Aduílio Mendes, uma das atrações do Arraiá das Antigas

Ex-vocalista de Mastruz e Magníficos, as duas principais bandas de forró das décadas de 1990 e 2000, o cearense Aduílio Mendes será uma das atrações do Arraiá das Antigas, que acontece no próximo dia 11, no Armazém Hall, em Lauro …





Mais de 30 cidades realizam Carnaval


Um Carnaval para toda a Bahia. Esta é a proposta do Governo do Estado para a festa momesca que em 2019 recebeu o tema Carnaval da Bahia: o Mundo se Une Aqui. Este ano, 32 municípios, além dos trios de Salvador, serão contemplados para democratizar a festa baiana.

Baía de Todos-os-Santos, Chapada Diamantina, Costa das Baleias, Costa do Cacau, Costa dos Coqueiros, Costa do Dendê, Costa do Descobrimento, Caminhos do Oeste e Vale do São Francisco são regiões turísticas que têm festas momescas com apoio do Governo do Estado por meio da Bahiatursa.

Entre os contemplados estão Porto Seguro, que realiza uma das festas mais animadas do interior baiano, Rio de Contas, famoso pelo resgate das manifestações mais tradicionais, e Maragogipe com sua festa veneziana e famosos mascarados.

Canavieiras

 

Se a opção for praia, tem Carnaval em todas as costas da Bahia e na Baía de Todos-os-Santos. Cidades praianas como Alcabaça, Belmonte, Caravelas, Cabrália, Canavieiras, Conde, Cairu, Itacaré, Jandaíra, Lauro de Freitas, Madre de Deus, Maraú, Prado, Salinas da Margarida e Vera Cruz terão festa.

Quem quer curtir rios, montanhas e cachoeiras têm opções como Correntina, Lapão, Juazeiro, Jussiape, Palmeiras, Paramirim, Piatã, Santa Maria da Vitoria, São Félix do Coribe, que vão fazer a folia tranquilamente. “O nosso objetivo é que o Carnaval seja comemorado em toda a Bahia. Por isso distribuímos o investimento em diferentes cidades de diferentes regiões do estado”, disse o superintendente da Bahiatursa, Diogo Medrado.

Cidades – Alcabaça, Belmonte, Caravelas, Cabrália, Correntina, Canavieiras, Conde, Cairu, Itacaré, Itiúba, Juazeiro, Jandaíra, Jussiape, Lapão, Lauro de Freitas, Mucuri, Maragogipe, Maraú, Madre de Deus, Porto Seguro, Prado, Palmeiras, Paramirim, Piatã, Paratinga, Rio de Contas, São Francisco do Conde, Santa Maria da Vitória, São Félix do Coribe, São Sebastião do Passe, Salinas da Margarida e Vera Cruz.

 


Carnaval Pipoca tem Anitta,Daniela Mercury, Bell Marques e outros


Foto Manuela Scarpa (Brazil News)

Artistas famosos estarão puxando trios sem corda para o folião pipoca: Anitta, Daniela Mercury, Bell Marques, Léo Santana,Psirico, Margareth Menezes e  Luiz Caldas, entre outros artistas.

Um Carnaval Pipoca com democracia de ritmos e para todos os foliões. Com esta ideia na cabeça e a vontade de alegrar a folia de baianos e turistas, o Governo do Estado, por meio da Bahiatursa, apresenta sua programação para a festa de momo de 2019. De quinta a terça-feira, nomes como Bell Marques, Daniela Mercury, Luiz Caldas, Anitta, Attooxxa, Solange Almeida, Tayrone e tantos outros estarão nas ruas dos dois circuitos (Barra e Avenida).

A programação será aberta na quinta-feira, dia 28. Dia de samba e pagode no circuito Osmar (Avenida), por lá passarão Léo Santana, Psirico, É o Tchan, Dilsinho e Nata do Samba. Na Barra (Circuito Dodô), Babado Novo, Bell Marques, Parangolé, Solange Almeida e Bandana chamam o público para curtir a maior festa de rua do planeta.

Anitta é uma das atrações mais esperadas da folia na sexta-feira (1), no Circuito Dodô. Com uma coleção de hits e um repertório criado exclusivamente para a folia baiana, a cantora garante várias surpresas. Papazzoni, Rafa e Pipo, Katê e Trio da Huanna completam a grade. Na Avenida, Sarajane levará sua tradição no bloco sem corda Me Deixe à Vontade.

Daniela Mercury. Divulgação

No sábado, dia 2, será a vez de Daniela Mercury estrear na folia do Carnaval da Bahia na Barra/Ondina. Outra diva do axé, Margareth Menezes desfila na sequência. Tayrone, com sua sofrência, fecha a grade. No Avenida, Rosy e Banda faz seu tradicional desfile e Denny Denan toca no Polimania, atração que leva portadores de necessidades especiais para se divertir na festa de Momo.

Alinne Rosa abre a festa do domingo, dia 3, no Circuito Dodô. Primeiro cantor de trio e ex-integrante dos Novos Baianos, Paulinho Boca se apresenta logo depois. Amanda Santiago e Luana Monalisa fecham o dia na Barra. Na Avenida, Lá Furia, Parangolé e Maristela Muller compõem a programação.

Baby do Brasil. Foto Rosilda Cruz (Bahiatursa)

Luiz Caldas, Baby do Brasil, Genard e Teus Santos integram a grade das atrações na Barra, na segunda-feira. Dono de vários hits como Magia, Haja Amor, Tieta e É Tão Bom, o multi-instrumentista Luiz Caldas é o criador da sonoridade híbrida mais tarde batizada de axé-music. Ele abre a programação do dia no Carnaval da Bahia. No Campo Grande, Lincoln e Duas Medidas, Cheiro de Amor e Gilmelandia fazem show para o folião pipoca.

Daniela Mercury é a grande atração do circuito Osmar da terça-feira. Na Barra, Luiz Caldas, Lá Furia, Attooxxà e Hiago Danadinho dão conta do encerramento do Carnaval da Bahia promovido pelo Governo do Estado, que este ano tem o tema Carnaval da Bahia: o Mundo se Une Aqui.

 

 


Carnaval da Cultura com tradições, música e diversidade


 

Seja por meio da beleza e história dos blocos do Ouro Negro ocupando a avenida; da tradição e alegria das marchinhas e microtrios que puxam a pipoca, ou dos grandes artistas e expoentes que agitam os palcos do Pelourinho, o Carnaval da Cultura vem agitar a folia durante os seis dias. Assim, o Governo do Estado, por meio da Secretaria de Cultura da Bahia, garante por mais um ano a realização de um carnaval diverso, democrático, voltado para os baianos e visitantes de todos os cantos, afinal, “o Mundo se Une Aqui!”.

Ouro Negro – O Carnaval Ouro Negro, em sua 12ª edição, contempla neste ano blocos dos segmentos afro, afoxé, samba e reggae, nos circuitos Batatinha (Centro Histórico), Osmar (Campo Grande) e Dodô (Barra). Celebrando as matrizes africanas por meio de indumentárias tradicionais, alas de dança, canto e performances, os desfiles das entidades se configuram em verdadeiros espetáculos multi artísticos que encantam com a força da ancestralidade.

Dentre os blocos que participam do programa, alguns têm motivos a mais para comemorar este ano. O Afoxé Filhos de Gandhy, maior afoxé do mundo, completa 70 anos de história. O tapete branco da paz leva para avenida o tema “Êla Tempo”, escolha feita em respeito à ancestralidade e a todos que contribuíram para a evolução da instituição.  O bloco afro Ilê Aiyê, que completa 45 anos em 2019, firmado como uma das mais importantes entidades de referência na luta pela valorização e inclusão da população negra, dá continuidade às homenagens à Década Internacional Afrodescendente e traz no tema a referência a uma das mais famosas citações de seu repertório: “Que bloco é esse? Eu quero saber: 45 anos de Ilê Aiyê”. O objetivo do bloco é mostrar na avenida a musicalidade que deu origem a diversos subgêneros da música baiana.

Já o bloco afro Olodum, dono de um dos mais famosos toques percussivos do mundo, celebra o tema “As Duas Histórias: o Perfume das Rosas – Olodum 40 anos”. O bloco fundado em 1979, na Rua Maciel, do Pelourinho, tem uma trajetória de combate à discriminação racial e de estímulo à auto-estima e orgulho dos afro-brasileiros.

Banda Didá, Foto Sidney Rocharte

Duas entidades comemoram os seus 25 anos de história. De um lado, o bloco afro Didá, mantido pela associação educativa e cultural sem fins lucrativos de mesmo nome, a entidade desenvolve um trabalho que tem como base a percussão, especialmente o samba reggae. Formado por mulheres, o desfile do bloco marca o ápice das diversas atividades desenvolvidas pela instituição ao longo do ano. Também completando o 25º aniversário, o Alerta Geral montou um time de atrações que representa a excelência do bloco de samba, com muita alegria, paz e requinte.  Os cariocas Xande de Pilares, Délcio Luiz e Fundo de Quintal; além das bandas baianas Bambeia e Miudinho, são os nomes já confirmados para arrastar o imenso tapete azul e branco na quinta-feira, tradicional noite do samba na avenida.

Também participam do Carnaval Ouro Negro blocos e afoxés como Cortejo Afro, Filhos do Congo, Alvorada, Amor e Paixão, Pagode Total, Bloco da Capoeira, Reduto do Samba, Banana Reggae, Fogueirão Samba Folia, Bloco da Capoeira, Laroye Arriba, entre outros.

Carnaval do Pelô 

O Tapete Branco: Filhos de Gandhy, que completa 70 anos neste Carnaval

A programação da folia no Centro Histórico reúne grandes referências da música e artistas que vem conquistando cada vez mais espaço na nova geração. Começando na sexta-feira (01), até a terça-feira (05) os foliões poderão conferir encontros musicais no palco principal do Largo do Pelourinho; shows e bailes nos palcos dos largos Pedro Archanjo, Tereza Batista e Quincas Berro d’Água; além do carnaval de rua, movimentado por bandas, performances, microtrios e nanotrios. Para compor a programação do Carnaval do Pelô, foram selecionados 80 projetos e atrações por meio de seleção pública.

As mulheres negras estão em destaque no palco principal, levando talento e potência a três grandes encontros.  Dentre os projetos, na noite de abertura, sexta (01), a cultura popular é o centro do Samba das Yabás, projeto da cantora Maryzélia com as sambadeiras Dona Chica do Pandeiro (Quixabeira da Matinha) e Mestra Ana (Samba de Roda Dona Dalva). Na terça-feira (05), o Aya Bass reúne três das mais expressivas cantoras da música brasileira contemporânea, as baianas Larissa Luz, Xênia França e Luedji Luna. O projeto estreou em janeiro no Festival Sangue Novo, e chega com tudo ao carnaval.  Na mesma noite, tem muita força e Black music no show “Lindas Pretas Carnavalizando”, com a baiana Nara Couto, a paulista Paula Lima e a brasiliense Ellen Oléria. Além destes, mais nove projetos promovem encontros musicais diversificados no Largo do Pelourinho ao longo dos cinco dias de festa.

Nos largos do Centro Histórico, a programação tem como marca a variedade de ritmos, com shows de afro, antigos carnavais, arrocha, axé, guitarra baiana, hip-hop, reggae, samba, além de orquestras e bailes infantis. Sine Calmon, Skanibais, OQuadro, Pradarrum, Magno Santé, Renata Bastos, Samba Chula de São Braz e Orquestra Sérgio Benutti são alguns dos destaques nos largos Pedro Arcahnjo, Tereza Batista e Quincas Berro d’Água durante a folia. Pela primeira vez, a seleção deste ano contou também com a categoria novos talentos, que selecionou a banda Zuhri, que mistura rap e jazz num som original e envolvente.

Carnaval para crianças

Foto divulgação Aline Simonetti

Para o público infantil, a programação começa sábado (02), no Largo Pedro Archanjo, e continua até terça-feira, sempre a partir das 15h30. As atrações para os pequenos foliões serão Cadeiradebrim, Ray Gramacho, Canela Fina e PUMM – Por um Mundo Melhor.

Considerado por muitos como um dos principais atrativos da folia no Pelourinho, o carnaval de rua promete bastante animação e música com os bandões, bandinhas e grupos de performances.  As atrações podem ser vistas no vai e vem das ruas do Centro Histórico a partir de sexta-feira, às 18h, e nos demais dias com desfiles iniciados às 10h, às 16h e às 19h.

As ruas também serão ocupadas pelo colorido dos microtrios e nanotrios, agitando o folião pipoca no Carnaval do Pelô com muita música e empolgação. Serão dez desfiles com atrações como Microtrio de Ivan Huol, Bloquinho Banda Marana e o Faraó, Sylvia Patrícia & Tuk Tuk Sonoro, Banda Arapuka no Bicicletrio Toca Raul, Coletivo di Tambor, entre outros.

Carnaval da Cultura – É o carnaval dos blocos afro, de samba, de reggae e dos afoxés, apoiados por meio do Edital Ouro Negro para desfilar nos três principais circuitos da folia: Batatinha, Dodô e Osmar. É a folia animada, diversa e democrática do Carnaval do Pelô, que abraça o carnaval de rua, microtrios e nanotrios, além de promover nos palcos grandes encontros musicais e variados ritmos numa ampla programação. Tem Afro, Reggae, Arrocha, Axé, Antigos Carnavais, Samba, Hip-hop e Guitarra Baiana, além de Orquestras e Bailes Infantis. Promovido pelo Governo do Estado, através da Secretaria de Cultura (SecultBA), o Carnaval da Cultura é da Bahia. O Mundo se Une Aqui!

 

 


Vasta programação no Carnaval do Litoral Norte


Rixó Elétrico. Divulgação

Carnaval de Imbassaí e Praia do Forte unem atrações como Bailinho de Quinta, Ivan Uol, Rixó Elétrico, entre outros
A Prefeitura de Mata de São João, por meio da Secretaria de Cultura e Turismo, divulga a programação completa do Carnaval 2019 das localidades de Praia do Forte e Imbassaí. Os destinos turísticos mais procurados da região irão receber bastante coisa legal para fazer a alegria do folião, tem coisa muito boa no Carnaval do Litoral para turistas e nativos se divertirem muito!

O Carnaval do Litoral começa na quinta-feira, 28 de fevereiro e vai até a segunda-feira, 4 de março. Praia do Forte recebe atrações como os Mascarados de Maragogipe, Bloco Mortalha, Rixó Elétrico, Concurso de Caretas e muito mais! São 6 dias de atrações e blocos super contagiantes que vão fazer o carnaval dos foliões de PF!

Microtrio. Divulgação

Imbassaí também não fica de fora dessa festa! Lá o folião poderá curtir Maristela Muller, Mara Angels, Ivan Uol, bloco infantil e muito mais coisa boa! Praia do Forte e Imbassaí têm os melhores circuitos do Carnaval, principalmente pra quem quer fugir do agito da Capital e curtir atrações culturais e carnavalescas. Venha fazer parte do Carnaval de Praia do Forte e Imbassaí!

Acompanhe a Programação

Praia do Forte

Imbassaí

 


Samba-reggae e resistência negra feminina marcam Carnaval da Bahia


Divulgação

Quando o Carnaval da Bahia começar, as batidas do tambor vão ecoar fortes, mais uma vez, na avenida. E entre múltiplos ritmos, trios, arranjos, misturas e batuques, típicos da folia momesca, baianos e turistas vão “abrir alas” e se render ao som fascinante, inconfundível, único e, notadamente, percussivo das bandas femininas Didá e A Mulherada. As duas instituições foram selecionadas pelo Edital Carnaval Ouro Negro, projeto do Governo do Estado, através da Secretaria da Promoção da Igualdade Racial (Sepromi) e da Secretaria de Cultura da Bahia (SecultBA).

A Mulherada – Celebrando 18 anos, as percussionistas do Bloco A Mulherada se preparam para sair na quinta-feira (28) de Carnaval com uma novidade: a Ala de Canto formada por duas mulheres. Com o tema “Mistérios da África – as yabás, orixás, mães e rainhas”, o bloco vai percorrer o Circuito Osmar (Campo Grande), a partir das 17h, homenageando as raízes ancestrais das mulheres negras. Yabás são entidades femininas que, nestes desfiles, serão representadas pelas orixás Iansã, Iemanjá, Oxum e Nanã, com decoração do Mini Trio sob o comando das cores azul, vermelha, amarela e lilás, que simbolizam as divindades.

O Bloco A Mulherada nasceu de um projeto social que tem como finalidade a defesa dos direitos da mulher negra a partir de ações de combate à discriminação racial e de gênero e estímulo à autoestima e defesa dos direitos civis destas mulheres.  As mulheres que embalam as diversas alas são oriundas de oficinas de capacitação realizadas pelo próprio bloco ao longo do ano.

Ao todo serão 60 percussionistas, 30 baianas, 40 rainhas afro, 30 mulheres compondo a Ala Feminista, além de carro alegórico em homenagem às YABÁS, e um conjunto de 100 dançarinas. O desfile das mulheres será aberto com coreografia das ginastas do Grupo G.R., seguidas das Alas das Baianas, Ala Yabás, Orixás, Mães e Rainhas, a Ala Yabás Contemporâneas, composta por jovens e mulheres negras oriundas das comunidades do Pelourinho.

Haverá ainda mais cinco Alas Performáticas, representadas por dançarinas com figurinos que representam as águas e seus milagres, demonstrando relação de cada uma delas com a dança das águas.

Didá em foto divulgação de André Frutuôso

Didá – Conhecidas como “Rainhas que tocam tambor”, as integrantes que formam a primeira banda só de mulheres a tocar samba-reggae no mundo, a Didá, completam 25 anos de história e contagiam com a mistura do samba de raiz e batida africana. Em cima do trio, 18 mulheres farão a harmonia entre teclado e percussão, sob comando das cantoras Carla Lis e Madá Gomes, ex-aluna e percussionista, que fará seu primeiro carnaval como vocalista da Didá. No chão, serão 80 ‘rainhas’ tocando e levando, em várias alas, homenagens às baianas, à Princesa Anastácia e a Neguinho do Samba, além de uma ala de dança mostrando a Didá, desde o surgimento até os dias atuais. 

 Este ano relembrando toda a trajetória dessas mulheres, em sua maioria moradoras da periferia e guerreiras, a Banda Didá desfilará no sábado e segunda-feira, às 12h, com cerca de 1000 participantes (mulheres e crianças), celebrando seus 25 anos e levando para as ruas indumentárias em tons de prata e branco, levantando, do Campo Grande à Praça da Sé, o lema “Didá, 25 anos de Samba-Reggae e Resistência Negra Feminina”.

 “Estar na Didá representa uma descoberta de nós, mulheres. Fico feliz de darmos oportunidade a essas mulheres de comunidades carentes poderem se divertir, tanto quanto em outros blocos, que são pagos, doando alimentos. Elas se divertem e ainda ajudam centenas de pessoas”, descreve Débora Souza, 41, presidente da instituição e filha de Antônio Luís Alves de Souza, o Neguinho do Samba, criador da Didá

 Ela conta que participam do bloco mulheres moradoras da periferia de Salvador que ingressam na Didá mediante o fornecimento de 2 kg de alimentos não perecíveis, um produto de limpeza e Xerox do RG. Os alimentos e produtos, revela Débora, são doados sempre no dia 8 de março, Dia Internacional da Mulher, a instituições como o Núcleo de Apoio ao Combate do Câncer Infantil (NACCI) e Lar Irmã Maria Luiza, entre outras.

 Ouro Negro – Chegando à sua 12ª edição, o Ouro Negro oferece importantes subsídios para o apoio a agremiações de matrizes africanas e tradicionais dentro dos circuitos do Carnaval de Salvador. Desta forma, é promovida a preservação e valorização a presença destes blocos, com o desfile em alas e indumentárias tradicionais, assim como a maior participação da juventude, transmitindo o legado para as novas gerações. Dentro de suas comunidades, estas entidades contribuem para o desenvolvimento social através de projetos que estimulam a construção de uma cultura cidadã.

 Carnaval da Cultura – É o carnaval dos blocos afro, de samba, de reggae e dos afoxés, apoiados por meio do Edital Ouro Negro para desfilar nos três principais circuitos da folia: Batatinha, Dodô e Osmar. É a folia animada, diversa e democrática do Carnaval do Pelô, que abraça o carnaval de rua, microtrios e nanotrios, além de promover nos palcos grandes encontros musicais e variados ritmos numa ampla programação. Tem Afro, Reggae, Arrocha, Axé, Antigos Carnavais, Samba, Hip-hop e Guitarra Baiana, além de Orquestras e Bailes Infantis. E é também a preservação do patrimônio cultural, com o apoio ao carnaval tradicional dos mascarados de Maragojipe. Promovido pelo Governo do Estado, através da Secretaria de Cultura (SecultBA), o Carnaval da Cultura é da Bahia. O Mundo se Une Aqui!