Carnaval Ouro Negro lançado no Pelourinho

O tradicional carnaval dos blocos afro de Salvador, contemplado pela 14ª edição do edital Ouro Negro, foi lançado, no Pelourinho, com apresentação das 63 instituições …




Irmãos Macêdo celebram centenário de Osmar Macêdo


Divulgação

Em 2023 eles serão um Carnaval em cada esquina, vão balançar o chão da praça,  e nesta mistura serão a personificação do chame gente. Os Irmãos Macêdo comemoram o centenário de Osmar Macêdo tocando todos os dias de folia momesca, se dividindo entre os circuitos Dodô e Osmar.

A programação já começa no dia 12, no Furdunço. Na sequência abrem a festa de Momo na quinta-feira, dia 16 no Carro Fobica no Campo Grande. Na sexta-feira, dia 17, será a vez de apresentar o trabalho da escola de Música Irmãos Macêdo no mesmo circuito a bordo do mesmo carro. Projeto social idealizado por Aroldo Macêdo passa para novas gerações o repertório, a música de trio elétrico tocada na Guitarra Baiana.

No sábado, dia 18, é a vez do Fobicão ir para avenida. Esta será a única vez que o veículo desfilará no Campo Grande. De domingo, dia 19 a terça-feira, dia 21, a banda trieletrizada desfila na Barra Ondina. O carnaval é apenas uma parte da comemoração que seguirá por todo ano.

Em 22 de março de 1923, nascia Osmar Álvares de Macêdo, baiano soteropolitano, mais conhecido por ser um dos criadores do Trio Elétrico. Metalúrgico além do seu tempo, também é responsável por criações na construção civil.

Na construção civil, bolou, criou, inventou, construiu máquinas e ferramentas para todo tipo de obra assim como pontes, emissários submarinos, os CIEPS no Rio de Janeiro, Teatro Castro Alves, o metrô de Miami, indústrias do Centro Industrial de Aratu, dentre tantas outras obras importantes pelo Brasil.

Mesmo nas obras em que Osmar não estava, quando havia qualquer problema difícil de ser resolvido, o engenheiro responsável diziam logo: “chama Osmar”, chamado este que era logo atendido.

Osmar Macêdo, com sua mente criativa, passava da engenharia mecânica para a música com as mesmas maestria e criatividade, características que lhe eram peculiares, para compor, fazer arranjo, tocar nas gravações de discos e nos shows junto aos filhos, herdeiros do DNA musical do pai, percorrendo o Brasil e outros países.

Neste caminhar, os filhos sempre se apresentaram usando o nome Trio Elétrico Armandinho, Dodô e Osmar como forma de homenagear o pai Osmar e seu amigo Dodô. Osmar, Nosso Grande Noé, composição de Moraes Moreira em cordel, ressalta a genialidade de Osmar Macêdo.

A Banda Armandinho, Dodô & Osmar é sinônimo de tradição musical. Formada por Armandinho Macêdo (Guitarra Baiana), Betinho Macêdo (Baixo), Aroldo Macêdo (Guitarra Baiana) e André Macêdo (Vocal), todos os filhos de Osmar Macêdo, a banda é a própria história da música baiana e brasileira, renovada e contada por meio das canções que marcaram época e fizeram da Guitarra Baiana a primeira voz do carnaval baiano, e do Trio Elétrico. Formada em 1973, a banda Armandinho, Dodô e Osmar é a banda de Trio Elétrica mais antiga da história, mantendo a formação dos quatro irmãos.

O repertório é variado, privilegiando as canções gravadas em mais de 16 discos na carreira. Pombo Correio, Frevo do Trio Elétrico, Viva Dodô & Osmar, Vida Boa, Zamzibar e o hino Chame Gente são certezas em qualquer apresentação. Traz ainda clássico da música universal, como Bolero, de Maurice Ravel, Smooth, de Carlos Santana e Brasileirinho, de Waldir Azevedo, em versões trieletrizadas.

O Abadado, o abadá dado, é o projeto social do Trio Elétrico Armandinho, Dodô e Osmar no qual a camiseta é trocada por uma lata de leite em pó, que após o carnaval será entregue para instituições que cuidam de crianças e idosos. Lançado em 2003, o Abadado comemora 20 anos. Não é necessário o Abadado para pular com o Trio Elétrico Armandinho, Dodô e Osmar, uma vez que é um trio pipoca, trio sem cordas. Trata-se apenas de enfeitar a avenida com a camiseta, além de estar fazendo o bem.

Redes Sociais:

Facebook: @armandinhododoeosmar/
Instagram:@armandinhododoeosmar
Youtube: YT/armandinhododoeosmar


Carnaval do Olodum tem participação especial de Mateus Vidal e Narcizinho


Divulgação

No ano em que o Olodum conta um pouco da história da percussão com o tema “Tambores: A Batida do Coração – Caminhos da Eternidade” a banda terá duas participações especiais. Mateus Vidal e Narcizinho foram convidados para compor a ala de canto do bloco e da pipoca do Olodum, nos dias 17, 19 e 21 de fevereiro.

Esta não é a primeira vez que a banda tem convidados na folia momesca. Já estiveram no Carnaval da banda mais internacional da Bahia nomes como os ex cantores Pierre Onassis, Tonho Matéria e Marquinhos Marques, além de cantoras como Margareth Menezes e Daniela Mercury. “Este é um modelo que começamos em 2017, trazer bons nomes para iluminar ainda mais a nossa festa”, disse o vice-presidente Jorginho Rodrigues.

Em 2023, o Olodum apresentará no Carnaval um tema que irá resgatar a história do instrumento que eternizou a banda para o mundo. O tema vem com um resgate da história da utilização dos instrumentos percussivos, mais especificamente os tambores, com foco nos tambores de Ghana e cultura dos povos Ashanti.

O tema traça um paralelo com a utilização dos instrumentos na contemporaneidade e da função ainda potente em reunir pessoas e comunicar por meio do toque. O bloco tem sua saída na sexta-feira (17/02) no Pelourinho e na sequência no Campo Grande e no domingo (dia 19/02) no circuito Barra Ondina. O terceiro lote está disponível na Central do Carnaval.

A história do Bloco Afro Olodum:

O bloco mais lindo de se ver no carnaval baiano, o Olodum, foi criado em Salvador no bairro do Maciel – Pelourinho por um grupo de moradores em 25 de abril de 1979, numa época em que este bairro era marginalizado e discriminado pela população baiana.

O Bloco Olodum surge para ocupar um espaço da expressão cultural contemporânea do continente africano que no Estado da Bahia tem sua maior representação e expressividade. No início, os foliões do Olodum eram apenas moradores do Pelourinho que tinham como objetivo celebrar a herança cultural africana, considerando que a maioria da população Soteropolitana é descendente de africanos.

A partir da década de oitenta o Olodum tornou-se uma Organização não Governamental (ONG) do movimento negro brasileiro e desenvolve ações de combate à discriminação racial, estimula a autoestima e o orgulho dos afro-brasileiros, defendendo a luta dos direitos humanos na Bahia-Brasil.

A ação cultural do Bloco Olodum contribuiu e tem contribuído decisivamente para a revitalização do Centro Histórico de Salvador não só como um lugar de visitação turística, mas também como um lugar em que a educação revitaliza esperanças, como é o caso do Projeto Educacional da Escola Olodum que capacita, jovens e adolescentes em diversas áreas do conhecimento tais como, música percussiva, dança afro, informática, formação da cidadania e outros.

O Bloco que já homenageou países da África e as mulheres com temas como Deusas das Águas – rios, lagos e mares (2018), As Duas Histórias – O Perfume das Rosas e Olodum 40 Anos (2019) e Mãe, Mulher, Maria, Olodum – Uma História das Mulheres (2020) em 2023 levará às ruas o tema “Tambores – A Batida do Coração- Caminho da Eternidade”.

Agenda
O que é: Terceiro lote do Bloco Olodum
Local de vendas: Central do Carnaval
Lote: Vendas limitadas: https://vendas.centraldocarnaval.com.br/CompreAqui/Pacotes?cod_bloco=358

Redes Sociais
Instagram:@Olodum_oficial
Facebook:@olodum.oficial
Twitter:@olodum
YouTube: www.youtube.com/tvolodum


Targino Gondim terá trio no Carnaval de Salvador


Foto: Juliana Cardoso/ Usina de Fotos

O Carnaval é uma festa da diversidade. Tem espaço para todos os ritmos e é por isso que o sanfoneiro Targino Gondim se apresenta dois dias em Salvador e dois dias em São Paulo. Em Salvador o artista se apresenta no trio no sábado, dia 18 com um repertório que contempla nomes como Edson Gomes, Bob Marley, Gilberto Gil, Bell Marques e Asa de Águia, além de canções próprias e clássicas do forró.

Dentro do Projeto Targino sem limites o artista também faz show no palco de Cajazeiras, no dia 19. As apresentações contam com o patrocínio da Prefeitura de Salvador. No repertório canções como As Mangas Do Nosso Amor, Mãe Já, Esperando Na Janela, Vamos Fugir, Árvore,  Sala De Reboco,  Proibido Cochilar, Espumas Ao Vento, Do Jeito Que Seu Nego Gosta, No Woman No Cry, Frevo Mulher

No dia 20, segunda-feira o sanfoneiro se desloca para São Paulo onde se apresenta no Sesc de Osasco e na terça-feira, dia 21, parte para Piracicaba, no mesmo estado para fazer a festa em Praça Pública.

Dono de uma versatilidade artística, Targino Gondim vem ao longo dos anos experimentando vários ritmos. O Targino Sem Limites trabalho vem em conjunto com nomes como Zeca Baleiro, Ivete Sangalo, Carlinhos Brown, Fagner, Bell Marques.

Este ano, foi um dos concorrentes do Grammy Latino pelo segundo ano consecutivo.  Desta vez, o artista foi indicado com o Belo Chico. Em 2001, Targino Gondim venceu o Grammy Latino com a canção Esperando na Janela, que também ganhou a voz de Gilberto Gil e deu ao artista espaço no longo brasileiro “Eu, Tu, Eles”. Em 2004, Esperando na Janela foi à música mais executada no Brasil. Já em 2020 foi a vez do artista concorrer com Targino Sem Limites.

Targino Gondim – Tudo começou quando ainda era um menino em Juazeiro (BA), onde aprendeu a tocar sanfona e inspirado no maior ícone do instrumento, Luiz Gonzaga. Venceu o Grammy Latino 2001 (o Oscar da Música) com a canção de sua autoria Esperando na Janela, que também ganhou a voz de Gilberto Gil e deu ao artista espaço na longa brasileiro, “Eu, Tu, Eles”. Em 2001, lança pela Warner seu primeiro CD Nacional: Dance Forró Mais Eu, produzido por Roberto Sant’Anna, e com participação de Gilberto Gil.

Redes Sociais Targino Gondim
Instagram:@targinogondimoficial
Facebook:@targinogondimoficial/
Spotify: https://open.spotify.com/artist/06DyNLtCMLMWhuB5YtocAR
YouTube Targino na farra: https://www.youtube.com/watch?v=jQTNxZKPVEY&feature=youtu.be
YouTube: https://www.youtube.com/watch?v=pTCDqgcKdIM&list=PL_HGhfk_snV88i0rMC9zIFy7HIadp9BnE&index=1

 


Maria Rita se apresenta no Pré-Carnaval do Camarote Harém


A cantora Maria Rita está de volta a Salvador e vai participar do pré-Carnaval do Camarote Harém com seu show “Samba de Maria”. Será no dia 14 de fevereiro (terça-feira), dentro do Camarote Harém, localizado no Circuito Barra-Ondina, na ladeira do Morro do Gato.

Desde que lançou o álbum ‘Samba Meu’, em 2007, Maria Rita transita com imensa desenvoltura no universo do samba e hoje está consolidada como uma das grandes artistas do gênero. A partir desta ligação afetiva, a cantora criou o ‘Samba da Maria’, um projeto que vem percorrendo diversas cidades do Brasil e do mundo.

O repertório traz sucessos de sua discografia, como ‘Tá Perdoado’, ‘Maltratar Não é Direito’ e ‘Num Corpo Só’, além de clássicos imortalizados nas vozes de grandes nomes da música brasileira, como Beth Carvalho (‘Vou Festejar’), Jorge Aragão (‘Coisa de Pele’, ‘Lucidez’), Clara Nunes (‘Juízo Final’), Gonzaguinha (‘É’, ‘O Homem Falou’), Elis Regina (‘O Bêbado e a Equilibrista’) e Arlindo Cruz (‘O Meu Lugar’), entre outros.

Para compor essa grande festa, Maria Rita promete convidar grandes artistas da música baiana. A Diva Entretenimento, organizadora do Camarote Harém, é parceira na festa. Os ingressos podem ser adquirido através do site da Ticketmaker ou na sede da Diva Entretenimento, no piso L1 do Salvador Shopping.

Serviço:

“Samba da Maria” com Maria Rita e Convidados

Terça, 14 de fevereiro de 2023, a partir das 19 horas

Lote Promocional: R$180,00

Vendas: https://ticketmaker.com.br/event/samba-da-maria/e na Loja da DIVA no piso L1 do Salvador Shopping.

Classificação: 16 anos

Informações: (071) 98136-7184 (Diva)


Workshops de percussão e shows movimentam Largos do Pelourinho


Percussão do Bloco Ilê Aiyê/Divulgação

A programação dos Largos do Pelô começa nesta quarta-feira (01), com o Bahia Percussion Camp Workshop, no Largo Pedro Archanjo, das 10h às 18h, com entrada gratuita. O evento continua na sexta-feira (03), a partir das 15h, com uma mesa-redonda que contará com as participações de Mestre Mario Pam e Vinicius Minhoca, do Ilê Aiyê.

Ainda na sexta-feira (03) tem Samba Trator com os ‘Ensaios do Avassalador’, às 19h, no Largo Tereza Batista, com ingressos a R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia); no Largo Quincas Berro D’Água tem o show dançante de Lui, às 20h, com entrada gratuita; e no Largo Pedro Archanjo, Partido Populare recebe convidados no evento “Sextô do Pelô”, às 19h, também gratuit

No sábado (04) tem mais um workshop gratuito, com o Grupo Fogo Azul – NYC Workshop e participação de 25 percussionistas, no Largo Pedro Archanjo, às 10h. E ainda no sábado tem mais samba com o evento Samba Solidário, no Largo Pedro Archanjo, às 14h, e o ingresso é 01 kg de arroz + 01kg de feijão.

O samba continua no domingo (05) com o Catadinho do Samba, no Largo Pedro Archanjo, às 16h, com entrada gratuita; e o Ensaio do Bloco Amor e Paixão, no Largo Quincas Berro D’Água, às 15h, com ingressos a R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia).

Bahia Percussion Camp Workshop

Quando: Quarta-feira (01) e Sexta-feira (03) – 10h e 15h

Onde: Largo Pedro Archanjo

Quanto: Gratuito

Samba Trator ‘Ensaios do Avassalador’

Quando: Sexta-feira (03) – 19h

Onde: Largo Tereza Batista

Quanto: R$ 20 ( inteira) e R$ 10 (meia)

 

LUI – ‘Paraíso’

Quando: Sexta-feira (03) – 20h

Onde: Largo Quincas Berro D’Água

Quanto: Gratuito

 

Partido Popular & Convidados – ‘Sextô no Pelô’

Quando: Sexta-feira (03) – 19h

Onde: Largo Pedro Archanjo

Quanto: Gratuito
Grupo Fogo Azul – NYC Workshop com 25 percussionistas

Quando: Sábado (04) – 10h

Onde: Largo Pedro Archanjo

Quanto: Gratuito
Samba Solidário

Quando: Sábado (04) – 14h

Onde: Largo Pedro Archanjo

Quanto: 01 kg de arroz + 01kg de feijão

 

Catadinho do Samba

Quando: Domingo (05) – 16h

Onde: Largo Pedro Archanjo

Quanto: Gratuito

 

Ensaio do Bloco Amor e Paixão

Quando: Domingo (05) – 15h

Onde: Largo Quincas Berro D’Água

Quanto: R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia)