Participação popular marca os festejos do 2 de Julho


 

Foto: Max Haack/Secom

 

Há precisamente 196 anos, a união dos cidadãos baianos resultou na libertação do estado do domínio da Coroa Portuguesa, culminando de vez com a Independência do Brasil. Neste ano, a celebração pelo Dois de Julho, data magna do estado, tem como foco a participação popular com a temática “Patrimônio do Povo”. A festividade é organizada pela Prefeitura, através da Fundação Gregório de Mattos (FGM).

Com início às 6h, a programação do desfile da Independência será aberto com uma alvorada de fogos no Largo da Lapinha, seguido do cortejo cívico, que terá a presença do prefeito ACM Neto. A programação contempla ainda o hasteamento de bandeiras realizado por representantes da sociedade civil, autoridades municipais, estaduais e das Forças Armadas, acendimento da Pira do Fogo Simbólico e encontro de filarmônicas.

De acordo com o historiador Francisco Senna, a presença do público nas ruas do cortejo cívico para se manifestar e reverenciar a história travada por batalhas acirradas é motivada pela essência das batalhas: a importância da união popular no processo de luta até a libertação do estado das tropas portuguesas e a permanência do sentimento de missão cumprida pelos baianos.

“O cortejo, essa manifestação de alegria e espontaneidade nunca foi organizada por militares, sempre foi organizada por uma comissão civil. Diferente do 7 de Setembro, o Dois deJulho tem outro foco, com o povo desfilando, se manifestando e vibrando. É uma organização desorganizada, pois não tem cordas, todos participam. É a festa mais bonita da Bahia tanto pela participação popular quanto pelo simbolismo”, detalhou o professor.

Os símbolos do Caboclo e da Cabocla são marca registrada da festa e buscam proporcionar uma reflexão sobre o povo, os habitantes e os herdeiros originais do território brasileiro: os índios. As esculturas em madeira dos caboclos – tanto a original esculpida pelo artista Manoel Inácio da Costa quanto a réplica – representam justamente o povo, o que demostra que a participação popular está intrinsecamente ligada ao movimento que culminou na Independência da Bahia.

Figuras populares históricas – Segundo Francisco Senna, diversos pontos históricos mostram o quanto a participação da população foi imprescindível no processo. Um dos momentos emblemáticos é o assassinato do soldado Tambor Soledade, mártir da Independência. Ele foi atacado por uma canhoneira enquanto comemorava, em Cachoeira, o resultado da votação da consulta de base com os deputados que aprovou a proposta de Independência do Brasil.

Mas há outros nomes tão importantes quanto este registrados na história baiana e que colaboraram nas lutas, a exemplo das guerreiras Maria Quitéria e Maria Felipa. Disfarçada dehomem, Quitéria ingressou no Exército para fazer resistência a Portugal. Já Felipa lutou bravamente na Ilha de Itaparica, ao lado de outras marisqueiras, com o auxílio apenas depedaços de pau e ramos de cansanção.

“Houve a liderança de nobres no movimento, mas quem lutou, foi à frente e deu sua vida a prêmio, foi o povo – brancos mais humildes, negros, índios. Foi o povo quem abraçou a causa e alguns grupos populares se destacaram, como as marisqueiras da Ilha de Itaparica e os boiadeiros de Pedrão que ainda desfilam no cortejo. Foi assim que se constituiu uma luta popular de fato”, destacou Senna.

O historiador complementa que a essência da celebração do Dois de Julho se fortalece a cada ano. “É uma festa rica em simbolismo, registros históricos, monumentos, reúne pessoas de todas as idades, escolas, grupos folclóricos, capoeiristas, baianas e até a classe política. Esse espirito não morre! Tem autenticidade e espontaneidade, todos participam. A história todos conhecem, então é uma festa viva!”, finalizou.

Foto: Max Haack/Secom

São Pedro em Dias d’Ávila


Divulgação

Os festejos juninos de Dias d’Ávila ainda continuam desde o lançamento no final de maio, realizado pela Prefeitura Municipal da localidade, na Praça ACM, o que marcou o ponta pé oficial no evento.

 

Os festejos juninos prosseguem com festa de São Pedro, considerada a maior da região, que chega a 7ª edição com uma variada programação e com muito sucesso, prometendo animar o público durante cinco dias: de 28 de Junho a 2 de Julho.

Programação São Pedro Dias D’Ávila 2019

28/06 Lambasaia

29/06 Seu Maxixe

Aduílio Mendes

Arreio De Ouro

30/06 Calcinha Preta

Magníficos

01/07 Unha Pintada Thullio Milionário

02/07 Concurso De Quadrilhas Juninas E Muito Mais

:


Virgílio, Cangaia, Forró do Tico e Flor de Maracujá, no Pelô, dia 24


Foto divulgação Elói Corrêa (Gov/BA)

Artistas consagrados vão se apresentar nos largos Tereza Batista, Quincas Berro d’Água e Pedro Arcanjo no último dia do São João da Bahia (24 de junho), que este ano tem o tema Respeita as Mina, programado pelo Governo do Estado, por meio da Bahiatursa.

Virgílio abre a programação no largo Pedro Arcanjo, com músicas que ficaram marcados na sua voz, a exemplo de Quando Você Chegou, Folha de Papel e Quaresma Divina.  Com mais de 15 anos fazendo sucesso na Bahia, a banda Flor de Maracujá vai encerrar as apresentações, no espaço, depois dos shows de Nando Borges, Vulcão Acesso e Ariany Azevedo.

A banda Forró do Tico, liderada pelo vocalista Tico Cavalcanti, é mais uma atração que vai se apresentar no São João da Bahia. Com ensaios juninos lotados, a banda leva para o Quincas Berro d´Água seu mais novo sucesso, Ah,  Se Meu Cavalo Falasse.

Quem for ao Quincas também vai cantar Ai Se Eu Te Pego, Bolo Doido, Sexta-Feira, Sua Linda e Jeito Carinhoso com a Cangaia, banda que tem mais de 10 anos de estrada, sendo uma das mais requisitadas neste São João. Dan Valente, Israel Rocha e João Almeida completam a grade do espaço.

No Largo Tereza Batista, Sandro Couto, cantor sertanejo romântico, vai embalar o coração do público, inspirado em grandes nomes do sertanejo nacional, como Jorge e Matheus e Bruno e Marrone. Também se apresentam Pablo Moraes, Marcondes Morais e Xote de Novela. Zelito Miranda, que se apresentaria nesta noite, por incompatibilidade na agenda do artista, abre o dia 22 no Largo Tereza Batista.


Tema junino “Respeita as Mina” tem decoração à altura


Fotos divulgação Vinicius Calheira

O tema do São João da Bahia este ano é Respeita as Mina. Por isso a figura forte da mulher nordestina está presente em toda a decoração do Pelourinho. O clima junino já se instalou no Cruzeiro de São Francisco, Terreiro de Jesus, nos largos do Pelourinho, Tereza Batista, Quincas Berro d´Água e Pedro Arcanjo, onde permanece até o final do mês. Todas as ruas são cuidadosamente decoradas, criando assim o cenário ideal para a festa. O São João da Bahia é realizado pelo Governo do Estado, por meio da Superintendência de Fomento ao Turismo (Bahiatursa).

Este ano, uma das mais importantes festas nordestinas pede que o respeito às mulheres também vire tradição. A decoração foi espalhada pelos 780 mil m2 do Pelourinho, com mais de 35 mil metros de bandeirolas distribuídas entre ruas e largos, um balão de sete metros, 20 de quatro e 40 de três, além de 40 luminárias de três metros e 200 metros de gambiarras de luminárias.

O projeto artístico concebido pela artista Telma Calheira é inspirado na diversidade feminina do Nordeste, inserida no contexto da maior festa popular da região: o São João. “Resgatamos elementos da nossa cultura, como dança da fita, a arte dos fuxicos, a beleza das rendas, a poesia dos balões, o colorido das bandeirolas e as vestimentas tradicionais”, diz a artista. “Toda decoração foi planejada no sentido de não provocar danos ao patrimônio público”, completa.

No Cruzeiro de São Francisco, um portal de entrada de 6m x 7m dá boas vindas aos turistas e baianos que forem curtir a festa. Cinco bonecas de 3,5m, sendo uma cangaceira, uma noiva caipira, uma retirante, uma forrozeira caipira e uma forrozeira vaqueira valorizam a luta das mulheres do Nordeste. Arcos de fuxico formam um túnel ligado a gambiarras coloridas. O espaço conta ainda com bustos femininos em resina de 1,60m x 1,10m. No Largo do Cruzeiro de São Francisco fica a tradicional “casa de reboco” com elementos característicos de um “arraiá” tradicional.

O Terreiro de Jesus terá dois portais de entrada de 6m x 5m, cinco bustos femininos, bandeirolas plásticas coloridas, um poste com dez metros de altura no centro da praça, 12 postes de oito metros e balões coloridos. Nas ruas 20 luminárias forradas em tecido de chitão, acabamentos com fitas e flores de fuxico.

O local onde nomes como Elba Ramalho, Geraldo Azevedo e Alceu Valença se apresentará, o Largo do Pelourinho, terá dois portais de entrada, assim como no Terreiro de Jesus, de 6 x 5 metros, um balão central de 5m x 3m, quatro gambiarras de luminárias cilíndricas, forradas em tecido de chitão, acabamentos com fitas e flores de fuxico e balões. “Teremos um arraiá de bandeirolas plásticas coloridas”, disse a artista.

Ao mesmo tempo em que homenageia as tradições do Nordeste, o tema da festa junina de 2019 conclama a todos para que respeitem as mulheres em seus direitos. A assinatura recebe a marca Respeita as Mina, uma ação do governo de enfrentamento à violência contra a mulher. A campanha também conta com peças para a divulgação de shows no Pelourinho e Paripe e pode ser vista também em comercial de televisão, jingle e peças das redes sociais.

Programação – No dia 21 o palco do Largo do Pelourinho contará com show da Orquestra Popular da Bahia, Jeanne Lima, Elba Ramalho, Mariene de Castro e Márcia Short. No dia 22, Carlos Pita, Enok Virgulino, Alceu Valença, Flor Serena e Rosy e Banda. Domingo, 23, tem Fulô de Mandacaru, Estakazero, Zelito Bezerra, Geraldo Azevedo e Genard. Do dia 20 a 24 tem programação nos largos Tereza Batista, Quincas Berro d´Água e Pedro Arcanjo.

Em Paripe, no dia 22, tocam Parangolé (no esquente para o jogo do Brasil x Peru), Anna Catarina e Swing do Luh. No dia 23, apresentam-se Dinho Santos, Solange Almeida, Simone e Simaria e Forró Didaindoido.

 


Solange Almeida, Simone e Simaria animam São João em Paripe


Foto reprodução site da cantora

Dois dias de festa em Paripe foram programados pelo Governo do Estado, por meio da Bahiatursa. Nos próximos dias 22 e 23 de junho, o bairro do subúrbio receberá nomes como Solange Almeida, Simone e Simaria, Forró Didaindoido, Anna Catarina, Dinho Santos e um esquente para o jogo do Brasil.

No dia 22, a partir das 14h30, a banda Parangolé animará o público para o jogo Brasil x Peru, ultima apresentação brasileira na fase de grupos da Copa América 2019. Com mais de duas décadas de musicalidade e mistura de ritmos, a banda liderada por Tony Salles apresenta repertório com vários hits incluindo Abaixa Que é Tiro, vencedora do troféu de “melhor música do carnaval 2019”, e Diferenciada, nova canção de trabalho.

A programação retorna às 20h30 com Anna Catarina. A cantora de 16 anos, que começou a cantar com quatro anos, apresenta um show diversificado, que inclui músicas de autoria própria. Dona de três CDs, não deixará a canção Eu Acreditei de fora da sua apresentação. A grade deste dia se encerra com Swing do Luh.

A véspera do São João terá duas grandes atrações lideradas por mulheres. Solange Almeida e Simone e Simaria são os destaques do dia 23. A programação começa com Irmanada, às 18 horas. Solange Almeida se apresenta na sequencia e traz ao palco canções do seu mais novo EP, Essência.

No show, suas raízes do forró e canções como Quero Ver Tu Balançar, Se Beber Não Digite, Corretorzinho, Deixa Eu Ser Solteirinha, Só Voltou Pra Dar o Troco, Deita na BR, Amores, Aventuras e Paixões, Agora É Com Você, Se Não Valorizar (Umbrella) – versão do hit da cantora Rihanna – e Cozido da Patroa.

O terceiro show da noite será de Simone e Simaria. Com a formação inédita de uma dupla de mulheres no forró e uma batida pé-de-serra, que faz uma mistura com as principais tendências da música, as artistas baianas apresentam repertório com canções sertanejas de sucesso, transformando em ritmo de forró, além de pisadinhas e vanerões.

Músicas como Qualidade de vida, Aperta o Play, Sorte, Regime Fechado, Um em um Milhão, Som da Caixinha, Meu Violão e Nosso Cachorro, Quando o Mel é Bom, 126 Cabides e Te Conheço Só de Olhar na Sua Cara são apostas das cantoras. A noite termina ao som de Forró Didaindoido e Dinho Santos.