Espetáculo “Noivas” no Sesi

O espetáculo “Noivas”, a estreia acontece no Teatro Sesi do Rio Vermelho, no dia de 8 março de 2017, em homenagem ao dia da mulher …


Mês do Artista Cênico no Gamboa

Em março, o Teatro Gamboa Nova comemora o Mês do Artista Cênico, com uma programação teatral para todos os públicos. Um dos destaques é a …


Nara Couto – Linda e Preta

O show “Linda e Preta”, no Teatro Vila Velha, é o segundo espetáculo da cantora Nara Couto em carreira solo. Sob direção cênica de Elisio …


Bola de Fogo volta ao ICBA


A mais nova obra autoral de Fábio Osório Monteiro,Bola de Fogo”, volta a cartaz, depois de uma bem-sucedida estreia, para uma dobradinha de saideira: nos dias 3 e 4 de março, às 18h30, com entrada franca. Antes, no dia 2 de março, das 17h às 20h, Osório monta seu tabuleiro e vende acarajé na Praça do Cacau do ICBA Uma coprodução do Goethe-Institut Salvador-Bahia com o Dimenti – ambiente de criação e produção cultural que tem no instituto um espaço estimulador e acolhedor dos seus variados projetos, representando a cena local na residência artística Vila Sul.

SINOPSE
Osório já foi lavador de carro, já foi professor de educação infantil, já foi guia turístico, já foi cadista, já foi motorista, já foi administrador, já foi babá, já foi ator, já foi produtor premiado, já foi dançarino, já foi intérprete em espetáculos internacionais, já fez participação em novela, já fez sexo com gente muito famosa, mas ainda assim não consegue pagar as contas. Osório transcende. Osório agora é baiana de acarajé.

Bola de Fogo” é uma performance que inaugura um novo momento da carreira de Fábio Osório Monteiro, que passa a atuar também como baiana de acarajé, devidamente registrada na Associação Nacional das Baianas de Acarajé e Mingau (ABAM). A obra busca relacionar o fato de Osório ser um artista atuante na cena contemporânea, tendo trabalhado com importantes artistas brasileiros e internacionais, e sua necessidade de subsistência diante da instabilidade dos tempos atuais.

BOLA DE FOGO
Tabuleiro montado: 2/3, 17h às 20h
Perfomance e quitutes: 3/3 e 4/3, 18h30
Onde: Goethe-Institut Salvador-Bahia/ICBA
(Av. Sete de Setembro, 1809, Corredor da Vitória)
Entrada franca
 
Ficha técnica
Criação e performance: Fábio Osório Monteiro
Colaboração: Leonardo França, Jorge Alencar e Neto Machado
Produção: Dimenti
Coprodução: Goethe-Institut Salvador-Bahia


Espetáculo musical na Casa XIV


Companhia de Dança Tradições em foto divulgação de Newton Soares

Inspirado nas imagens do fotógrafo e etnólogo franco-brasileiro, Pierre Verger, e do artista plástico argentino-brasileiro, Carybé, o espetáculo musical ‘Tradições de uma Bahia’ com nova temporada até 28 de março, às 19:30h, na Casa XIV, localizada na Rua Frei Vicente, nº 14, no Pelourinho, anexo ao Teatro XVIII, Centro Histórico de Salvador (CHS). Teve início dia 7 e apresentam-se ainda no dia 14, e após o Carnaval, nos dias 7, 14, 21 e 28 de março. A Casa XIV é uma das unidades imobiliárias do Estado administrada pelo Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (IPAC). Cedido contratualmente, o espaço está em constante movimento cultural e, por isso, integra o Projeto ‘Dei Valor’ do IPAC que dissemina boas ocupações de imóveis no Pelourinho, com atividades que movimentam o bairro.

Produzido pela Companhia de Dança Tradições, o musical é dirigido pelo bailarino Denys Silva e fica em cartaz na Casa XIV durante as terças-feiras de fevereiro e março, sempre às 19:30h. A atração traz roupagem contemporânea e utiliza recursos tecnológicos que permite ao público conhecer de maneira lúdica as obras desses artistas e a cultura baiana em geral. Segundo o diretor, as imagens são projetadas no cenário, durante o espetáculo, para proporcionar experiência estética e sensorial mais profunda.

BAIRRO VIVO – Simone Carrera, diretora da Sole Produções e coordenadora do espaço, lembra que a ocupação da Casa XIV é um dever. “Isso mantém o Pelourinho em movimento e deixa o bairro vivo”, diz. Ela explica que as manifestações culturais fazem com que a frequência aumente. “Grupos de diversas linguagens artísticas nos procuram para ensaios, oficinas e espetáculos”, relata. Com sua produtora, Simone também promove shows nos largos do Pelourinho, como o do cantor Gerônimo que acontece às terças-feiras no Largo Pedro Archanjo.

O produtor Alê Freitas comenta a importância da ação. “É um resgate e fortalecimento da cultura popular para não perdermos nossa identidade. Precisamos conhecer nossas origens”, comenta Alê. Dentre as atrações do espetáculo, ele destaca a beleza e a história dos orixás, rodas de capoeira, dança afro, puxada de rede, maculelê e samba de roda.

ÁREA TOMBADA – Graduado em dança moderna e balé clássico pela Fundação Cultural (Funceb), o coreógrafo Denys Silva fala do resgate das tradições. “Mesmo com tanta luta ainda sofremos preconceito, a falta de conhecimento faz com que surja intolerância. Precisamos alcançar a população via arte e cultura”, finaliza.

O projeto ‘Dei Valor!’ do IPAC dissemina boas ocupações. O IPAC administra 286 unidades imobiliárias no CHS, ou cerca de 2% do total de imóveis na área tombada pelo IPHAN. O restante de 98% pertence a particulares, outros órgãos e secretarias municipais e estaduais, além de congregações e irmandades da Igreja Católica.

Dias: Fevereiro  (14) e Março (07, 14, 21, 28).
Onde: Casa XIV – Rua Frei Vicente, nº 14, no Pelourinho, anexo ao Teatro XVIII, Pelourinho.
Horário: Às 19H30.
Ingressos: R$30 (inteira) R$15 (meia)


Multiplicidade de arte


Até dia 19/02, continua a programação de verão no Espaço Cultural da Barroquinha e Teatro Gregório de Mattos. Na pegada da multiplicidade de linguagens artísticas: teatro, dança, artes visuais e música, com formatos variados de atividades: exposições, apresentações, mostras, shows, festas e muito mais!

A Mostra Estreias com Nata em Solos – Seis Olhares Sobre o Mundo  encerra temporada no Espaço Cultural da Barroquinha com Rosas Negras, de Fabíola Júlia, dias 7, 8, 14 e 15/02 e no TGM com Mundaréu, de Thiago Romero, dias 3, 4 e 5/02.

A Exposição Fotográfica Passou Por Aqui – 2016, continua em cartaz na Galeria da Cidade – TGM que segue até dia 19/02, de terça a domingo, das 14 às 19h. A mostra traz registros fotográficos dos espetáculos e de diversos eventos que aconteceram no Barroquinha e no TGM ao longo de 2016, feitos por cerca de 15 fotógrafos do LabFoto – Facom/UFBA, um ano de programação intensa e diversificada, envolvendo as diversas linguagens artísticas e formatos variados de apresentação, como Teatro, Dança, Música e Circo.

A Mostra Retrô-Verão segue com retrospectivas de espetáculos que estrearam ou passaram pelos dois espaços em 2016 e coloca em cena a exposição fotográfica Passou Por Aqui, dando oportunidade a quem não viu os espetáculos ou quem já assistiu, prestigiá-los.

No Espaço Cultural da Barroquinha o Compadre de Ogum continua em cartaz nos dias 03 e 04, 10 e 11, fechando temporada dias 17 e 18, sempre às 19h. A adaptação da obra de Jorge Amado assinada por Edvard Passos, narra a história do biscateiro Massu das Sete Portas: um homem negro que, com a ajuda de amigos, organiza o batizado na igreja de seu filhinho “galego”. Espetáculo O Bobo, dias 10 e 11/02, às 19h. O ator, autor e diretor Caio Rodrigo explora as diversas faces, convenções e fronteiras do jogo teatral e da presença cênica, tem como mote o anúncio de um suicídio do ator. Cavando a sua própria sepultura, ele encontra um crânio/máscara do bobo. Antes de dar fim a sua vida, resolve vesti-la. A trama tem como forte inspiração o personagem Yorick, do clássico texto Hamlet, de William Shakespeare, mas também do personagem do bobo em Rei Lear, do mesmo autor.

Uma boa pedida para os dias 17 e 18/02 é Menu, que volta a envolver o público com um cardápio para lá de especial. O infanto-juvenil Paco e o Tempo também marca presença no palco do TGM, nos dias 12 e 19/02, encerrando a programação da Mostra.

O Música de Quinta de Verão agitou a Casa de Tio Greg em janeiro e volta nos dias 09 e 16/02, às 19h, com as performances irreverentes ainda mais irreverentes para ficar com a cara do verão soteropolitano, com muito axé, música e dança, incluindo os grandes hits do axé music, pagode e em cada edição, uma surpresa para o público.

  • Exposição Passou Por Aqui

O quê: Mostra fotográfica com registro de eventos e espetáculos nos TGM e no Barroquinha, durante o ano de 2016.

Quando: Abertura – 18/01, às 17h

  Visitação pública – de 19/01 a 19/02, de terça a domingo, das 14 às 19h.

Onde: Galeria da Cidade – Teatro Gregório de Mattos

Realização/Curadoria: FGM e LabFoto – Facom/UFBA

O quê: Imagem Falada – bate papo que integra a programação interativa entre fotógrafos e fotografados na exposição fotográfica Passou Por Aqui 2016, com registros de tudo o que aconteceu no TGM e Espaço Cultural da Barroquinha durante o ano de 2016

Local: Galeria da Cidade – Teatro Gregório de Mattos

Quando:  17/02, às 17h

Realização: FGM e LabFoto – Facom/UFBA

Apoio: Objetiva Fotos

Entrada gratuita

  • Mostra de artes cênicas Estreias do Nata em Solos – Seis Olhares Sobre o Mundo

 

  • Mostra Retrô-Verão

O que: O Compadre de Ogum

Quando: 03, 04, 10, 11, 17 e 18/02, às 19h.

Onde: Espaço Cultural da Barroquinha

Quanto: R$ 40,00 | 20,00

 

O quê: O Bobo

Quando: Dias 10 e 11/02, às 19h.

Onde: Teatro Gregório de Mattos

Quanto: R$ 20,00 | 10,00

 

O quê: Menu

Quando: Dias 17 e 18/02, às 19h.

Onde: Teatro Gregório de Mattos

Quanto: R$ 20,00 | 10,00

 

O quê: Paco e o tempo

Quando: Dias 12 e 19/02, às 19h.

Onde: Teatro Gregório de Mattos

Quanto: R$ 20,00 | 10,00

 

  • Música de Quinta de Verão

O quê: Shows e performances

Quando: 9 e 16/02, às 19h.

Onde: Teatro Gregório de Mattos

Quanto: R$ 20,00 | 10,00

 

 


Vasta programação no Gamboa


O Teatro Gamboa está com uma série de programações culturais gratuitas para todas as idades como teatro, música, cinema e exposição.

 

TEATRO
Xica – Coletivo das Liliths
03, 08, 09, 10/02 (qua, qui e sex) – 20h
Mais uma temporada do espetáculo que conta a história verídica de Francisco Manicongo, negro africano escravizado considerado a primeira travesti não-índia do Brasil, símbolo de luta e resistência de uma época.
CLASSIFICAÇÃO 14 ANOS
MUSICA
Um corpo no Mundo – Luedji Luna
04 e 05/02 – 20h sábado / 17h domingo
Projeto que dá nome também ao seu primeiro disco, traz como proposta o olhar da artista sobre si mesma a partir do contato com imigrantes africanos em São Paulo. É a busca de reconhecimento de si mesmo no outro, uma conexão com a ancestralidade para saber qual África a cantora carrega ou pode chamar de sua.
CLASSIFICAÇÃO LIVRE

Coração Selvagem – JosyAra e Giovani Cidreira
11 e 12/02 – 20h sábado / 17h domingo
Dois expoentes da nova música baiana, juntos no palco para recriar com personalidade as canções do cantor e compositor cearense Belchior, desde o seu lado rústico, até seu romantismo e visceralidade.
CLASSIFICAÇÃO LIVRE

Estreia Janaina para minha Mãe – Kiki e os Amores Clandestinos
15,16 e 17/02/2017 – 20h qua, qui e sex
Terceiro show da banda que revela lembranças maternais, referências femininas e a água que percorre os corpos, os registros e as memórias
CLASSIFICAÇÃO 14 ANOS

Novos Caminhos – Lalo Alemán
18 e 19/02 – 20h sábado / 17h domingo
Com seu violão e contrabaixo acústico o músico traz nas suas composições influencias dos ritmos populares da Argentina, Brasil e Uruguai, numa homenagem a alguns músicos destas terras.
CLASSIFICAÇÃO LIVRE

CINE GAMBOA
Clipe Luedji Luna
de até 19/02 (qua a dom) – GRATUITO
antes das apresentações com autorização das produções
Com direção e fotografia de Joyce Prado, o video traz a beleza do novo trabalho da cantora. Na tela, o urbano e o concreto de São Paulo que se sobrepõe aos corpos, suas texturas e grafismos exatos que se opõem aos movimentos orgânicos e fluidos do corpo,da música e da voz.

EXPOSIÇÃO
Varal de Memórias
até 19/02 (qua a dom) – GRATUITO
quarta a sábado das 16h às 20h / domingo das 15h ás 17h
Mais um mês para conferir a emocionante trajetória do Grupo Finos Trapos através de imagens de encontros, projetos e espetáculos

 


Riachão é tema de livro da cantora Vânia Abreu


 O sambista Riachão é a nova personalidade baiana homenageada pela coleção infanto juvenil Eu Vim da Bahia. O livro Eu e meu lugar, que marca a estreia da cantora Vânia Abreu como escritora, foi editado pela Caramurê Publicações e tem patrocínio da Braskem e do Governo do Estado da Bahia, através do Programa Estadual de Incentivo à Cultura, o Fazcultura.

A publicação terá noite de autógrafos, na quinta-feira (9/0​2​), às 19h, no estande da editora, no piso L1 do Shopping Barra. Além de tarde de autógrafos no domingo (12), a partir das 15h, no Mercado Iaô, na Ribeira. Nos dois momentos, o público contará com a presença do próprio Riachão.

O livro, ilustrado pelo artista plástico Mike San Chagas, não é uma biografia tradicional, pois mistura ficção e histórias da vida do sambista. A publicação foi impressa em Vitopaper®, papel sintético produzido a partir de plásticos reciclados pós-consumo, assim os demais livros da série. Com uma carreira consolidada na música, Vânia Abreu estreia como escritora homenageando o sambista Riachão e contando uma história que fala sobre a importância das pessoas conhecerem e se identificarem com a cultura e a história dos lugares onde vivem.

“A experiência de escrever Eu e meu lugar foi enriquecedora. Um convite literário que veio de encontro ao desejo de dizer outras coisas que não cabem na música e que haviam surgido junto ao trabalho musical que havia feito com Riachão”, explica a cantora. “Esse livro foi uma forma de mostrar meu amor por Salvador, meu respeito e admiração por Riachão e é também um novo lugar para o que sou hoje”, conclui.

Eu vim da Bahia

Eu e meu lugar é o sétimo livro da coleção Eu vim da Bahia, lançada em 2015 pela Caramurê Publicações. Os livros anteriores retratam personalidades como: Anísio Teixeira, Ana Nery, Castro Alves, Milton Santos, Theodoro Sampaio e Tia Ciata. “Após o lançamento desta coleção pudemos perceber o quanto é necessário o resgate dessas personalidades, que muitas vezes não tem o devido reconhecimento do grande público”, ressalta Fernando Oberlaender, editor da Caramurê Publicações.

Ele lembra, ainda, que os livros do Eu Vim da Bahia já foram adotados em várias escolas particulares e despertam no leitor a importância de valorizar a cultura do estado, que vai além do folclórico e do turístico. “Também o fato de ser impresso em plástico reciclado provoca no jovem uma consciência ambiental fundamental neste momento da humanidade”, afirma Oberlaender.

O gerente de Relações Institucionais da Braskem na Bahia, Hélio Tourinho, explica que faz parte da estratégia de atuação social da empresa o apoio à cultura e às artes, como forma de contribuição para o desenvolvimento humano. “Ao patrocinarmos a coleção infanto-juvenil Eu Vim da Bahia, a Braskem espera contribuir para expandir o acesso do público baiano às histórias de importantes personalidades do Estado, além de difundir a utilização do Vitopaper®, um papel inovador produzido a partir de plástico reciclado pós-consumo”, ressalta.

O quê? Lançamento do livro Eu e meu lugar, de Vânia Abreu

Coleção: Eu vim da Bahia

Noite de autógrafos: quinta-feira, dia 9/02, às 19h,

Local: estande da Caramurê Publicações, no Piso L1 do Shopping Barra

Tarde de autógrafos: domingo, dia 12/02, das 15 às 17h

Local: Mercado Iaô, na Ribeira

Páginas: 32

Valor: R$ 34,00

Vendas: No estande da Caramurê no Shopping Barra. Depois do lançamento nas livrarias da cidade.