Praia do Forte: Serenata no Tamar com Silvia Sol


A cantora em foto divulgação de Ian Rassari

Cantora, compositora e artista plástica com influências de Dorival Caymmi e Clara Nunes, Silvia Sol se apresenta neste sábado, dia 16, a partir das 20 horas na Serenata no Tamar. Artista desde que nasceu, tem seu próprio ritmo, repertório e projeto, “O canto do Mar”, que traz para a Bahia pela primeira vez, em única apresentação.

Valoriza os músicos de sua terra, Rio Grande do Norte, referenciando seus conterrâneos com “Ver de ser feliz” de Tico da Costa e “Olho d’água” de Yrahn Barreto. “O farol”, “Serenada” e “Ô maré” são canções autorais que o público confere nesta Serenata no  Tamar. Há 35 anos com o patrocínio da Petrobras, o Projeto Tamar  tem a música e a cultura como grandes aliados para levar para mais longe a mensagem da conservação das tartarugas marinhas. Silvia Sol vem somar forças na proteção aos oceanos e às tartarugas, com sua poesia, música e conexão com a natureza, principalmente com o que é do mar.

Serenata no Tamar – Completando dois anos de Serenata, todos os sábados, a partir das 20h00, o Projeto TAMAR proporciona uma noite à beira-mar, com o melhor da cozinha local e música de qualidade. A cada semana, uma apresentação musical acontece em tom aconchegante, em um ambiente ideal para estar com a família e amigos. Música, ciência e gastronomia para a conservação das tartarugas marinhas. Tudo Feito por Nós!

O Projeto Tamar começou em 1980 a proteger as tartarugas marinhas no Brasil. Com o patrocínio da Petrobras, por meio do Programa Petrobras Socioambiental, hoje, o Projeto é a soma de esforços entre a Fundação Pró- amar e o Centro Tamar/ICMBio. Trabalha na pesquisa, proteção e manejo das cinco espécies de tartarugas marinhas que ocorrem no Brasil, todas ameaçadas de extinção: tartaruga-cabeçuda (Caretta caretta), tartaruga-de-pente (Eretmochelys imbricata), tartaruga-verde (Chelonia mydas), tartaruga-oliva (Lepidochelys olivacea) e tartaruga-de-couro (Dermochelys coriacea).

Protege cerca de 1.100 quilômetros de praias e está presente em 25 localidades, em áreas de alimentação, desova, crescimento e descanso das tartarugas marinhas, no litoral e ilhas oceânicas dos estados da Bahia, Sergipe, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Ceará, Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo e Santa Catarina.

Evento: Serenata no TAMAR com Silvia Sol “O canto do Mar”.
Local: Espaço Cultural do Projeto TAMAR Praia do Forte, Mata de São João-BA
Data: Sábado, 16 de dezembro de 2017
Horário: Portões abrem às 20 horas
Funcionamento: até 01h com atendimento de Bar e Restaurante do TAMAR.
Ingressos: evento gratuito
Mais informações: Bilheteria (71) 3676-0321 / [email protected]


Lauro de Freitas: Caravana da Música apresenta samba chula


Do suingue da Caravana Black ao Samba Chula do Recôncavo com toda malemolência do samba de raiz, a 7ª parada da Caravana da Música será na Praça da Matriz, em Lauro de Freitas, no dia 16 de dezembro (sábado), às 16h. O projeto realizado e concebido pela Maré Produções Culturais, com patrocínio da Vivo, através do Programa Fazcultura, leva o Samba Chula de João do Boi para fazer uma grande roda no dia 16 de dezembro, às 16h, em Lauro de Freitas.

O Caravana da Música recebe em seu segundo ano, além dos outros sete artistas que já passaram nessa edição, Bando Velho Chico, Grupo Botequim, Lucas Santtana, que circularão pelos 3 últimos municípios. A chamada pública contou com a participação de 250 bandas e músicos, sendo avaliados por uma curadoria formada pelo jornalista Luciano Matos, os produtores culturais Luizão Pereira e Ivanna Souto. O projeto promete contribuir para difusão da produção artística do Estado, permitindo o deslocamento e interiorização dos artistas, chegando a praças em que nunca se apresentaram.

 

 

 


Domingo no TCA encerra 11º ano com espetáculo “De Um Tudo”


Peça dirigida por Fernando Guerreiro discute baianidade com músicas inéditas de Gerônimo na  Sala Principal do Teatro Castro Alves (TCA), dia 17 de dezembro, às 11h com ingressos a R$ 1,00 (inteira) e R$ 0,50 (meia), e são vendidos apenas no dia do evento, a partir das 9h, com acesso imediato ao teatro.

​Em mais um ano de sucesso e potencialização do público frequentador da Sala Principal do Teatro Castro Alves (TCA), o Domingo no TCA encerra 2017 com o espetáculo musical “De Um Tudo”, dirigido por Fernando Guerreiro. A peça discute a baianidade para além dos rótulos e, com muito humor, propõe uma reflexão sobre a linguagem, as heranças e os costumes do povo baiano. A sessão será no dia 17 de dezembro, às 11h. Os ingressos custam R$ 1,00 (inteira) e R$ 0,50 (meia), e são vendidos apenas no dia do evento, a partir das 9h, com acesso imediato ao teatro.

Para representar este “modus vivendi” baiano, Guerreiro escolheu um elenco de peso, como a cantora Ana Mametto – em sua estreia como atriz –, Alexandre Moreira, Denise Correia, Diogo Lopes Filho, José Carlos Júnior e o cantor e compositor Gerônimo Santana, que também criou as músicas inéditas da produção. “Este é um trabalho de reconhecimento da nossa maneira de ser e reflexo de uma baianidade construída a partir de Jorge Amado, Caribé, Caymmi e também de todos nós”, ressalta o ator Diogo Lopes Filho. Assinam o roteiro Alan Miranda e Daniel Arcades (reconhecido como Melhor Autor no Prêmio Braskem de Teatro 2017), livremente inspirados no livro “Dicionário de Baianês”, de Nivaldo Lariú. A direção musical é de Yacoce Simões, que é ainda responsável pelos arranjos e execução das músicas.

O cenário, por Euro Pires – também criador do figurino –, reproduz e resgata um lugar tipicamente baiano: as coloridas barracas de festas populares. A direção coreográfica é de Rita Brandi e a iluminação, de Fernanda Paquelet. “De Um Tudo” é uma realização da Via Press Comunicação e Eventos com parceria de Paula Hazin e produção executiva de Rodrigo Almeida.

Domingo no TCA – O Domingo no TCA é uma iniciativa do Teatro Castro Alves, equipamento vinculado à Fundação Cultural do Estado da Bahia (Funceb) e Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (SecultBA), que se compromete em ampliar e diversificar o seu público frequentador, oferecendo-lhe acesso a espetáculos qualificados, das mais diversas linguagens artísticas. Ao longo de 11 anos e mais de 100 edições, o projeto engloba apresentações de música, teatro, dança, circo, cinema, de variados estilos e proposições estéticas, da Bahia, do Brasil e do mundo.

Domingo no TCA apresenta: “De Um Tudo”
Espetáculo musical
Onde: Sala Principal do Teatro Castro Alves
Quando: 17 de dezembro (domingo), 11h
Quanto*: R$ 1,00 (inteira) e R$ 0,50 (meia)
* Vendas somente no dia, a partir de 9h, com acesso imediato do público.


Exposição e espetáculo teatral movimentam a CAS


Exposição Varal das Memórias em foto divulgação de Leonardo Pastor

O Grupo de Teatro Finos Trapos residente da Casa de Artes Sustentáveis – CAS realiza exposição Varal das Memórias – ano II e o espetáculo teatral Mós Aí Quê, durante o mês de  dezembro e janeiro. O grupo que está desde março realizando atividades de forma interrupta, no interior da Bahia e em Salvador e visa celebrar a nova fase do coletivo na atual sede da CAS, no Largo Dois de Julho.
Até o dia 31 de janeiro de 2018, o público terá acesso à exposição fotográfica, Varal das Memórias – ano II que retrata momentos de bastidores, espetáculos, ações de formação e projetos executados e idealizados pelos integrantes do Grupo de Teatro Finos Trapos. Sendo uma oportunidade para celebrar a vida, a permanência, os sabores e dissabores deste fazer e os aprendizados. A exposição já esteve no ano de 2016 no Espaço Xisto Bahia e no Teatro Gamboa Nova e no ano de 2017 circulou por cinco cidades do Estado da Bahia.

Na abertura da exposição, o público presente terá oportunidade de prestigiar gratuitamente a produção musical do grupo Kiki e os Amores Clandestino, que dialoga com o mundo subjetivo dos intérpretes, que é transpassado pelas culturas LGBTQ, afro-brasileira e pela necessidade dos corpos estarem à luz, dando visibilidade aos (des)afetos e urgências.

Espetáculo Mós Aí Quê em foto divulgação de Leonardo Pastor

Ainda como ação integrante do projeto de Ocupação da CAS será encenado no dia 14,15 e 16 de dezembro, às 19h, o espetáculo Mós Aí Quê. A trama se passa no interior de uma companhia de teatro, que em crise, revisita seus antigos trabalhos em busca de uma nova e inspiradora história para ser encenada e trazer outro fôlego para os artistas que trabalham juntos a longa data.

Determinados, João das Dores – o dramático, Zé Galhofa – o cômico e Armando Trama – o Poeta buscam em seus imaginários criativos motivações para superar as dificuldades e, a partir do mosaico de seus espetáculos de repertório, o grupo encontra a sua obra-prima. Mós Aí Quê é indicado para pessoas a partir de 16 anos e possui 60 min de duração, R$ 10,00 (inteira) e R$ 5,00 (meia).

O Grupo Finos Trapos trabalha no desenvolvimento continuado de repertório de espetáculos e realização de atividades de pesquisa, produção de eventos culturais e fomento das Artes Cênicas na Bahia. Seu teatro contemporâneo com sotaque regional fundamentado na filosofia do trabalho em grupo e no imaginário da cultura de tradição popular nordestina já possui reconhecimento de público e crítica registrado nas indicações a Prêmios e aprovações em Editais Públicos Estaduais e Nacionais. Fazem parte do Fino Repertório os espetáculos: “Sussurros…” (2004), “Sagrada Folia” (2005), “Sagrada Partida” (2007), “Auto da Gamela” (2007), “Gennésius – Histriônica Epopéia de um Martírio em Flor” (2009), Berlindo (2011) e “O Vento da Cruviana” (2014), “Mós Aí Quê” (2016).

Exposição Varal das Memórias │ Espetáculo teatral Mós Aí Quê
Quando: Exposição Varal das Memórias –até 31 de janeiro de 2018, das 16h às 20h. │ Espetáculo teatral Mós Aí Quê – 14, 15 e 16 de dezembro, às 19h.
Quanto: Exposição Varal das Memórias – Gratuito │ Espetáculo: Mós Aí Quê – R$ 10,00 (inteira) / R$ 5,00 (meia)
Onde: Casa de Artes Sustentáveis – CAS, localizada na Rua Democrata, nº 21, Dois de Julho.
Classificação: Exposição Varal das Memórias – livre │ Espetáculo: Mós Aí Quê – 16 anos


Balé Teatro Castro Alves estreia “Urbis in Motus”


Fotos divulgação de Fábio Bouzas

 “Urbis in Motus”, um projeto multimídia que une dança, vídeo e intervenção urbana para discutir racismo, LGBTfobia e misoginia em espaços públicos da cidade tem sua estreia em uma temporada de quatro apresentações que iniciou na Esplanada da Concha Acústica do Teatro Castro Alves (TCA), no dia 30 de novembro, seguindo para o Museu de Arte Moderna da Bahia (MAM-BA), em 1º de dezembro, Forte de Santo Antônio Além do Carmo, em 7 de dezembro, e finalizando mais uma vez na Esplanada do TCA, no dia 8 de dezembro, sempre às 19h e livremente aberta ao acesso do público.

Companhia pública de dança da Bahia, o Balé Teatro Castro Alves (BTCA) se posiciona nos tempos contemporâneos e estreia um projeto artístico que, aliando tecnologia, redes informacionais e audiovisual, desenvolve temas urgentes que resguardam a diversidade e mobilizam lutas de minorias sociais.

“Urbis in Motus” resulta de um processo criativo em dança que engajou os dançarinos em reflexões continuadas a respeito de racismo, LGBTfobia e misoginia. Em cena, o público presenciará a interação de performance e coreografia ao vivo, videomapping e intervenção urbana, em circulação em espaços públicos de Salvador, incorporando assim também pensamentos a respeito de cidade, ocupação, patrimônio histórico-cultural e memória.

Flexa II

 

“Urbis in Motus” (“cidade em movimento”, em latim) é uma proposição de David Cavalcanti (VJ Gabiru) juntamente com o diretor artístico do BTCA, Antrifo Sanches, e a assessora artística da companhia, Dina Tourinho, com o suporte do Núcleo de Pesquisa do Balé. Dois artistas-pesquisadores foram convidados para desenvolver as coreografias com a companhia: os professores da Universidade Federal da Bahia (UFBA) e diretores teatrais Djalma Thürler, instigado pelas questões de LGBTfobia, e Meran Vargens, com o tema da misoginia. Já a pauta do racismo será abordada em um videodança, exibindo um solo do bailarino Renivaldo Nascimento (Flexa II).

Para este trabalho coletivo e reflexivo, o BTCA e sua equipe, diretores e coreógrafos, assim como os criadores do figurino e da trilha sonora, atuaram de forma dialógica por um período de três meses, desde o último mês de agosto. Questionar intolerâncias e acionar diferentes linguagens artísticas para expressar poeticamente a defesa das liberdades foram os guias desta produção.

Urbis in Motus – Balé Teatro Castro Alves
Concepção: David Cavalcanti (VJ Gabiru), Antrifo Sanches e Dina Tourinho
Direção Coreográfica: Djalma Thürler, Meran Vargens e Renivaldo Nascimento (Flexa II)
Locais e datas:
= Esplanada da Concha Acústica do Teatro Castro Alves (TCA)
30 de novembro (quinta-feira)
= Museu de Arte Moderna da Bahia (MAM-BA)
1º de dezembro (sexta-feira)
= Forte de Santo Antônio Além do Carmo
7 de dezembro (quinta-feira)
= Esplanada da Concha Acústica do Teatro Castro Alves (TCA)
8 de dezembro (sexta-feira)
Horário: Sempre às 19h
Classificação indicativa: 12 anos
Acesso livremente aberto público