Lançamento de CDs com Ternos de Reis do Alto Sertão da Bahia


Terno Curral de Varas.Divulgação

O Projeto Antiquis realiza o lançamento digital da “Série Reisados” com três CDs que registram as canções entoadas pelos Ternos de Reis mais tradicionais e antigos localizados no Alto Sertão da Bahia. Os discos estarão disponíveis em todas as plataformas digitais a partir do dia 1º de abril. A iniciativa realiza ainda duas lives para falar sobre a riqueza e importância dos registros da memória do Reisado nos dias 02 e 03 de abril, através do youtube do Antiquis, que contará com a participação de integrantes dos reisados, pesquisadores da área de cultura e patrimônio e mediação de Anderson Cunha, produtor musical e idealizador do projeto.Os dois primeiros volumes já tinham sido lançados em mídia física e agora ganham versão digital. O primeiro apresenta o Terno de Reis de Dona Vande da Fazenda Boa Sorte (Caetité-Ba), único Terno da região totalmente formado por mulheres; o segundo traz um dos reiseiros mais antigos e respeitados da região, Seu Alziro de Morrinhos (Guanambi-Ba). O terceiro volume, ainda inédito, conta com o Terno de Reis centenário da comunidade de Curral de Varas, localizado também no distrito de Morrinhos.

Terno de Reis Dona Vande. Divulgação

Produtor musical e idealizador do projeto, Anderson Cunha explica que a intenção é ajudar a registrar essa tradição centenária que é toda construída na oralidade e passada por gerações dentro das famílias. “O reisado é um traço muito marcante da identidade cultural do Alto Sertão e que ainda resiste mesmo frente ao avanço tecnológico. Uma tradição religiosa que remonta de séculos atrás, trazida pelos imigrantes portugueses e espanhóis e que, chegando no sertão, incorporou elementos das culturas indígenas e africanas, resultando numa manifestação única”, ressalta o produtor.

O projeto tem apoio financeiro do Estado da Bahia através da Secretaria de Cultura e do Centro de Culturas Identitárias – CCPI (Programa Aldir Blanc Bahia) via Lei Aldir Blanc, direcionada pela Secretaria Especial da Cultura do Ministério do Turismo, Governo Federal.

Sobre “Série Reisados – trata-se de uma coleção de registros dos ternos de reis mais tradicionais e antigos do Alto Sertão Baiano. Cada álbum traz as apresentações que os ternos de reis fazem nas casas por onde passam visitando as comunidades nos festejos da festa de Reis durante as celebrações natalinas. São ladainhas e louvações em devoção ao Natal, músicas que atravessam gerações e sobreviveram até hoje na oralidade.

Terno de Reis Alziro.Divulgação

Sobre Antiquis- é uma organização independente que reúne profissionais de diferentes áreas para o estudo e registro da memória cultural do Alto Sertão da Bahia. As pesquisas têm por objetivo a busca de vestígios das tradições ancestrais que ainda resistem ao tempo, seu registro para consultas e, contribuir, no que for possível, para o esforço e a manutenção das manifestações culturais junto às suas comunidades.

O isolamento da região permitiu, ao longo das décadas, que as tradições populares – sua música, dança e poesia – fossem preservadas em boa parte de sua essência. Porém, com o tempo e influência da comunicação de massa, essas tradições correm o risco de desaparecer. Os projetos da Antiquis registram parte de uma cultura que ajudou a moldar a identidade do Sertão e permitem às próximas gerações o acesso a um universo antes escondido.

01/04: Lançamento dos 3 CDs em todas as plataformas digitais

02/04 | 19h: Live: Lançamento do Terno de Reis da Comunidade de Curral de Varas (Vol. III)⠀⠀
Convidados: Aloísio José e Dra. Sandra Célia Coelho | Mediação: Anderson Cunha

03/04 | 19h: Live: Dona Vande e Seu Alziro e o registro da memória do Reisado
Convidados: Zamana Brisa, Sabrina Alves | Mediação: Anderson Cunha

Lives serão transmitidas no canal do youtube: Antiquis

Acompanhe em:

Site: www.antiquis.com.br

Facebook: @antiquis.nucleo

Instagram: @antiquis.nucleo

Youtube: Antiquis

Ficha Técnica

Coordenação Geral – Anderson Cunha

Produção Lançamento Digital – Edmilia Barros

Designer – Pietro Leal

Coordenação de redes sociais – Tiana Dias

Assessoria de imprensa – Gisele Santana

Desenvolvimento Web – Fagner Barboza

 


Antigos carnavais e festas populares da Cidade Baixa em websérie


Um dos criadores do trio elétrico e da guitarra baiana, Osmar, parceiro de Dodô, nasceu na Ribeira, onde a Fubica foi montada. Foi também lá que a cantora Margareth Menezes nasceu, se criou e deu os primeiros passos na carreira. A Cidade Baixa também era palco da Levada do Jegue, além da icônica Festa do Senhor do Bonfim e de Bom Jesus dos Navegantes.

É também de lá o Trio Saborosa, ícone do carnaval no final dos anos 70 e início dos 80, criado por uma fábrica de cachaça situada na Rua Barão de Cotegipe. Essas e outras histórias integram a websérie “Diga aí, CBX”, que estreou na quarta-feira (03), dentro da programação do VirtuArte Cidade Baixa, disponível no Instagram do projeto: @virtuartecbx. A programação é gratuita.

Natielly, Feira de São Joaquim. Foto Amós Costa/Divulgação

São quatro episódios com duração de até oito minutos, contando um pouco sobre o início do axé, carnaval e festejos populares, os primeiros cinemas de rua de Salvador, a história das fábricas e ainda um episódio dedicado à localidade de Alagados. Entre os entrevistados, Laurinha Arantes, a primeira cantora da “Cheiro de Amor” e primeira mulher a puxar um bloco de Carnaval; os jornalistas Jolivaldo Freitas e Valber Carvalho; o Padre Edson Menezes da Silva, Reitor da Igreja do Bonfim há 12 anos; Ybsen de Souza Britto, ex-coordenador da equipe da praia da Festa de Bom Jesus dos Navegantes; e Jamira Muniz, coordenadora do Espaço Cultural dos Alagados.

“O VirtuArte surge da vontade de fazer pulsar esse lugar de onde venho, onde nasci e me criei, que não tem visibilidade cultural. As pessoas precisam se deslocar de seu território para apresentar sua arte e se desenvolver enquanto artista”, pontua a idealizadora e produtora executiva e artística do projeto, Polyana Sá. “A gente conhece a CBX como um lugar turístico e um pouco das festas populares, como a Lavagem do Bonfim, que leva milhões de pessoas, uma vez ao ano, até lá, mas a gente não conhece muito mais sobre a parte histórica”, enfatiza.

Santuário Santa Dulce dos Pobres (antigo Cine Roma). Foto Amós Costa

Os episódios serão exibidos quinzenalmente: dias 03, 17 e 31 de março, e 14 de abril. Entre os conteúdos de resgate histórico, a trajetória de sucesso do primeiro cinema de rua da capital baiana: o Cine Roma (onde hoje é o Santuário de Irmã Dulce), inaugurado em 1948 e que recebeu artistas como Roberto Carlos e Waldick Soriano, foi palco de festivais de música, peças teatrais e concursos de beleza.

“Ali era o principal ponto cultural dos anos de 1950 aos anos 80, não só da Cidade Baixa como de Salvador. Era um cineteatro para duas mil pessoas, que recebia dos grandes filmes de Hollywood aos shows da Jovem Guarda. Foi também onde Raul Seixas praticamente estreou ao lado dos Panteras. Era mesmo um local de encontros”, pontua o historiador Matheus Buente, que está no primeiro e terceiro episódio da websérie.

Cultura em movimento

Ponta de Humaitá. Foto Jeferson Teixeira/ Divulgação

A programação do VirtuArte Cidade Baixa é totalmente online, com todas as atividades disponíveis no Instagram, e inclui a exposição fotográfica “Olhares sobre a CBX”, que estreou no último dia 23, reunindo o trabalho de oito profissionais da localidade; oficinas de dança afro brasileira, interpretação para audiovisual e Mobgrafia (vídeo com celular); workshop de profissionalismo na música independente; sete vídeos performances de artistas locais e variadas manifestações, como música, capoeira, dança e teatro (o primeiro episódio vai ao ar no sábado, com o duo João Melo e Edwã Victor, tocando Marimba na Praia da Ribeira);

E o “Fala aí, diretxr_”: um bate papo mediado pelo ator e diretor Heraldo de Deus, recebendo convidadas como as diretoras Cecília Amado (“Capitães de Areia”) e Vilma Martins (“5 fitas”) para discutir filmes ambientados na região – estreia 15 de março.
O projeto é contemplado pelo Prêmio Anselmo Serrat de Linguagens Artísticas, da Fundação Gregório de Mattos, Prefeitura de Salvador, por meio da Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc, com recursos oriundos da Secretaria Especial da Cultura, Ministério do Turismo, Governo Federal.
Serviço:

VirtuArte Cidade Baixa

Quando: até 17 de abril
Programação (100% online):

Exposição fotográfica “Olhares sobre a CBX”: de 23 de fevereiro a 13 de abril

Vídeos performances: de 06 de março a 17 de abril

Diga aí, CBX – série de entrevista com historiadores e personagens da região: dias 03, 17 e 31 de março e dia 14 de abril

Oficinas:

Dança afro-brasileira (com Agatha Simas): dias 08 e 10 de março

Mobgrafia – vídeo com celular (com Ariel L. Ferreira): dias 23 e 24 de março

Interpretação para audiovisual (com Everton Machado): dias 05 e 07 de abril

Workshop de música independente:

08 abril (com Luan Tavares da “OFÁ” e Dieguito da “Vivendo do Ócio”)

13 de abril (com Jad Ventura da “Zuhri” e Gabriela Carmo)

Fala aí, diretxr_: bate papos com cineastas sobre filmes ambientados na Cidade Baixa, como “Tungstênio”, “Capitães de Areia”, “Navegantes” e “5 fitas”: dia 15 de março e 12 de abril
Gratuito

Mais informações: @virtuartecbx

 


Live de Pai para Filho com os Irmãos Macedo e Banda Macedinhos


Fotos/ Divulgação

Pipoca de Pai para Filho, é esse o título do projeto que estará no ar, em uma Live, no dia 27 de março, às 20h, no youtube, canal escolairmaosmacedo.

O folião que acompanha o trio elétrico Armandinho Dodô e Osmar nesses últimos 46 anos, curtindo a música baiana pelas ruas de Salvador, é fiel. Espera o ano todo para, junto com os filhos, naquele momento mágico, curtir a música trieletrizada. Sabe as músicas, canta, dança, faz a alegria do Carnaval.

A proposta da Live é justamente reviver esses momentos. Serão oito foliões representando uma legião de milhares. Nos seus depoimentos, vão contar as histórias vividas na avenida, a paixão pelo Carnaval, curiosidades, a música predileta, que será tocada na hora, ao vivo.

Durante a Live, um apresentador vai chamar os vídeos com os depoimentos dos oito foliões que, ao longo de décadas, participaram da pipoca do Trio Elétrico Armandinho, Dodô e Osmar. Após cada relato, a Banda Macedinhos executa a música citada pelo folião, num total de oito sucessos dos carnavais dos irmãos Macedo. Na sequência, o apresentador fala da autoria, data de lançamento e outras curiosidades sobre cada sucesso.

Nesse primeiro ano sem carnaval, é importante destacar essa história que foi passando de pai para filho, de geração em geração, exatamente como Osmar Macêdo fez com os próprios filhos, os Irmãos Macêdo! E a certeza de que a tradição será mantida, já no Carnaval 2022…

Vale lembrar que a Escola Irmãos Macêdo foi criada por causa da música trieletrizada. A Banda Macedinhos é formada por alunos desse projeto social, onde se ensina a música consagrada pelo talento de Armandinho, André, Aroldo e Betinho, (os irmãos Macedo) na história do Trio Elétrico.

O projeto tem apoio financeiro do Estado da Bahia através da Secretaria de Cultura e do Centro de Culturas Populares e Identitárias (CCPI) (Programa Aldir Blanc Bahia) via Lei Aldir Blanc, direcionada pela Secretaria Especial da Cultura do Ministério do Turismo, Governo Federal.

Live de Pai para Filho, Histórias de carnaval que ligam gerações

Quando: 27 de março às 20h

Onde: canal do Youtube escolairmaosmacedo


Live “Moraes Carnaval Moreira” comandada por Davi Moraes no YouTube


Foto: Agência Luca / Mare Luna

Comandada por Davi Moraes, filho de Moreira, a live durou mais de duas horas e contou com a participação de Luedji Luna, Gilsons, Gerônimo e Paulinho Boca e ainda está disponível no https://www.youtube.com/watch?v=sb_FZG-QUCU

A primeira voz que cantou em cima do trio elétrico nos deixou em abril do ano passado, mas seu legado e amor pelo Carnaval foram celebrados ontem (12) na live “Moraes Carnaval Moreira” transmitida pelo canal da Cervejaria Bohemia no YouTube. Comandada por Davi Moraes, filho de Moreira, a noite teve participação de Luedji Luna, Gilsons, Gerônimo e Paulinho Boca.

“É um baita prazer proporcionar essa live em homenagem a Moraes Moreira, que é um dos grandes ícones da nossa tradição, da nossa Bahia e, principalmente, do nosso Carnaval, que é tão fundamental na nossa cultura popular. Neste ano que a festa não vai ser na rua, nada melhor do que ter um pouco de entretenimento em casa e é importante para a gente, enquanto Bohemia, promover essa tradição” afirma Antenor Teixeira Neto, gerente de Marketing Regional da Ambev.

O desfile pelo circuito virtual embalou mais de 20 mil foliões que, de casa, acessaram a transmissão e relembraram sucessos como “Pombo Correio”, “Bloco do Prazer” e “Lá Vem O Brasil Descendo a Ladeira”. “Eu só tenho a agradecer a Bohemia pela oportunidade de justamente no Carnaval fazer essa homenagem a meu pai, que também era um dos pais dessa festa”, afirmou Davi. Com a clássica “Eu sou o Carnaval”, o anfitrião deu início à tão aguardada live.

Participações especiais
A primeira participação foi dos Gilsons, representados por Francisco e João Gil, netos do cantor e compositor Gilberto Gil. Eles relembram as canções “Eu sou o caso deles” e “Swing Campo Grande”, da época dos Novos Baianos, grupo que o homenageado fez parte nos anos de 1960 e 1970. “Moraes é uma das nossas maiores influências e a gente está muito feliz de participar dessa homenagem. Para a gente, a música dele é sinônimo de Carnaval e é bom poder ter esse gostinho aqui.”, disse José Gil.

Logo depois, quem fez sua participação foi a cantora Luedji Luna. Ela abriu sua participação com a clássica “Sintonia”, seguida de “Dê um Rolê”, sucesso dos Novos Baianos. “Seu pai me inspira muito”, disse a cantora ao músico antes de interpretar “Preta Pretinha”. Moraes Moreira é uma figura emblemática do Carnaval da Bahia, com hits que demarcam a tradição dessa festa de rua em Salvador. Ele me inspira também, porque a obra dele está para além das músicas de Carnaval. É um artista que ensina muito sobre versatilidade, o que eu também busco trazer no meu trabalho”, afirmou a cantora.

Paulinho Boca de Cantor, amigo e companheiro de música por mais de cinco décadas, foi o terceiro a participar. Ele cantou “Brasil Pandeiro” e “Mistério do Planeta”, ambas canções emblemáticas dos Novos Baianos, grupo que Paulinho também fez parte. “Homenagear Moraes é muito importante, porque ele é símbolo desse novo Carnaval que ganhou o mundo, não só por ter sido o primeiro cantor de trio, mas pelas boas poesias que ele colocou na boca do povo e as roupagens que ele deu para o frevo e o ijexá”, afirmou.

Coube à Gerônimo, quarto convidado da live, interpretar “Chão da praça” e “Chame gente”, dois hinos da folia de rua baiana. “O legado que Moraes deixou foi uma característica única. Qualquer música dele que a gente cante é possível reconhecer na hora. Eu me orgulho muito de participar dessa homenagem a meu grande amigo, que eu sempre chamava pelo nome de batismo, seu Antônio”, contou.

Davi Moraes encerrou a live “Moraes Carnaval Moreira” com uma dedicatória à família, amigos, convidados, parceiros musicais e à Cervejaria Bohemia, que proporcionou a celebração. Pela primeira vez desde os anos 1950, o tradicional carnaval de Salvador não se espalhou pelas ruas da cidade, mas isso não impediu que, de casa, o público pudesse matar a saudade da festa e das composições do primeiro cantor de trio elétrico.

Carnaval das lives Bohemia
Além do projeto Moraes Carnaval Moreira, a Cervejaria Bohemia também promove as lives do Circuito MAR neste fim de semana. O Ilê Aiyê, primeiro bloco afro do Brasil, será a primeira atração neste sábado (13), a partir das 21h. O bloco recebe como convidada a BATEKOO, movimento cultural de afirmação da negritude através da música, da dança e da moda. Já no domingo (14), dia do tapete branco passar pela Avenida, o Circuito Mar recebe, a partir das 13h, os Filhos de Gandhy, com repertório que mescla cânticos de candomblé e clássicos da MPB. Logo depois, às 19h, é a vez do cantor e compositor Gerônimo convidar Nara Couto. Todas as apresentações serão transmitidas simultaneamente no YouTube pelos canais da Bohemia Puro Malte e Casa Mar.

Na terça (16), quem faz sua transmissão ao vivo com patrocínio da Bohemia é o Olodum. O show promete relembrar a trajetória dos 41 anos do bloco afro, que conta com canções inesquecíveis como Faraó, Avisa lá, Rosa, Deusa do Amor, Protesto Olodum e muitas outras. A live será exibida pelo canal do YouTube/Olodum TV a partir das 19h.

Não perca nenhum detalhe da cobertura do Carnaval da Bohemia, salve o número (71) 9 9212-3374 na sua agenda para receber todos os conteúdos pela lista de transmissão no WhatsApp ou acesse o canal de imprensa no Telegram pelo link https://t.me/joinchat/F8C6gAEhnEdQCWeN.

As ações fazem parte das iniciativas da Ambev para o Carnaval deste ano. Para entreter os consumidores dentro de casa, a companhia preparou várias horas de diversão e folia. Tudo isso com as medidas de segurança e distanciamento que a atual situação pede.

 


Live de Carnaval do Olodum com Margareth Menezes e Ilê Ayê


Foto Magali Moraes/Divulgação

Depois de desmarcada por falta de patrocínio, a Bohemia abraçou Olodum e garantiu a realização da live que vai contar a história do samba-reggae no carnaval. O show virtual contará com a presença de Margareth Menezes e Ilê Ayê. O BIG Bompreço vai apoiar a live do Olodum.

Diretamente da Casa do Olodum, um show para marcar a trajetória dos 41 anos do Bloco Afro Olodum, que, por meio das suas canções, contará: “Uma História dos Carnavais” com os grandes sucessos da banda. A live do Bloco Olodum – Carnaval 2021 será exibida pelo canal do YouTube/Olodum TV na terça-feira, dia 16/02, às 19h e tem o apoio da cerveja Bohemia Puro Malte, única puro malte que é Bohemia.

Foto Estúdio Gato Louco/Divulgação

A noite contará com a participação de Margareth Menezes e Ilê Ayê. “A incrível história do bloco Olodum, fundado no Maciel Pelourinho há 41 anos, com sete jovens do bairro, conquistou com sua cultura de Carnaval simpatizantes de todo o mundo. Esta será a base fundamental desta live, o contar desta história”, disse o presidente do Olodum, João Jorge. No repertório, músicas como Faraó, Avisá la, Rosa, Deusa do Amor, Protesto Olodum e muitas outras que embalaram os desfiles do bloco por mais de 40 anos.

Guardiã das tradições, Bohemia que historicamente já apoia as principais festas populares de Salvador (Virada, Lavagem do Bonfim, Festa de Iemanjá e Lavagem de Itapuã), agora também abraça o Olodum. Além disso, apoia o Circuito MAR, que terá lives com Ilê Aiyê, Filhos de Gandhy, BATEKOO, Larissa Luz e Nara Couto.

Neste carnaval, a Bohemia ainda presta homenagem a Moraes Moreira em um conteúdo especial nesta sexta de Carnaval (12/02), capitaneado por Davi Moreira, que convida nomes como Luedji Luna, Gilsons, Gerônimo e Paulinho da Boca.

#DomingoDoOlodum
#FiqueEmCasa
#OlodumEmCasa
#OloduméPelaVida
#OloduméPelaPaz

 

Agenda
O quê: Live Olodum Uma História dos Carnavais
Quando: 16 de fevereiro (terça feira)
Horário: às 19h
Onde: Canal do Olodum no YouTube www.youtube.com/tvolodum

Participações: Margareth Menezes e Ilê Aiyê          
Patrocínio da Bohemia  e Apoio do  BIG Bompreço

Confira na TV Olodum: https://youtu.be/8kIyxmOpks4
Mãe já Olodum Feat Carlinhos Brown: