação Artística
04 (sábado) – 20h / 05/11 (domingo) – 17h – R$20 (inteira)/ R$10 (meia)
Performance que desvela questões importantes do universo lgbt, tirando o véu de temas como diversidade de gênero, transexualidade, invisibilidade lésbica, com foco também étnico/racial, ao refletir sobre o esteriótipo da ‘bicha preta da favela’.
Classificação: 12 anos

Oralidade Africana- O Caminho de Volta – Grupo Teatral Ayá
11/11 (sábado) – 17h + 20h (duas sessões)- R$10 (inteira)/ R$5 (meia)
Um teatro experimental, onde o corpo negro tem livre expressão de si e sobre si, de forma afrocentrada e dinâmica, trazendo para o palco temas como África tradicional e Cultura Afro- brasileira.
Classificação: Livre

Festival
UFNA – Ubuntu Festival de Negras Artes II
15, 16, 17, 18 + 22, 23, 24, 25/11 (quarta a sábado) – 20h
19 e 26/11 (domingo) – 17h – R$20 (inteira)/ R$10 (meia)
Em sua segunda edição, traz como tema Artes Entrecruzadas, levando ao palco do teatro Gamboa Nova diversos artistas negros nas mais variadas linguagens artísticas. O festival nasceu em 2016, idealizado por Leno Sacramento, Naira da Hora, Shirlei Sanjeva e Luciene Brito.

1º Semana
15/11 (quarta-feira) – Eles não me disseram isso – 16 anos
16/11(quinta-feira) – Candomblackesia – livre
17/11 (sexta-feira) – EntreLinhas – 14 anos
18/11 (sábado) – En(cruz)ilhada – livre
19/11(domingo) – Banda confusão – livre

2º Semana
22/11(quarta-feira) – Ardor – livre
23/11 (quinta-feira) – Performáticos Quilombo – livre
24/11(sexta) – Kaiala- livre
25/11 (sábado) – Slam das Minas – livre
26/11 (domingo) – Visita – Show musical de Alexandra Pessoa – livre

Sarau
Boi da Cara Preta – ONG Bumbá Escola de Formação Artística
30/11 (quinta) – 20h – R$20 (inteira) / R$10 (meia)
No mês da celebração da consciência negra, a Bumbá leva ao público a força da arte negra feita por artistas de Salvador. Performances, poesias, documentário, danças e música, com o intuito de promover a valorização dos mais diversos cantos e periferias da cidade. 14 anos


Salvador e Cachoeira: Mostra de Cinema com filmes premiados em Cannes, Berlim e Roterdã


A Bela da Tarde (1967) com Catherine Deneuve

Filmes premiados nos mais importantes festivais do mundo serão exibidos pela primeira vez em Salvador e Cachoeira (Recôncavo Baiano) na XIII Panorama Internacional Coisa de Cinema  A mostra reúne sete longas-metragem e treze curtas produzidos nas Américas, Ásia, Europa e África entre 2016 e 2017. As sessões acontecem entre os dias 8 e 15 de novembro, no Espaço Itaú de Cinema Glauber Rocha (Salvador) e no Cine Theatro Cachoeirano (Cachoeira).  .

Contemplado com o Prêmio Especial do Júri, Rei (Rey), de Niles Atallah, é um dos longas selecionados. Uma coprodução Chile/França/Holanda/Alemanha, o filme traz um fictício explorador francês que se dedicou a conquistar a Patagônia, no século XIX. A mostra traz também o vencedor do Europa Cinemas Label do Festival de Cannes, A Ciambra, de Jonas Carpignano. Produzido por uma parceria Itália/Alemanha, o filme mostra um adolescente colocando sua maturidade à prova em uma pequena comunidade romana.

A seleção de longas se completa com o argentino O Inverno (El Invierno), de Emiliano Torres; o português Luz Obscura, de Susana de Sousa Dias; o espanhol A Mão Invisível (La Mano Invisible), de David Macián; o holândes Um Lugar Tranquilo (Hier Is het Nooit Stil), de Sjoerd Oostrik; e Medea, de Alexandra Latishev Salazar, uma coprodução Costa Rica/Chile/Argentina.

Entre os curtas da mostra estão Saudações de Aleppo (Greetings From Aleppo), de Issa Touma, Floor van der Meulen e Thomas Vroege. Premiada no Festival de Roterdã, essa produção holandesa documenta histórias de pessoas comuns que permanecem na cidade síria. Entre os premiados estão ainda o argentino Centauro, de Nicolás Suárez, um faroeste greco-crioulo, contemplado com menção especial no Festival de Berlim; e o chinês Uma Noite Suave (A Gentle Night), de Qiu Yang, uma ficção premiada em Cannes, que traz uma mãe que se recusa a desistir da procura por sua filha desaparecida.

A seleção inclui os portugueses Penúmbria, de Eduardo Brito; Altas Cidades de Ossadas, de João Salaviza; e Farpões Baldios, de Marta Mateus; e os franceses After School Knife Fight, de Caroline Poggi e Jonathan Vine; Vovô Morsa (Grandpa Walrus), de Lucrèce Andreae; As Ilhas (Les Îles), de Yann Gonzalez.

Completando a mostra estão o tailandês Morte do Técnico de Som (Death of the Sound Man), de Sorayos Prapapan; o senegalês Terça-feira de Nder (Talaatay Nder), de Chantal Durpoix; o espanhol Cucli, de Xavier Marrades; e Uma Breve História da Princesa X (A Brief History of Princess X), de Gabriel Abrantes, uma coprodução Portugal/França/Reino Unido.

                       Sessão especial “A Mulher no Cinema”

Cineasta Agnes Varda

A Mulher no Cinema é uma das sessões especiais programadas para o XIII Panorama Internacional Coisa de Cinema. Serão exibidos o longa Cinéast(e)s, de Julie Gayet e Mathieu Busson, que entrevista diretoras para debater a participação feminina na produção cinematográfica; e o curta Histórias Maternas (Histoires Maternelles), de Anouk Dominguez-Degen, que explora as nuances dos instintos maternos. “Nossa proposta é criar um espaço de reflexão sobre o lugar da mulher no cinema”, explica a cineasta Marília Hughes, coordenadora e curadora do Panorama.

A programação inclui outras duas sessões especiais. A primeira delas irá exibir Zama (2017), de Lucrécia Martel, longa que traz a saga de um oficial da Coroa Espanhola nascido na América do Sul. Cansado de esperar pela tão desejada transferência, ele acaba partindo em busca de um bandido perigoso. A segunda sessão será com A Negação do Brasil (2000), de Joel Zito Araujo, que analisa o papel dos atores negros na história da telenovela.

A sessão Cineclube Walter da Silveira realiza a primeira exibição da cópia restaurada de A Grande Cidade (1966), em Salvador. Dirigido por Cacá Diegues e protagonizado por Anecy Rocha, irmã de Glauber Rocha, o filme mostra uma nordestina que vai para o Rio de Janeiro em busca do noivo e descobre que ele se tornou um temido assaltante.

                       Clássicos de David Lynch, Bergman e Buñuel

Cidade dos Sonhos, de David Lynch (2001)

Diretores que marcaram a história do cinema mundial terão filmes icônicos exibidos no Coisa de Cinema, David Lynch, Ingmar Bergman, Luis Buñuel, John Cassavetes e outros cinco cineastas integram a Mostra Clássicos, com obras realizadas entre 1928 e 2001.

Após o término da terceira temporada de Twin Peaks e a breve passagem do documentário David Lynch: A vida de um artista pelos cinemas de Salvador, Lynch será representado por Cidade dos Sonhos (2001), filme que lhe rendeu o prêmio de melhor diretor em Cannes. Acompanhada por um guia para “decifrar” sua trama, na época do lançamento, a obra é “ambientada no universo irreal de Los Angeles”, com uma “mistura desconfortável de inocência e corrupção, amor e solidão, beleza e depravação”, como descreve a sinopse.

Outra produção que desafia o espectador é Persona (1966), do sueco Ingmar Bergman. O filme mostra uma atriz que perde a fala durante uma apresentação teatral e é internada em uma clínica psiquiátrica. Seguindo orientações médicas, ela se isola em uma ilha sob os cuidados da enfermeira Alma, o que dá início a uma relação com intimidade crescente, estabelecendo trocas de identidade.

Premiado no Festival de Veneza e protagonizado por Catherine Deneuve, A Bela da Tarde (1967) traz o cinema de Luis Buñuel para a mostra. Na trama, uma jovem dona de casa tenta conciliar suas fantasias com o cotidiano ao lado do marido. Ela começa a trabalhar eventualmente em um bordel secreto, usando o pseudônimo de “bela da tarde”. No entanto, o surgimento de um cliente possessivo faz com que tente voltar à sua vida normal.

Uma figura feminina também está no centro da trama de Uma Mulher sob Influência (1974), de John Cassavetes. No filme, Mabel é uma dona de casa em constante desequilíbrio emocional, o que começa a afetar a vida dos seus filhos. Quando ela é internada, o marido precisa assumir o controle da casa.

A mostra se completa com A Colecionadora (1967), de Eric Rohmer; O Martírio de Joana D’Arc (1928), de Carl Th. Dreyer; Cesar e Rosalie (1972), de Claude Sautet; Cidadão Klein (1976), de Joseph Losey; e Memórias do Subdesenvolvimento (1968), de Tomás Gutiérrez Alea.

Homenagem a Guido Araújo e Luiz Paulino
Falecido em setembro deste ano, o cineasta Guido Araújo será homenageado no XIII Panorama Internacional Coisa de Cinema, com a exibição de dois episódios da série O Senhor das Jornadas, dirigida por Jorge Alfredo. Criador da Jornada Internacional de Cinema da Bahia (1972 – 2012), Guido dirigiu diversos documentários focados no interior da Bahia, como Maragogipinho, Feira da Banana, A Morte das Velas do Recôncavo, Lambada em Porto Seguro e Raso da Catarina.

Índios Zoró – Antes, Agora e Depois? (2016)

O Panorama exibe o primeiro e o último dos cinco episódios de O Senhor das Jornadas. A série começa resgatando a vida de Guido em Castro Alves, cidade natal do cineasta, sua chegada a Salvador e a passagem pelo Rio de Janeiro; e termina focando na produçao de curtas e nas memórias das Jornadas de Cinema. As sessões acontecem nos dias 13 (17h50) e 14 (19h) no Espaço Itaú de Cinema Glauber Rocha, sede do festival.

Outros dois cineastas brasileiros falecidos este ano serão homenageados no XIII Panorama: o baiano Luiz Paulino dos Santos e o gaúcho Geraldo Moraes. Paulino também era ator e interpretou o peregrino em O Homem que não dormia, do amigo Edgard Navarro. O festival vai exibir seu último trabalho como diretor, o documentário Índios Zoró – Antes, Agora e Depois? (2016), no dia 9/11, às 16h, na sede do Panorama, e dia 10/11, às 15h, na Sala Walter da Silveira.

A obra de Geraldo estará representada por A Difícil Viagem (1981), o primeiro longa da sua carreira, que será exibido dia 10/11, às 15h25, no Espaço Itaú de Cinema Glauber Rocha. O cineasta foi Secretário do Audiovisual do Ministério da Cultura, na década de 1990, e coordenou a regulamentação da Lei do Audiovisual, publicada em 1993.

O XIII Panorama Internacional Coisa de Cinema acontece de 8 a 15 de novembro, em Salvador e Cachoeira, com patrocínio da Petrobras; apoio financeiro do Governo do Estado da Bahia, através do Fundo de Cultura; e apoio institucional da Prefeitura de Cachoeira.

XIII Panorama Internacional Coisa de Cinema
Quando: 08 a 15 de novembro
Onde: Espaço Itaú de Cinema Glauber Rocha / Cine Theatro Cachoeirano
Preço: Salvador: R$ 10,00 (inteira)/ R$ 5,00 (meia) avulso – R$ 40,00 passaporte com 10 ingressos
Cachoeira: Gratuito
Programação completa: http://coisadecinema.com.br/xiii-panorama/

 

 


Lauro de Freitas: festival com shows da BaianaSystem, Planet Hemp, Cone Crew, Projota, Raimundos, Gabriel o Pensador e Maneva


O Bahia StreetArt Festival tem arte de rua, promovendo a cultura do skate e hip hop, e shows no primeiro e segundo dia do evento de 19 a 26 de novembro. Na abertura, 19, tem apresentação da banda BaianaSystem, Planet Hemp, Cone Crew, Onze:20 e Massa Sonora ,  e no final, 26, se apresentam Projota, Raimundos, Rael, Gabriel O Pensador e Maneva,conta ainda com apresentação deno dia 19 a 26  de novembro, no Kartódromo Ayrton Sena em Ipitanga, Lauro de Freitas – em Lauro de Freitas.

​ O Bahia Street Art Festival não se resume a música e nem a apenas um dia. Durante uma semana, de 19 a 26 de novembro, no kartódromo de Lauro de Freitas, o evento terá campeonato de skate (o Brasileiro de Street e um Desafio Internacional de Vertical), shows, oficinas de Break, Graffit, Dj, Rima, Batalha de Mc’s, Batalha de Break, apresentações de grupos locais etc.

Os shows principais são na abertura e encerramento do evento. No dia 19, se apresentam Planet Hemp, BaianaSystem, Cone Crew, Onze:20 e Massa Sonora – Kartódromo de Lauro de Freitas (15h) e no dia 26, acontecem shows de Projota, Raimundos, Rael, Gabriel O Pensador e Maneva.

O festival aposta forte no rap, com nomes de destaque nacional, como Projota, Rael e Cone Crew, mas vai abrir espaços para nomes do estilo da cidade de Lauro de Freitas. Outro destaque são dois nomes fortes do rock pop nacional dos anos 90, Planet Hemp e Raimundos.

Quando: 19 a 26 de Nov (Domingo)
Horário: Abertura dos portões 15h
Local: Kartódromo Ayrton Sena
Endereço: Ipitanga, Lauro de Freitas – BA
Censura: 16 anos
Valor Ingressos:
​*​Pista Inteira R$ 50,00 e Pista Meia R$ 25,00
​*​Pista Passaporte R$ 80,00 (passaporte com acesso pista para show dia 19/11 e show dia 26/11)
​*​Kit Promocional R$ 120,00 (boné e copo exclusivo do evento, acesso a área Vip só para convidados).

PONTOS DE VENDAS:
Ticket Mix; Balcões de ingressos; Balcões Pida; Lojas South; Lojas Chilli Beans; Top Trip; Centralmix (Feira de Santana-BA); Globo Fest (Santo Antôniode Jesus-BA); Eba Ingressos (Jequié –BA); Chico Tuor (Camaçari-BA); Baú UNIFACS (Salvador-BA); Vivaz (Valença-BA); Via aplicativo (APP Safeticket)

​*


Teatro, dança, oficinas e muita brincadeira para crianças de todas as idades


Foto divulgação

Atividades ocorrem durante todo o mês de outubro na Caixa Cultural Salvador: espetáculo teatral, oficinas de música, circo, artes visuais e inicialização musical, tendo como público alvo diferentes faixas etárias, que vão do 0 aos 16 anos em celebração ao Dia das Crianças. É uma programação cultural de tirar o fôlego e que se estende do dia 6 ao dia 29 de outubro.

As atividades englobam
O destaque da programação fica por conta do espetáculo “Victor James – o Menino que Virou Robô de Videogame”, uma peça que une teatro, mímica e humor. As apresentações ocorrem de 12 a 15 de outubro (quinta-feira a domingo) e também nos dias 21 e 22 do mesmo mês (sábado e domingo), sempre às 15h. No dia das crianças (12) e no sábado (21), ocorrerão sessões extras, às 17h.

Os ingressos para Victor James serão vendidos a partir das 9h do primeiro dia de apresentação, para todas as sessões de cada semana: quinta-feira (12) e sábado (21). As demais atividades são gratuitas e promovidas pelo projeto Gente Arteira. Para se inscrever nas oficinas, basta chegar com uma hora de antecedência ao início de cada atividade. A Caixa Cultural Salvador está localizada na Rua Carlos Gomes, 57, Centro.

Para Bebês e Mamães:

Foto divulgação Rodrigo Gil e Carita Brandão

Os pais de crianças de até 3 anos contam com duas alternativas na programação do mês das crianças. Nos dias 7 e 21 e outubro (sábados), das 15h às 16h, acontece o projeto Caixinha Musical, no qual o grupo Canela Fina ensina aos pequeninos, os primeiros passos na música. O projeto acontece quinzenalmente, aos sábados, na Caixa Cultural. Já nos dois últimos domingos do mês, o projeto Dança Materna põe mamães ou papais dançando em conjunto com seus bebês. A Dança Materna ocorre nos dias 22 e 29 de outubro, às 9:30, para bebês de colo ou engatinhantes, e às 11h para bebês andantes, de até 3 anos.

Foto divulgação Igor Solares

Oficinas Gente Arteira I:
A equipe de arte-educadores do projeto educativo Gente Arteira também preparou oficinas especiais para o mês de outubro e, nos domingos, oferece oficinas de produção de Fantoches de Meia. As atividades ocorrem nos dias 8, 15, 22 e 29 de outubro, das 14:30 às 16h, para crianças de 10 a 16 anos. Já nos sábados entre dos dias 14, 21 e 28 de outubro, a equipe do Gente Arteira ministra a oficina de Flauta Doce para Crianças, sempre às 15h, com indicação para pessoas com idade entre 5 e 7 anos.

Oficinas Gente Arteira II:
No dia das crianças (12), os pequeninos também poderão se divertir com a Oficina Dia de Circo, que leva o universo e a aprendizagem do circo para crianças. A atividade ocorre também nos sábados (14, 21 e 28), sempre em dois horários, às 10h e 12h.

Victor James… em foto divulgação de Mariana Rocha

Nos dias 14 e 28 de outubro (sábados), das 14h às 17h, o Gente Arteira também promove a oficina de Percussão Para Crianças e Adolescentes. Nela, o músico Joker Guiguio ensina os primeiros passos em percepção musical, para crianças com idade entre 7 e 14 anos. Já nos dias 15, 22 e 29 de outubro (domingos), das 15h às 17h, acontece a Oficina de Contação de Histórias, indicada para a faixa etária de 4 a 12 anos.

Mês das Crianças na Caixa Cultural Salvador
Período: de 6 a 29 de outubro de 2017
Horário: variado
Local: Caixa Cultural Salvador – Rua Carlos Gomes, 57, Centro – Salvador (BA)
Informações: (71) 3421-4200
Classificação indicativa: variada

Teatro: Victor James – o Menino que Virou Robô de Videogame
Período: de 12 a 15 de outubro e nos dias 21 e 22 de outubro
Horário: às 15h. Nos dias 12 e 21 de outubro, serão realizadas sessões extras, às 17h.
Ingressos: R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia)
Bilheteria: os ingressos serão vendidos a partir das 9h do primeiro dia de apresentação, para todas as sessões de cada semana: quinta-feira (12) e sábado (21)
Classificação indicativa: livre

Oficinas Infantis do Anima Mundi
Período: de 6 a 8 de outubro
Horário: Oficina de Massinha: sexta (6) e no sábado (7), das 13h às 19h; Oficina Pixilation: sábado (7) e domingo (8), 13h às 19h.
Valor: gratuito
Inscrições: serão ofertadas turmas rotativas, a cada intervalo de 30 minutos, cada uma com capacidade para 20 pessoas.
Classificação indicativa: a partir de 8 anos, para a Oficina de Massinha e a partir de 6 anos, para a Oficina Pixilation.

Oficinas Gente Arteira 
Período: de 8 a 29 de outubro
Horários:
– Caixinha Musical: 7 e 21 e outubro (sábados), das 15h às 16h;
– Fantoches de Meia: 8, 15, 22 e 29 de outubro (domingos), das 14:30 às 16h;
– Dia de Circo: 12, 14, 21 e 28 de outubro (sábados), às 10h e 12h;
– Flauta Doce: 14, 21 e 28 de outubro (sábados), às 15h;
– Percussão Para Crianças e Adolescentes: 14 e 28 de outubro (sábados), das 14h às 17h,
– Contação de Histórias: 15, 22 e 29 de outubro (domingos), das 15h às 17h.
– Dança Materna: 22 e 29 de outubro (domingos), às 9:30, para bebês de colo ou engatinhantes, e às 11h para bebês andantes, de até 3 anos;
Valor: gratuito
Inscrições: 1 hora antes do início de cada atividade
Classificação indicativa: variável


Musical infantil homenageia grande escritor imortal “Suassuna – O Auto do Reino do Sol”


Um espetáculo que homenageia o escritor imortal Ariano Suassuna, um dos maiores escritores deste país. Ótima opção para os pais levarem seus filhos para que as crianças se familiarizem com a cultura do nosso país. O espetáculo Suassuna – O Auto do Reino do Sol estará em cartaz no dia 28 e 29 de outubro na Sala Principal do Teatro Castro Alves.

Com canções inéditas de Chico César, Beto Lemos e Alfredo Del Penho, estrelado pela companhia A Barca dos Corações Partidos, a mesma de “Gonzagão, A Lenda”, o musical “Suassuna – O Auto do Reino do Sol” será encenado na Sala Principal do Teatro Castro Alves, nos dias 28 e 29 de outubro, pelo projeto Catálogo Brasileiro de Teatro. Depois das temporadas de sucesso no Rio de Janeiro e São Paulo, a homenagem a Ariano Suassuna, que completaria 90 anos em 2017, traz na essência uma série de características do escritor paraibano. Suassuna (1927-2014) defendeu incansavelmente a brasilidade e a valorização da cultura nacional, ao mesclar a arte popular e o universo erudito em todas as suas obras.

Idealizadora deste tributo, a produtora Andrea Alves, da Sarau Agência, lançou o desafio para a companhia A Barca dos Corações Partidos e convidou três ilustres conterrâneos de Ariano para criar algo inédito, inspirado em seu legado e desenvolvido em um processo coletivo. O musical tem encenação de Luís Carlos Vasconcelos e texto de Bráulio Tavares.

Em 2007, a Sarau Agência realizou uma grande programação para festejar os 80 anos de Ariano e, desde então, foi criado um vínculo do escritor com Andrea, responsável por todas as montagens de A Barca dos Corações Partidos e por uma série de projetos que celebraram a arte brasileira nos últimos 25 anos. “Há algum tempo, Ariano me falou: ‘Não venha comemorar meus 85 anos, eu não vou morrer, quero que você festeje os meus 90!’. Naquele momento me senti condecorada e com uma grande missão pela frente”, conta a produtora.

Foto divulgação Marcelo Rodolfo

A ideia inicial surgiu em conversas de Andrea com Ariano, que se confessava um palhaço frustrado e que elegeu o palhaço de “O Auto da Compadecida” como um dos seus personagens prediletos. “Assim, surgiu a ideia de uma grande homenagem ao palhaço de Ariano e pensei na reunião d’A Barca dos Corações Partidos com o que eu chamo de ‘trio paraibano’. Assim foi sendo criada esta peça inédita, com músicas e texto originais, mas totalmente inspirada no legado de Ariano”, resume.

A escolha de Ariano Suassuna foi também coerente com toda a trajetória d’A Barca dos Corações Partidos, fiel defensora de um repertório nacional e de um teatro que privilegia o intercâmbio de linguagens. Recentemente, o grupo arrebatou os principais prêmios da temporada (Prêmio APTR de Melhor Espetáculo, Música e Produção; Prêmio Shell de Direção para Duda Maia; Prêmio Cesgranrio de Direção, Direção Musical e Espetáculo; Prêmio Botequim Cultural de Melhor Espetáculo Musical, Direção, Autor, Ator (coletivo de atores), Me) com “Auê” (2016), espetáculo construído apenas com músicas originais dos membros do grupo, responsáveis por utilizar no palco elementos de teatro, música, dança e performance.

O grupo se formou no processo de “Gonzagão – A Lenda” (2012), celebração de outro ícone nordestino, Luiz Gonzaga, e logo em seguida reviveu um clássico de Chico Buarque (“Ópera do Malandro”, 2014), ambos com direção de João Falcão. Chico César, Braulio Tavares e Luís Carlos Vasconcelos assistiram aos três trabalhos e aceitaram na mesma hora o convite para se unir nesta nova empreitada.

O texto e as canções do musical foram produzidos ao longo do processo de ensaios, que começou ainda no ano passado, quando o elenco fez uma série de oficinas circenses e também excursionou pelo Nordeste brasileiro no que foi chamado de “Circuito Ariano Suassuna”. Guiados por Dantas Suassuna, filho de homenageado, a trupe esteve em Casa Forte (Recife), conheceu a famosa Pedra do Ingá e visitou a fazenda de Taperoá (Paraíba). Entre muitas palestras e oficinas, o grupo se preparou para o intenso processo criativo, em que se reuniram por oito horas diárias e apenas uma folga semanal nos últimos quatro meses.

Neste período, Braulio Tavares idealizou a história central da montagem, centrada em uma trupe de circo-teatro e nos acontecimentos de uma noite de apresentação do grupo. O picadeiro de um circo é o cenário perfeito para aparecerem personagens de Ariano, como João Grilo e Chicó (“O Auto da Compadecida”) e outros conhecidos tipos da Literatura Clássica, além de servir como pano de fundo para as histórias dos integrantes da companhia fictícia.

“Suassuna – O Auto do Reino do Sol’” integra a 18ª Edição do Catálogo Brasileiro de Teatro, uma iniciativa da Fred Soares Produções, com patrocínio da Lojas Renner e Shopping da Bahia e patrocínio nacional da REDE , através da Lei Rouanet de Incentivo à Cultura.

Quando
28 de outubro (sábado), 21h
29 de outubro (domingo), 19h
Onde: Sala Principal do Teatro Castro Alves
Quanto:
1º LOTE – até 8 de outubro
R$ 100 (inteira) e R$ 50 (meia), das filas A a P
R$ 60 (inteira) e R$ 30 (meia), das filas Q a Z3
R$ 40 (inteira) e R$ 20 (meia), das filas Z4 a Z8
R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia), das filas Z9 a Z11
Desconto de 40% sobre a inteira para assinantes do Clube Correio*
2º LOTE – a partir de 9 de outubro
R$ 120 (inteira) e R$ 60 (meia), das filas A a P
R$ 80 (inteira) e R$ 40 (meia), das filas Q a Z3
R$ 50 (inteira) e R$ 25 (meia), das filas Z4 a Z8
R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia), das filas Z9 a Z11
Desconto de 40% sobre a inteira para assinantes do Clube Correio*
Classificação: Livre